Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

*posts recentes

* Autoregulação da Profissã...

* Concursos RAM: Mérito ver...

* Globalização e Educação

* Ainda vale a pena ser pro...

* Em defesa da escola públi...

* Teoria(s) versus realidad...

* O conceito de razão

* Dilemas morais

* Gilles Lipovetsky – O ind...

* A Condição Humana

* António Barreto: Um rumo ...

* Serge Latouche e a via do...

* A palavra ou o silêncio?

* O valor da assiduidade no...

* Porque andamos tão triste...

* A questão da liberdade e ...

* Academia de Filosofia UCP...

* O objectivo da Ciência

* Democracia, que futuro?

* Aprender a deixar de Ser

* O que é a Percepção?

* Cortes salariais: quem no...

* Sobre a Sofística

* O facto científico: o que...

* Democracia, política e me...

* O critério da verificabil...

* Alegoria da linha: Platão

* Ser pai: incertezas e ale...

* O eterno fim

* O problema da indução no ...

* Existência e Morte

* O que é a consciência mor...

* O valor da Arte

* Ciência e paradigma segun...

* O Corpo no "acto de conhe...

* Parménides e o Movimento

* O sagrado e o Profano

* Da arte de persuadir

* A educação como possibili...

* No Reino da educação... p...

* Aquecimento Global: Refle...

* Para que serve a Filosofi...

* Sobre os "Prestígios da i...

* Uma visita à Casa das his...

* Lipovetsky: “ecologia do ...

* Os Pré-socraticos e a pre...

* Prova da existência de De...

* Fome: é um imperativo mor...

* Ser ou parecer?

* O maior cego é aquele que...

*arquivos

* Maio 2013

* Março 2013

* Novembro 2012

* Outubro 2012

* Junho 2012

* Março 2012

* Fevereiro 2012

* Janeiro 2012

* Dezembro 2011

* Novembro 2011

* Outubro 2011

* Julho 2011

* Junho 2011

* Maio 2011

* Abril 2011

* Março 2011

* Fevereiro 2011

* Janeiro 2011

* Novembro 2010

* Outubro 2010

* Agosto 2010

* Julho 2010

* Junho 2010

* Maio 2010

* Abril 2010

* Março 2010

* Fevereiro 2010

* Janeiro 2010

* Dezembro 2009

* Novembro 2009

* Outubro 2009

* Setembro 2009

* Junho 2009

* Maio 2009

* Abril 2009

* Março 2009

* Fevereiro 2009

* Dezembro 2008

* Novembro 2008

* Outubro 2008

* Setembro 2008

* Julho 2008

* Junho 2008

* Maio 2008

* Abril 2008

* Fevereiro 2008

* Janeiro 2008

* Maio 2007

*Relógio:

*Sr. Lino, eis um habitante da margem sul!

*Maio 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
29
30
31


*Quem nos visitou?

*mais sobre mim

Segunda-feira, 7 de Março de 2011

O que é a Percepção?

 

 

«Poder-se-á ter a experiência de uma sensação “pura”? É muito duvidoso que mesmo os introspeccionistas treinados com mais afinco tenham atingido tal grau de abstracção, embora muitos falem como se o tivessem conseguido. Certo é que uma pessoa pode prestar atenção a um estímulo que exerça pressão sobre o seu antebraço e descrever exaustivamente as suas sensações, mas, mesmo assim, aquele apresenta-se como uma “figura” projectada contra um fundo de outras sensações; continua, apesar de tudo, a ser percebido em relação a um quadro de referência significativo. Talvez que para a criança recém-nascida, conforme insistia William James, o mundo seja um aglomerado resplandecente e rumorejante de sensações puras sem organização, mas, na altura em que a criança for capaz de nos comunicar as suas experiências, a sua organização perceptiva ter-se-á tornado uma integração de muitas aptidões inconscientes. Qualquer coisa que se aproxime mesmo duma sensação pura constitui para o adulto uma experiência traumática: por vezes ligeiros movimentos da orelha de encontro à almofada produzem um som atroador, como o de carvão deslizando para uma cave ou de aviões aproximando-se. Até que, pela experiência imediata, se localize a origem dessa sensação – que a sensação seja “posta no seu lugar”, por assim dizer – sente-se uma ansiedade crescente. Este dado não se ajusta a qualquer quadro de referência.

Quais são as características dos fenómenos que a maioria das pessoas designam por “fenómenos perceptivos”? As seis características seguintes podem auxiliar-nos a compreender o que o termo para elas significa. 1) Estes fenómenos envolvem a organização dos acontecimentos periféricos e sensoriais - olhando à nossa volta vemos objectos ordenados no espaço, e não simples aglomerações de pontos coloridos; 2) eles manifestam propriedades holísticas de tudo-ou-nada, isto é, um certo agrupamento de pontos ou linhas pode dar origem à percepção completa dum quadrado ou um cubo; 3) revelam constância em grau elevado - uma casa branca parece conservar essa cor apesar das imensas variações de luz à medida que o pino do meio dia se transmuda no crepúsculo e na noite, mas 4) são também amplamente transponíveis - um estímulo triangular pode dirigir-se a muitas partes diferentes da retina sem perturbar a resposta; 5) eles operam selectivamente - para o organismo com fome, os objectos relacionados com a comida assumem qualidades de “figuras”; finalmente, 6) constituem processos muito flexíveis - a configuração regular dum pavimento de azulejos preto e branco assume uma espantosa variedade de organizações temporárias quando o observamos.

Que é que todas estas características tomadas em conjunto implicam relativamente ao significado de “percepção”? O termo parece aplicar-se a) sempre que a experiência subjectiva varia apesar da constância dos fenómenos sensoriais subjacentes, ou b) sempre que essa experiência se mantenha constante apesar das variações dos fenómenos sensoriais. Por outras palavras, o termo “percepção” refere-se a uma série de variáveis que se interpõem entre a estimulação sensorial e a consciência, enquanto o último estado é indicado pela resposta verbal ou outra modalidade de resposta.»

 

Charles E. OSGOOD, Método e teoria na Psicologia experimental, Lisboa, FCG; pp. 229-230

 


 

A Percepção é uma actividade cognitiva através da qual contactamos o mundo. Tem uma característica bem particular que a diferencia das outras formas de conhecimento:  exige a presença do objecto, da realidade a conhecer.

É através dos órgãos dos sentidos que nos apercebemos dos sons, dos sabores dos aromas, das cores, das formas, das texturas, do frio e do calor. O modo imediato como nos apercebemos destas informações pode levar-nos a pensar que a percepção é um acto simples, automático, elementar. Contudo, quando estudamos Filosofia e outras áreas do saber vemos que as questões sobre a forma – e o conteúdo daí decorrente – como o ser humano conhece o mundo percorrem a história do pensamento.

Como apreendemos o mundo? Será que os dados fornecidos pelos nossos sentidos correspondem à realidade? Porque é que um objecto que é percepcionado de forma diferente por sujeitos diferentes? O processo do conhecimento é determinado pelo sujeito que conhece ou pelo objecto que é conhecido? Tudo isto são questões para as quais as respostas encontradas não são de todo definitivas.

 

A última questão é marcada por um grande debate que se organiza em torno de duas perspectivas – o empirismo e o inatismo – protagonizadas por dois filósofos: Jonh Locke (1632-1704) e Imannuel Kant (1724-1804). Para Locke, o conhecimento tem origem na nossa experiência, isto é, o modo como percebemos o mundo é aprendido. Para Kant, são as estruturas inatas do sujeito que marcam e enquadram as experiências sensoriais.

Este debate, que opõe o inato ao adquirido, a natureza à cultura, vai reflectir-se na psicologia. A teoria associacionista, protagonizada por Wundt, vai buscar aos empiristas o fundamento da sua concepção. Tal como para Locke e Hume, a mente é uma “tábua rasa” onde a experiência sensorial inscreve o conhecimento. A percepção é o produto da soma das unidades elementares que são as sensações. Esta concepção é negada pelo gestaltismo. Quando percepcionamos um rosto, não vemos os seus componentes de forma isolada: vemo-lo como um todo organizado e estruturado. Seriam estruturas inatas, portanto comuns a todos os seres humanos, que explicariam o carácter da percepção.

É Piaget que, acompanhando e promovendo os mais modernos debates sobre a questão, ultrapassa a dicotomia que vinha dissociando filósofos e outros investigadores. Rejeita a tese de que a mente é uma “tábua rasa”: as crianças possuem estruturas que possibilitam a percepção e a inteligência. Mas, contudo rejeita o carácter estático e determinista destas estruturas, como era defendido pelos gestaltistas: elas são plásticas, desenvolvendo-se ao longo do tempo, organizando-se de forma a responder às necessidades de adaptação do sujeito.

Podemos dizer que a teoria construtivista de Piaget supera a dicotomia protagonizada pelos associacionistas e gestaltistas: a percepção, tal como a inteligência, é produto da interacção entre o sujeito e o meio. O sujeito não é um elemento passivo: é graças à acção do sujeito sobre o meio que as estruturas da percepção e da inteligência se vão progressivamente construindo. Por outras palavras, o sujeito é activo na formação das percepções: ele procede a uma organização e significação da realidade de acordo com suas estruturas mentais, aprendizagens, experiências, motivações, aptidões, personalidade, etc. A este propósito, Edgar Morin, escreve:

 

«A percepção visual não é um puro e simples reflexo do que é percebido. O nosso espírito/cérebro está encerrado numa caixa preta: não “vê” as coisas directamente, representa-as a si mesmo no termo de um processo complexo de codificação e tradução; os estímulos luminosos que impressionam a nossa retina são traduzidos, codificados em impulsos que, via os nervos ópticos, vão determinar os processos cerebrais bioquímico-eléctricos que determinam a nossa representação. Mas essa representação é ela própria co-organizada em função de estruturas e estratégias mentais que determinam a coerência e a inteligência da percepção (assim, o nosso espírito restabelece automaticamente a “constância” dos objectos, os quais, conforme se encontram situados perto ou longe do nosso olhar, são enormes ou minúsculos na nossa retina). Por outras palavras, o espírito/cérebro estrutura e organiza representações, isto é, produz uma imagem do real. Essa produção é uma tradução e não uma “reprodução” ou um reflexo. Claro que há impressão na retina, como há impressão na chapa fotográfica, mas é o nosso espírito/cérebro que, a partir das impressões na retina, produz as suas representações. Consequentemente, a percepção é um processo em cadeia que se completa na projecção, sob a forma de visão, da representação mental sobre os fenómenos exteriores de que provém.»

 

Morin, E., O Método, Mem Martins, Publ. Europa-América, 1987.

 

(Miguel Alexandre Palma Costa)


rotasfilosoficas às 21:29

link do post | favorito
|

*pesquisar

 

*O tempo por cá

*links

*Breve história da Psicologia

Um Breve Resumo da História da Psicologia - Upload a doc
Read this doc on Scribd: Um Breve Resumo da História da Psicologia

*No ar:

More Coldplay music on iLike

*Fotos:

climate Pictures, Images and Photos
Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos