Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

arquivos

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


sobre mim:

Terça-feira, 23 de Setembro de 2008

O que é a Filosofia?

 

(Textos de Apoio ao 10º Ano)

 

«Não há introdução a um domínio, seja ele qual for, sem uma definição prévia daquilo que se vai falar. Uma introdução à numismática, por exemplo, dedicar-se-á primeiro a definir o que são as medalhas, em quem é que estes objectos se não confundem com as simples moedas, como é que esta ciência se distingue da história económica, da história da arte, etc.
Uma introdução à filosofia, [...] encontra-se colocada perante dificuldades particulares, pois é bem conhecido que o objecto e os métodos da filosofia não têm a clareza unanimemente reconhecida das ciências. Certos filósofos, entre os maiores, como Nietzsche, Wittgenstein ou Heidegger, anunciaram a morte, próxima e definitiva, da filosofia. Estes anúncios parecem um pouco paradoxais, já que se encontra sempre um filósofo que, em seguida, vem re-interpretar este fim da filosofia. Eu penso no grande livro de Heidegger sobre Nietzsche, mas também em Wittgenstein refutando-se a si próprio, quinze anos após o Tratactus. Mas eles têm o mérito de chamar a atenção sobre a particularidade da filosofia, que parece viver de refutações, de debates, de querelas.
Não podendo mostrar o objecto da filosofia, como o numismata pode exibir o objecto dos seus estudos, contentamo-nos com este primeiro critério, bastante formal, é verdade: a filosofia nasce, vive e perdura graças aos debates entre os filósofos. Ela é um perpétuo diferendo, e este traço é tão marcante e parece, a certos olhares, tão escandaloso, que a maior parte dos filósofos são tentados a resolver estes conflitos e anunciar, como Kant, “a próxima conclusão de uma tratado de paz perpétua em filosofia”. Em vão.
 
Lacoste, Jean, La Philosophie au XX siécle – Introduction à la Penseé Philosofique Contemporaine, Paris, PUF, 1988, p. 10.

 
«“O que é a filosofia?” [...] conhece-se uma quantidade incalculável de respostas. No entanto, nenhuma delas pode ser considerada categoricamente como certa ou errada. Porquê? Porque cada uma diz respeito a uma outra questão mais particular. Assim a definição aristotélica de filosofia não é, no fundo, mais do que a definição da filosofia de Aristóteles. [...] Ora, a história da filosofia mostra-nos que quase todos estavam convencidos de que a sua doutrina exprimia, de maneira adequada, a essência invariável da filosofia.
Portanto, se nos encontrarmos face a respostas múltiplas, a solução não pode reduzir-se à escolha daquela que pareça a mais válida, é preciso ainda estudar esta multiplicidade específica, o que ao fazê-lo nos levará a compreender que a questão “o que é a filosofia?”, bem como as variadas respostas que ela provoca, nos obrigam a debruçar-nos sobre a realidade, infinitamente variada, que a filosofia procura apreender.»
 
Oizerman, Theodor, Problemas de História da Filosofia, Lisboa, Livros Horizonte, 1976, pp. 50-51.
 

 
Filosofia ou filosofias?
 
«A Filosofia-em-si não existe, tal como não existe o Cavalo-em-si; há apenas filósofos como há apenas cavalos árabes, percherons, leoneses ou anglo-normandos. As filosofias são produzidas por filósofos: e a proporção não é tão vã como habitualmente se acredita. Como há trinta e seis mil espécies de filósofos, há outras tantas espécies de filosofias [...].
A Filosofia diz qualquer coisa, não tem uma vocação eterna, nunca é nem nunca foi unívoca, é mesmo o cúmulo da actividade equívoca. A Filosofia em geral é o que resta das diferentes filosofias, quando as esvaziámos de toda a matéria, quando mais nada subsiste que não seja um certo ar de família, como uma atmosfera evasiva de tradições, de conivências e de segredos. É uma entidade do discurso. [...]
A Filosofia acaba sempre por falar da posição dos homens, obedece sempre ao programa que Platão lhe traçou: “O objecto da Filosofia é o homem e o que diz respeito à sua essência de sofrer e de agir”.
Mas como não há uma ordem única da posição humana, uma solução estabelecida para a eternidade do destino dos homens, uma única chave para a sua situação, esta Filosofia permanece totalmente equívoca. A primeira tarefa que se apresenta a uma iniciativa crítica é a definição do equívoco presente da palavra Filosofia.»
 
Nizan, Paul, Les Chiens de Garde, F. Mespero, 1960, pp. 16-17.

rotasfilosoficas às 16:46

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos