Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Sábado, 5 de Dezembro de 2009

Para que serve a Filosofia?

 Para aprender a pensar e ensinar a morrer. Especialistas em direito, medicina, física e filosofia dizem que a diminuição do peso da disciplina no ensino é "um erro grave".

 
Como um sabonete me ajudou a compreender a “ética da observação”
 
A primeira experiência de trabalho de campo na Índia levou Rosa Maria Perez a uma pequena aldeia do Gujarat onde não havia electricidade nem água corrente.
Inicialmente, Perez enfrentou grandes dificuldades de comunicação nesta pequena comunidade hindu, mas acabou por fazer o seu trabalho. Em pouco tempo, estava integrada e tinha transmitido aos habitantes o hábito do uso do sabonete, que passou a comprar para muitos deles nas suas idas à cidade de 15 em 15 dias.
Quando regressou à aldeia anos depois, para novo período de estudo, ficou surpreendida e compreendeu que tinha cometido “um erro”. Apesar de ter enfrentado três anos de seca e de não haver arroz nem vegetais, a aldeia não tinha deixado de usar o sabonete que ela lhe tinha dado a conhecer. “Só então reparei que o sabonete tinha passado de um objecto lúdico e de sedução, a objecto de poder e a indicador de estatuto. As pessoas estavam divididas entre as que tinham sabonete e as que não tinham”. É em parte por causa deste episódio que Perez não é hoje capaz de conceber a Antropologia sem humanismo nem sem Filosofia. “A filosofia ensinou-me a olhar – há na Filosofia uma ética da observação a que a Antropologia é relativamente alheia”. Com ela, resumiu a filósofa Maria Filomena Molder, é reforçada a “preocupação de o observador não interferir no objecto observado”.
A filosofia está a desaparecer dos currículos e isso compromete a formação das pessoas. Deixar que a disciplina seja progressivamente apagada limita o acesso dos alunos a um instrumento de conhecimento que ensina a pensar e a olhar, defendem os que se opõem à eliminação do exame nacional de filosofia para o 10.º e 11.º anos, determinada por um decreto-lei de Fevereiro deste ano. (…)
 
A filosofia e a arte de morrer
 
Para os não-filósofos que estiveram no debate, a importância da filosofia é muito mais quotidiana do que académica, embora a sua manutenção nos currículos não deva ser posta em causa.
Lobo Antunes, neurocirurgião e autor de livros como Um Modo de Ser, começou a interessar-se pela filosofia com três obras de Paul Foulquié, mas foi com o filósofo português Fernando Gil que a curiosidade se intensificou.
“O Fernando Gil escreveu que «a filosofia é um acto de inocência porque interroga o admirável do mundo», lembrou Lobo Antunes, para quem é impossível conceber a medicina sem a filosofia e a poesia: “A poesia ensinou-me a apurar o rigor no uso das palavras porque no poema, tal como no genoma, basta uma palavra para que saia monstruoso, perro, coxo. A filosofia permite-me interrogar o que de admirável há no sofrimento e, para citar [Michel de] Montaigne, permite aprender e ensinar a morrer. Há na filosofia uma ética da esperança e um desafio à alegria de pensar.”
Tal como Lobo Antunes, o matemático Nuno Crato e o físico Carlos Fiolhais consideram um “erro grave” o desinvestimento no ensino da filosofia. Para o primeiro, ela forma com a matemática (raciocínio lógico, quantitativo e qualitativo) e o português (ler, dialogar, interpretar) o grupo das “três áreas fundamentais na formação do cidadão”. Para o segundo, é um instrumento para “ensinar a pensar bem”.
 
O “direito à filosofia”
 
“Fui para a física porque achei que ela me escondia qualquer coisa”, disse Fiolhais.
“Podia ter escolhido a filosofia, que formula questões sobre tudo. A física faz menos perguntas e é mais fácil”. A ligação entre as duas disciplinas sempre foi evidente – vem de Kant, que começou como físico, a primeira ideia de galáxia, explicou.
“Ainda que de maneiras diferentes, a física e a filosofia preocupam-se com o indivíduo, pensam nele. Mesmo os grandes computadores servem para resolver os problemas humanos.”
Fernanda Palma, professora da Faculdade de Direito de Lisboa e juíza do Tribunal Constitucional, introduziu no debate a questão do “direito à filosofia”, definindo-o, a partir do filósofo francês Jacques Derrida, como “o direito a pensar as coisas até ao fim”. Para a jurista, a filosofia continua a ser central porque o direito a ela está relacionado com “o dever da sociedade em garantir a liberdade de pensamento”.
A antropóloga Rosa Maria Perez recorreu a uma das suas primeiras experiências de campo na Índia para falar da importância da filosofia na observação de outras culturas (ver caixa) e na desconstrução de processos cognitivos.
Para fechar o debate, o filósofo José Gil sublinhou o “laço profundo” que há entre o acto de pensar e a filosofia e responsabilizou a “sociedade da opinião” – a opinião é o principal inimigo da filosofia, disse, porque tem certezas e não dúvidas – pelo progressivo desaparecimento da disciplina. “Quando uma criança de quatro anos pergunta porque é que a árvore se chama árvore está a filosofar, só que não sabe.” (…)
 
In Público, 16/12/2006

 


rotasfilosoficas às 20:01

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos