Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Terça-feira, 29 de Abril de 2008

O papel da hipótese na ciência

  «Para um observador superficial, a verdade científica está fora do campo de dúvida; a lógica da ciência é infalível e, se os sábios algumas vezes se enganam, deve-se exclusivamente à ignorância das regras.
As verdades matemáticas derivam de um pequeno número de proposições evidentes por uma cadeia de raciocínios impecáveis; estas verdades impõem-se aos homens e à própria natureza. Comprometem, por assim dizer, o Criador, permitindo-lhe somente escolher entre algumas soluções, relativamente pouco numerosas. Bastar-nos-ão algumas experiências para conhecer a escolha que fez. De cada experiência poderá sair uma multidão de consequências, por uma série de deduções matemáticas, oferecendo cada uma delas o conhecimento de uma parcela do Universo.
Para os estudantes do liceu que aprendem as primeiras noções de física, e para muita gente, reside aqui a origem da certeza científica. Assim compreendem o papel da experimentação e das matemáticas. Do mesmo modo o compreendiam, há cem anos, muitos sábios que julgavam poder construir o mundo pedindo o menos possível à experiência.
Depois de se ter reflectido um pouco, notou-se o lugar ocupado pela hipótese; verificou-se que o matemático não poderia prescindir dela e que o mesmo se passava com o experimentador. Perguntou-se, então, se todas estas construções eram suficientemente sólidas e admitiu-se que um simples sopro as poderia derrubar. Ser céptico a tal ponto é ainda ser superficial. Duvidar de tudo ou acreditar em tudo são duas soluções igualmente cómodas, porque uma e outra nos dispensam de reflectir.
Em vez de pronunciar uma condenação sumária, devemos antes examinar com cuidado o papel da hipótese; reconheceremos não só que é necessária, mas também que, a maior parte das vezes, é legítima. Descobriremos, além disso, que existem muitas espécies de hipóteses, que umas são susceptíveis de verificação e que, uma vez confirmadas pela experiência, se tornam fecundas; que outras, sem nos poderem induzir em erro, podem ser úteis na fixação do nosso pensamento, e, finalmente, que outras só são hipóteses na aparência, não passando de definições ou de convenções disfarçadas.
Estas últimas encontram-se mais frequentemente nas matemáticas e nas ciências suas auxiliares. Daí deriva justamente o rigor destas ciências; estas convenções são o produto da livre actividade do nosso espírito que, neste domínio, não conhece obstáculos. Neste campo, o nosso espírito pode afirmar porque é legislador; mas entendamo-nos: estas leis impõem-se a nossa ciência, que, sem elas, seria impossível; mas não se impõem à natureza. Serão, portanto, arbitrárias? Não, porque seriam estéreis. A experiência deixa-nos livre a nossa escolha, mas guia-nos, ajudando a discernir o caminho mais cómodo. As nossas leis são, portanto, como as de um príncipe absoluto, mas prudente, que consultasse o seu Conselho de Estado. [...]
O método das ciências físicas repousa sobre a indução, que nos leva a esperar a repetição dum fenómeno quando se produz as circunstâncias em que se produziu pela primeira vez. Se todas estas circunstâncias pudessem reproduzir-se simultaneamente, este princípio poderia ser aplicado sem receio: mas isto nunca acontecerá; faltarão sempre algumas destas circunstâncias. Poderemos estar absolutamente seguros de que não terão importância? Evidentemente que não.
Poderá ser verosímil, mas não poderá ser rigorosamente certo. Daqui resulta o papel considerável da noção de probabilidade nas ciências físicas.»
 
Poincaré, H., Ciência e Hipótese, Lisboa, Ed. Panorama, 1970, 13-17.
 

rotasfilosoficas às 17:11

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos