Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

arquivos

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


sobre mim:

Domingo, 13 de Abril de 2008

Juízos de facto e juízos de valor

 
 
«Enquanto penso dou pequenos toques com os dedos na mesa. Este gesto não é o produto de uma intenção, de uma determinação voluntária. Não tem uma finalidade pelo menos para a minha consciência [...]. O batimento dos dedos na mesa [...] [é] mecânico e não [...] [manifesta] nenhuma preferência: exterior a mim, por assim dizer, [...] [é-me] indiferente.
Posso praticar esgrima para manter a forma ou para passar o tempo mesmo que para isso tenha de interromper a redacção deste livro. Aqui já estamos perante uma conduta que implicou uma preferência, um juízo de preferência: “Vale mais praticar esgrima do que aborrecer-me” ou então “Vale mais manter a minha condição física por meio da prática desportiva do que enfraquecê-la e perdê-la mesmo que para isso tenha de momentaneamente abandonar ou preterir o meu trabalho”.
Tais juízos têm o nome de juízos de valor. Implícitos ou explícitos, claramente pensados ou não, acompanham toda e qualquer acção.
A filosofia da acção desemboca necessariamente numa filosofia dos valores. Se agimos, com efeito, é porque julgamos que vale a pena agir desta ou daquela maneira. Não é indiferente agir de uma maneira ou de outra. Um acto é aos nossos olhos mais precioso ou valioso do que outro e essa valia (valência) é a justificação do nosso esforço.»
 
Verge-Huisman, Nouveau Cours de Philosophie - La pratique et les Fins Tomo IV, Paris, Fernand Nathan, s.d., pp. 23-24

rotasfilosoficas às 18:05

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos