Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Domingo, 6 de Abril de 2008

Apontamentos do encerramento do Congresso PSD-Madeira

Discurso de Alberto João Jardim:
 
“O PSD Madeira não é nem separatista nem integracionista, é autonomista…”
 
“A autonomia da Madeira é uma mais-valia nacional, é um serviço nacional…”
 
“Eu sou o que o povo madeirense produziu, a minha vida política é o produto da visão do povo madeirense…”
 
“Sr. Luís Filipe acabe-me com esta vergonha do Tribunal Constitucional ser a expressão de uma maioria política. (…) Nós somos pela independência rigorosíssima do poder judicial … e só assim o país terá confiança na justiça.”
 
 
Sobre educação e a violência nas escolas:
 
“Quem tem que levar uma estalada quando o menino vai com uma arma para a escola é o pai do menino.”
 
 
Sobre o Sr. “José Pinto de Sousa”:
 
“O primeiro-ministro está refém deste ministro das finanças, que é um homem imperioso, que tem os seus complexos até sociais… que olha a sociedade portuguesa como quem a quer castigar.”
 
“Nenhum primeiro-ministro se lembrou de, num casamento, ir pedir à noiva que informe quem pagou o seu vestido de noiva. Penso que na lei não está a possibilidade de perguntar o mesmo sobre a «flor de laranjeira»!?”
 
“Eu gosto disto! Eu gosto de Portugal! É curioso. As empresas que ganham mais – os bancos – são as que pagam menos. Isto é óptimo! Portugal é óptimo! E por isso é que eu não sou separatista!”
 
 
Discurso de Luís Filipe Meneses:
 
“Eu prometo que o futuro governo social-democrata, em 2009, vai apostar a sério no deficit dos transportes para a Madeira.”
 
“A partir de 2009 serão as estruturas locais, no país e nas regiões autónomas, a escolher quem querem como representantes no Parlamento nacional.”
 
O país não precisa de uma revisão constitucional, precisa sim de uma nova Constituição.

rotasfilosoficas às 15:54

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos