Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Sábado, 12 de Junho de 2010

O eterno fim

 

 

 

A condição humana está subordinada, inexoravelmente, à cronologia, isto é, ao tempo, a um fim, terminus, à morte (à “finitude” de um destino; Heidegger expõe-nos como ser-para-a-morte [Sein und Zeit]). Não obstante, a idealidade da reversibilidade da idade, ou melhor, o elixir da juventude como comummente lhe chamamos (e é pelo corpo, com efeito, que nos inscrevemos na finitude do tempo, não matemático e abstracto, mas humano, concreto, ontológico… ) está hoje mais impregnado nas nossas sociedades do que nunca. Veja-se, por exemplo, o número crescente de cirurgias estéticas realizadas apenas com o intuito de retocar a “imagem” ou retardar o envelhecimento, sobretudo no género feminino; o congelamento de células embrionárias/gâmetas como forma de preservar a “fecundidade” mesmo depois da cessação da sua produção por parte do organismo, a “nova”medicina anti-envelhecimento, a industria de fármacos que prospera e promete verdadeiros milagres, etc…

 

Ora, tudo isto visa uma luta contra o enigmático “tempo” (um passado que já não é, um futuro que ainda não é e um presente que não tem “densidade” própria), e que nas palavras de Santo Agostinho «se ninguém me pergunta, sei; se me perguntam e o quero explicar, já não sei».

O tempo, ou melhor, a consciência temporal que marca a condição da vida humana, está também interligado com conceitos nucleares como: liberdade, destino (fatalidade), possibilidades, hereditariedade, origem, fim, perenidade, vida, etc… Mas a experiência do tempo é sobretudo a experiência consciente e dramático-trágica da antecipação da morte, pois este também é, em sentido lato, a “medida” da vida, o relógio onto-cronológico que marca (prescreve) uma história desde o nascimento até ao terminus

É verdade que o tempo não se vê (Kant descreve-o juntamente com o espaço como a forma a priori da sensibilidade que marca a sucessão dos fenómenos externos e dos estados internos), que a percepção e a linguagem falha quando o queremos “inscrever”; que o tempo é fugaz e inapreensível, que a memória é no ser humano o registo e a apreciação psicológica do próprio tempo; que a ideia nietzscheana do «eterno retorno» não passa de uma forma egoísta de auto-conservação que assegura a perpétua realização do homem, que o homem está destinado a um só tempo…

 

Em suma, o eterno ou "infinito" enigma do tempo, e apesar das surpreendentes e importantes descobertas reveladas pelo mundo da ciência, continua a assolar e a inquietar o espírito humano; ele é interrogação primordial mas continua perpetuamente vedado ao pensar humano… (Carlos Henrique do Carmo Silva); todavia, real, pois a existência humana continua angustiada “entre” um nascimento e a morte.

 

Miguel Alexandre Palma Costa

 


rotasfilosoficas às 19:05

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos