Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Quinta-feira, 20 de Maio de 2010

O problema da indução no conhecimento científico

  

 

«Os gregos, em geral, tinham-se sentido satisfeitos com a aceitação dos factos “óbvios” da natureza como pontos de partida do seu raciocínio. Não se sabe se Aristóteles alguma vez deixou cair duas pedras de peso diferente a fim de verificar o seu pressuposto de que a velocidade da queda é proporcional ao peso do objecto. Para os gregos, a experimentação parecia irrelevante. Interferia com a beleza da dedução pura, e diminuía essa beleza. Por outro lado, se uma experiência discordava de uma dedução, poder-se-ia ter a certeza de que a experiência estava correcta? Seria provável que o mundo imperfeito da realidade concordasse completamente com o mundo perfeito das ideias abstractas; e se não, seria correcto adaptarmos o perfeito às exigências do imperfeito? Verificar uma teoria perfeita usando instrumentos imperfeitos não impressionava os filósofos gregos como modo válido de obter conhecimento.

A experimentação começou a tornar-se filosoficamente respeitável na Europa com o apoio de filósofos como Roger Bacon (contemporâneo de Tomás Aquino) e, posteriormente, o seu homónimo, Francis Bacon. Mas foi Galileu quem contrariou a opinião grega e efectuou a revolução. Era um lógico convincente e um génio como publicista. Descreveu as suas experiências e o seu ponto de vista tão clara e dramaticamente que convenceu a comunidade culta europeia. E esta aceitou os seus métodos, juntamente com os seus resultados.

De acordo com a história mais conhecida sobre ele, Galileu verificou as teorias de Aristóteles sobre os corpos em queda, e de tal modo o fez que toda a Europa ouviu a resposta. Segundo se diz, subiu ao topo da torre inclinada de Pisa e deixou cair uma esfera de 10 libras e outra de uma só libra, simultaneamente; a queda dos dois corpos no solo a menos de um segundo um do outro liquidou toda a física de Aristóteles.

De facto é possível que Galileu não tenha realizado esta experiência, mas a história dos seus métodos dramáticos é tão típica que não admira ter sido aceite através dos séculos.

O que Galileu fez de facto foi rolar esferas em planos inclinados e mediu a distância que percorriam em tempos bem definidos. Foi o primeiro a realizar experiências de tempo e a usar a medição de um modo sistemático.

A sua revolução consistiu em elevar a “indução” acima dedução como método lógico da ciência. Em vez de construir conclusões a partir de um conjunto bem definido de generalizações, o método indutivo começa por observações e decorre dela generalizações (axiomas, se quisermos). Claro que até os gregos obtinham os seus axiomas a partir da observação; o axioma de Euclides segundo o qual uma linha recta é a distância mais curta entre dois pontos era um juízo intuitivo baseado na experiência. Mas, enquanto o filósofo grego minimizava o papel desempenhado pela indução, o cientista moderno baseia-se na indução como processo essencial de obter conhecimento, o único modo de justificar as generalizações. Mais ainda, o cientista compreende que não pode ser realizada qualquer generalização a menos que seja repetidamente testada através de experiências repetidas – a procura contínua de uma nova indução.

O ponto de vista geral hoje aceite é precisamente o oposto do dos gregos. Em vez de considerarmos o mundo real como uma representação imperfeita da verdade ideal, consideramos as generalizações como simples representações imperfeitas do mundo real. Por muita que seja a experimentação, a generalização nunca pode ser aceite como completa e absolutamente verdadeira. Mesmo que biliões de observações tendam a apoiar uma generalização, basta que haja uma que a contradiga ou seja incoerente para forçar a sua modificação. E independentemente do número de vezes que uma teoria seja testada com êxito, nunca pode haver a certeza de que não seja lançada por terra pela observação seguinte.

Este é, portanto, um aspecto essencial da filosofia natural moderna. Não pretende atingir a verdade última. De facto, a expressão “verdade última” perde significado, porque não existe maneira de realizar um número suficiente de observações para tornar a verdade certa e, portanto, “última”. Os filósofos gregos não reconheciam esta limitação. Mais ainda, não viam qualquer dificuldade em aplicarem exactamente o mesmo método de raciocínio tanto à pergunta “O que é a justiça?” como “O que é a matéria?”. A ciência moderna, por outro lado, faz uma distinção clara entre estes dois tipos de pergunta. O método indutivo não pode fazer generalizações sobre o que não pode observar; e como a natureza da alma humana, por exemplo, não é observável por quaisquer meios directos hoje conhecidos, este tema encontra-se fora do domínio do método indutivo.»

 

Asimov, Isaac, O Universo da Ciência, Lisboa, Ed. Presença, 1989, pp. 23-24


rotasfilosoficas às 19:12

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos