Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Sócrates e a douta ignorância

«Perante isto, um ou outro dentre vós talvez seja tentado a perguntar: “mas, no fim de contas, Sócrates, em que te ocupas? Donde virão essas calúnias que te visam? Porque, na realidade, se nada fazes de anormal, como se explica que falem mal de ti? Se vivesses como toda a gente, como se formaria essa tua reputação? Diz-nos, tu mesmo, como se terá dado isto, se não queres que procuremos uma explicação, para nosso uso.”
Observação inteiramente legítima, concordo. Por isso vou tentar explicar o que me deu esta agradável notoriedade. Prestai, pois, atenção. [...]
Efectivamente, Atenienses, possuo uma ciência; a ela devo essa reputação. Que espécie de ciência? A ciência que diz respeito ao homem.
Essa ciência é talvez justo dizer que a possuo; enquanto aqueles a quem tenho vindo a referir-me possuem uma outra, que é, sem dúvida, mais que humana; pelo menos, não sei defini-la de outro modo; o certo é que, por mim, não a possuo e, se alguém ma atribuir, mente e procura caluniar-me. [...]
Conheceis certamente Querofonte. Éramos amigos de infância. Ele, como amigo do povo que foi, participou convosco do exílio de que vos lembrais e regressou aqui convosco. Não ignorais como era o seu carácter, indomável em tudo o que empreendia. Ora, um dia, estando em Delfos, ousou fazer à divindade a seguinte pergunta: [...] se haveria alguém que fosse mais sábio do que eu. Ora, a Pitonisa respondeu-lhe que ninguém existia mais sábio. [...]
Quando tomei conhecimento dessa resposta oracular, perguntei a mim próprio: «vejamos o que significa a sentença da divindade. Qual será o seu sentido oculto? Tenho a consciência, por mim, de que não sou sábio, nem pouco, nem muito. Por conseguinte, que quererá ela dizer ao afirmar que sou o mais sábio? A divindade não pode falar contra a verdade. Isso não é possível.”
Por muito tempo, estive assim, sem atingir a compreensão da sentença oracular. Por fim, ainda que contrafeito, decidi-me a verificar a coisa do seguinte modo:
Principiei por procurar um dos homens que entre nós passavam por sábios, persuadido de que em face dele poderia ver se a palavra oracular era ou não fundada. Se não fosse, poderia dizer claramente à divindade: “eis, afinal, um homem mais sábio do que eu, quando tu me proclamaste o mais sábio.” Procurei conhecer a fundo o referido homem. Escusado é dizer o nome; era um dos nosso estadistas. Ora, dessa experiência de convívio, eis a impressão que colhi, Atenienses. Certifiquei-me que o personagem parecia sábio aos olhos de muitas pessoas e sobretudo aos olhos do mesmo, mas que de modo algum o era. E, então, procurei demonstrar-lhe que, julgando-se sábio, não o era. O resultado foi que recaiu sobre mim a sua inimizade, assim como a de diversas pessoas que testemunharam a cena. Retirei-me, dizendo para comigo: “afinal de contas, sou mais sábio do que ele. De facto, é possível que nem um nem outro de nós os dois saiba coisa alguma que preste; simplesmente, ele julga saber, enquanto eu não creio saber coisa alguma. Parece-me, enfim, que sou, ainda que muito pouco, um pouco mais sábio do que ele, visto pelo menos reconhecer não saber o que não sei.” Em seguida, procurei um segundo personagem, um daqueles que passavam por ser ainda mais sábios. E a impressão que obtive foi idêntica. Daí resultou ter provocado também a sua inimizade e de muitos outros. Não obstante, prossegui, embora compreendendo, não sem pesar e algumas apreensões, que estava, desse modo, a criar inimigos. Acima de tudo, porém, considerei o dever de me pôr ao serviço da divindade. Impunha-se-me, por conseguinte, sempre em busca do sentido do oráculo, procurar ou visitar todos os que passavam por possuir algum saber.
Ora, pelo cão infernal, Atenienses – o meu dever é dizer-vos a verdade – eis o que, de um modo geral, reconheci e verifiquei. Os de maior renome deixaram-me a impressão, com poucas excepções, de serem os mais deficientes; enquanto ou outros, os que passavam por modestos, me pareceram mais sãos de espírito.
Permiti-me que descreva um pouco melhor ainda essa inquirição, porque ela foi um autêntico ciclo de trabalhos que efectuei, a fim de verificar o oráculo.
Após os homens de Estado, procurei os poetas, autores de tragédias, compositores de ditirambos e outros, dizendo para comigo que, desta feita, me certificaria da inferioridade do meu saber. Fazendo-me acompanhar dos poemas que me pareciam mais talentosamente elaborados, abordava os poetas e pedia-lhes que mos explicassem; era, ao mesmo tempo, uma maneira de me instruir junto deles. Neste ponto, juizes, a custo me decido a dizer-vos a verdade. Mas, seja como for, é preciso dizê-la. A verdade é que todos, ou pouco menos, os que assistiam a essas conversações poderiam ter falado melhor do que esses autores acerca das suas obras.
Aqui está também ao que fui levado a pensar dos poetas; as suas criações eram devidas, não ao seu saber, mas a um dom natural, a uma inspiração divina análoga à dos profetas e dos adivinhos. Estes dizem igualmente muitas e belas coisas, mas não têm a consciência do que dizem. Tal é, precisamente, segundo me persuadi, o caso dos poetas. Ao mesmo tempo, descobri que eles, por virtude do seu talento, julgavam ser os mais sábios dos homens em muitas outras coisas, não o sendo, todavia. Por isso os deixei, pensando que possuía sobre eles o mesmo ascendente que reconhecera possuir em face dos estadistas. Para terminar, procurei os Artistas. Porque tinha a consciência de não saber, digamos, coisa alguma e ter a certeza de encontrar entre eles homens que sabiam muitas e belas coisas. Desta vez não me enganei: sabiam de facto coisas que eu não sabia e nisto eram mais sábios do que eu. Somente, Atenienses, esses bons artistas e artífices deram-me a impressão de terem a mesma deficiência que os poetas. Na realidade, sabiam superiormente do seu ofício e todos pareciam acreditar que tudo conheciam, incluindo as coisas mais difíceis, e essa ilusão mascarava o seu saber real. De maneira que, para justificar o oráculo, fui levado a perguntar a mim mesmo se não seria de facto melhor ser tal qual era, desprovido do seu saber mas também da sua ignorância, ou possuir, como eles, a ignorância com o saber. Respondia ao oráculo assim como a mim próprio, reconhecendo que mais me valia ser como era. [...]
No fundo, [o oráculo] queria dizer: “humanos, entre vós, o mais sábio é aquele que sabe, como Sócrates, que, no fim de contas, o seu saber é nulo.” Esta indagação, prossigo-a ainda hoje através da cidade e, obedecendo ao oráculo, continuo a interrogar quem quer que me pareça sábio, seja cidadão ateniense ou estrangeiro. E, quando se me afigura que o homem que interrogo não é sábio, é com o fim de dar razão ao deus que procuro pôr em evidência a sua ignorância.»
 
Platão, Apologia de Sócrates, trad. de Sant’Anna Dionísio, Lisboa, Seara Nova, 1961, pp. 22-27.

rotasfilosoficas às 14:51

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos