Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Segunda-feira, 23 de Novembro de 2009

Sobre os "Prestígios da imagem" - José Gil

  Segundo José Gil, a ética, a moral e toda a carga valorativa perdeu a guerra com a onda populista que afecta o espaço público europeu.

Se a ética correspondia a um conjunto de princípios ou normas morais, como defendia Bento Espinosa (“é a força que determina o valor”), hoje, estas mesmas forças, no mundo da política, viraram-se do avesso. O mediatismo dos políticos, como é o caso de Sílvio Berlusconi, em muito tem contribuído para degenerescência e extinção da “ética política”, pois a visão populista e a manipulação da imagem do líder político, assim como o reforço da capacidade de influencia sobre as massas e a transformação do prestígio que é fabricado pelos media e que resulta em poder, tudo isto tem contribuído para profundas alterações no próprio mundo da política.
Ora, o grande resultado desta alteração é a trivialização e democratização do próprio espectáculo que é a política e a sua liderança. “O líder tornou-se actor”, ou melhor, “um homem como nós”, com pensamentos, sentimentos, virtudes e defeitos. E esta exposição da sua intimidade resultou, inesperadamente, num novo populismo mediático, ou seja, o mostrar tudo das novas tecnologias alterou a ética das forças vitais; pela nova estética da imagem e pela disposição das novas tecnologias em “mostrar tudo”. Os media não encontram barreiras entre o que é público e o que é privado, indo mesmo ao “descaramento” de revelar hoje um facto e uma cara considerados como ilícito e, no dia seguinte, este ilícito considera-se aceitável e rapidamente cai no esquecimento. Ou seja, os media, hoje, são os tribunais da opinião pública, sobretudo no que à política diz respeito: rapidamente condenam, absolvem e esquecem.
 
 
Helena Belga/Miguel Alexandre Palma Costa
 
 

rotasfilosoficas às 18:38

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos