Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Quarta-feira, 3 de Março de 2010

O Corpo no "acto de conhecer"

 

 
“O corpo é o centro, o orgão e até o «criador» do nosso mundo. [...] Entendemos o mundo como o conjunto de significações em virtude das quais as coisas ou os acontecimentos adquirem um sentido e se convertem em objectos: o mundo humano é um mundo de objectos. As epistemologias genéticas demonstraram que todo o edifício do conhecer humano arranca da realidade e do exercício das nossas dimensões corporais, podendo depois ser submetido aos mais complicados processos de refinamento abstractivo, formalizador, objectivador, generalizador, etc. Com isto estamos a afirmar que, directa ou indirectamente, todo o conhecimento é mediado e, em certo sentido, subjectividade pelo corpo.
Isto é válido, de modo priormondial, para todo esse complexo de objectos que englobamos sob a designação de «mundo». O mundo – o mundo humano – é o que é porque o meu corpo – o corpo humano – tem um determinado equipamento de orgãos receptores que, necessariamente, joeiram os estímulos e impressões que recebo. Quer dizer, se se mudasse o nosso equipamento receptor, mudaria automaticamente o nosso mundo.[...]
A interconexão do corpo com o mundo tem, como é obvio, uma projecção inegável no âmbito do conhecimento, muito especialmente no do conhecimento senso-perceptivo, que é a nossa via fundamental de inserção e de comunicação com o mundo. [...] Se o corpo é o «lugar» de presença da realidade [...] esta só se torna presente de modo autêntico no meu corpo, fundido a sua presença com a presença deste.[...].
Qualquer realidade que se apresenta por si mesma, «sem pessoa», só faz realizando a sua presença em coincidência com a presença do meu corpo. [...] Essa presença coincidente do meu corpo e do que por ele é presenciado é o ponto de arranque do meu conhecimento genuíno do mundo das coisas e acontecimentos.
Eu não posso [sequer] suspeitar do que seria para mim o mundo externo nem que conhecimento poderia ter dele, se prescindir do meu corpo. De um modo imediato, primário e original acerco-me cognoscivamente do mundo porque sou corpo. [...] A perspectiva do meu ver e do meu conhecer está essencialmente predeterminada pelo modo de ser do meu corpo.[...]
Estamos de tal maneira «unidos» ao mundo pelo corpo que não posso entender o mundo sem o corpo, nem toda a riqueza e complexidade do meu corpo sem o mundo. Separá-los é mutilá-los, pelo menos ao nível cognosctitivo, já que isso seria esquecer que o corpo é a mediação do meu conhecer o mundo, porque o corpo é mundo”.
 
S.R. Romeo (1985) Experiência, cuerpo y conocimiento, Madrid,C.S.I.C., pp. 285-287.

rotasfilosoficas às 18:22

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos