Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Domingo, 15 de Junho de 2008

Saramago no "Diga lá Excelência"

Saramago não deixa de ser polémico. O prémio Nobel de 1998 proferiu ontem, no programa "Diga lá exclência", transmitido na RTP2, algumas das suas convicções e posições mais radicais, numa breve análise sobre o mundo, a política, a vida/morte e como gostaria de ser recordado. Aqui ficam dois excertos dessa entrevista:
 
“… eu não sou um exemplo do que é viver neste mundo. Sou um privilegiado. Mas não posso estar contente. O mundo é o inferno. Não vale a pena ameaçarem-nos com outro inferno porque já estamos nele. A questão é saber como é que saímos dele. […]
 
Gostaria de ser recordado como o escritor que criou a personagem do cão das lágrimas [Ensaio sobre a Cegueira]. É um dos momentos mais belos que fiz até hoje enquanto escritor. Se no futuro puder ser recordado como "aquele tipo que fez aquela coisa do cão que bebeu as lágrimas da mulher", ficarei contente. Se alguém procurar naquilo que eu tenho escrito uma certa mensagem, atrevo-me pela primeira vez a dizer que essa mensagem está aí. A compaixão dessa mulher que tenta salvar o grupo em que está o seu marido é equivalente à compaixão daquele cão que se aproxima de um ser humano em desespero e que, não podendo fazer mais nada, lhe bebe as lágrimas.”
 
15.06.2008, Maria José Oliveira (PÚBLICO) e Paulo Magalhães (Renascença)

 


rotasfilosoficas às 11:55

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

Quinta-feira, 12 de Junho de 2008

Gilberto Gil em concerto no Funchal

Gilberto Gil foi, ontem (10.06.2008), o convidado de honra das comemorações dos 500 anos da cidade do Funchal (Praça do Município), onde apresentou alguns temas que figurarão no seu novo disco – “Banda Larga”, um álbum que combinará os ritmos nordestinos, como o baião, samba e a bossa-nova, com “sons” das novas tecnologias da informação e comunicação.
Depois de 50 álbuns editados, 12 discos de ouro, 5 de platina, 7 “Grammys” e mais de 4 milhões de discos vendidos por todo o mundo, o actual ministro da cultura brasileiro mostrou, mais uma vez, porque é uma das principais personalidades do panorama musical brasileiro. Isto é, mostrou todo o seu talento e recebeu do público os devidos e entusiásticos aplausos.
 
Miguel Alexandre Palma Costa

rotasfilosoficas às 12:02

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

Terça-feira, 10 de Junho de 2008

10 de Junho, dia da língua portuguesa!

O dia que hoje celebramos é o dia da língua portuguesa; ou melhor, o sentir, o ver, o escutar, o pensar e comunicar o mundo através deste idioma que é, no fundo, o que caracteriza a “alma” de ser português! 

Se é verdade que a língua modela o nosso pensamento, também é verdade que ela molda todos os outros ângulos da nossa vida enquanto povo. Ora, Camões é o poeta que melhor expressa este sentir, pensar… e comunicar em português, pois ele ainda hoje nos “fala” como se estivesse presente e antecipasse o futuro desta nação que é Portugal. Vejamos o que nos diz o poeta... 

Ao desconcerto do Mundo

Os bons vi sempre passar
No Mundo graves tormentos;
E pera mais me espantar,
Os maus vi sempre nadar
Em mar de contentamentos.
Cuidando alcançar assim
O bem tão mal ordenado,
Fui mau, mas fui castigado.
Assim que, só pera mim,
Anda o Mundo concertado.

                                   Luís de Camões


rotasfilosoficas às 13:01

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos