Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Segunda-feira, 6 de Outubro de 2008

A especificidade da Filosofia

 

«Vivemos o nosso quotidiano sem entendermos quase nada do Mundo. Reflectimos pouco sobre o mecanismo que gera a luz solar e que torna a vida possível, a gravidade que nos cola a uma Terra que de outro modo nos projectaria girando para o Espaço, ou sobre os átomos de que somos feitos e de cuja estabilidade dependemos fundamentalmente. Exceptuando as crianças (que não sabem o suficiente para não fazerem as perguntas importantes), poucos somos os que dedicamos algum tempo a indagar porque é que a natureza é assim; de onde veio o cosmos ou se sempre aqui esteve; se um dia o tempo fluirá ao contrário e os efeitos irão preceder as causas; ou se haverá limites definidos para o conhecimento humano. Há crianças, e conheci algumas, que querem saber como é o aspecto dos “buracos negros”; qual é o pedaço de matéria mais pequeno; porque é que nos lembramos do passado e não do futuro; como é que, se inicialmente havia o caos, hoje existe, aparentemente, a ordem; e porque é que há um universo.
Ainda é habitual, na nossa sociedade, os pais e os professores responderem à maioria destas questões com um encolher de ombros, ou com um apelo aos preconceitos religiosos vagamente relembrados. Alguns sentem-se pouco à vontade com temas como estes, porque expressam vivamente as limitações da compreensão humana.
Mas grande parte da filosofia e da ciência tem evoluído através de tais demandas. Um número crescente de adultos querem responder a questões desta natureza, e ocasionalmente obtêm respostas surpreendentes. Equidistantes dos átomos e das estrelas, estamos a expandir os nossos horizontes de exploração para abrangermos tanto o infinitamente pequeno como o infinitamente grande.»
 
Sagan, Carl, “Introdução”, in Uma Breve História do Tempo, de Stephen Whawking, Lisboa, Círculo de Leitores, 1988, pp. 11-12.
 

 
Radicalidade
 
«A filosofia poderá ser perspectivada como uma reflexão radical sobre a realidade, sobre o homem e sobre o mundo.
Como reflexão radical a filosofia situa-se no plano de uma racionalidade interpretativa e explicativa. Esta racionalidade interpretativa e explicativa implica que as posições assumidas não se alicercem em crenças ou meras opiniões mas se enraízem numa fundamentação que [...] lhes confira uma justificação consistente.
Por consequência, no âmbito da filosofia não terão sentido atitudes dogmáticas, visto que a dogmatização [...] envolverá necessariamente a ausência de uma fundamentação aberta.»
 
Sousa, M. C. H. de, As Ilusões da Razão, Porto, Brasília Editora, pp. 17-18.
 

 
Universalidade
 
«Todos sentimos, desde a infância, necessidade de explicar o universo. E construir uma imagem do mundo, compreender como se ordenam todas as coisas em nós e à nossa volta, tem sido sempre a história, o germe e a fonte de toda a filosofia. O homem nunca renuncia ao desejo de conhecer. [...]. A filosofia não é mais do que a tentativa, sempre renascente, do homem que procura explicar a si mesmo a situação que ocupa no universo. [...]
O filósofo traz a esta ânsia de explicação, a sua curiosidade, o seu amor pela certeza intelectual e o seu gosto pela perfeição moral. [...]
O filósofo resume a sua época, mas o seu pensamento não fica encerrado apenas dentro dele. O pensamento de um filósofo é mais uma antecipação do futuro do que o comentário do presente; e logo faz parte do próprio futuro porque contribui directamente para o construir.»
 
Ducassé, P., As grandes Correntes da Filosofia, Lisboa,
Publ. Europa-América, 6ª edição, s.d., pp. 5-6.
 

 
Autonomia
 
«Que é então filosofia? Comecemos por dizer o que ela não é. Filosofia não é religião, não é ciência — como a físico-química, a matemática, a biologia, a astronomia, etc. — não é arte, não é o «espírito» de tal ou qual raça, de tal ou qual povo — se é que esse «espírito» chega, de facto, a ser alguma coisa, — não é sensibilidade — geral de uma época ou peculiar de uma gens —, não é folclore — isso muito menos — não é sequer, finalmente e em rigor, nem visão do mundo (Weltanschauung) nem história da filosofia.
Filosofia não é religião. O princípio desta, consideradas as coisas um pouco grosso modo, é a autoridade e o seu objecto o «sagrado»; o princípio daquela a razão — considere-se o termo na máxima latitude possível — e o seu objecto o ser — considere-se ainda o termo na máxima latitude possível. [...]
Filosofia não é ciência no sentido em que o são, por exemplo, a físico-química, a matemática, a biologia, etc. Diferem pelo objecto e pelo método. [...] Filosofia não é arte. Quer esta última palavra se empregue no sentido antigo de tecnh, quer no sentido mais moderno e mais restrito de «produção da beleza pela acção do ser consciente». A razão está em que a arte se realiza, à raiz, no singular e no concreto, ao passo que a filosofia pressupõe, sempre, o universal e um certo abstracto. [...]
Filosofia é saber. Um saber geral e gerante; um saber universal e universalizante; um saber que se formula, actu, — ou seja formulável — numa certa ordem coerente de sistema ou, ao menos, de temas maiores (imagem arquitectónica ou musical); um saber reflexo, simultaneamente anterior e posterior às outras formas do saber: anterior porque, fundando-se, as funda; posterior, em parte certamente, porque reflexo».
 
ANTUNES, Manuel, “Haverá filosofias nacionais?”
in Brotéria. Revista Contemporânea de Cultura, tomo 64, 1957, pp. 42-61

 


rotasfilosoficas às 17:08

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos