Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

O valor da Arte

Ciência e paradigma segun...

O Corpo no "acto de conhe...

Parménides e o Movimento

O sagrado e o Profano

Da arte de persuadir

A educação como possibili...

No Reino da educação... p...

Aquecimento Global: Refle...

Para que serve a Filosofi...

Sobre os "Prestígios da i...

Uma visita à Casa das his...

Lipovetsky: “ecologia do ...

Os Pré-socraticos e a pre...

arquivos

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Sr. Lino, eis um habitante da margem sul!

Novembro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14

16
17
18
19
20
21

23
24
25
26
27
28
29

30


Quem nos visitou?

sobre mim:

Segunda-feira, 7 de Março de 2011

O que é a Percepção?

 

 

«Poder-se-á ter a experiência de uma sensação “pura”? É muito duvidoso que mesmo os introspeccionistas treinados com mais afinco tenham atingido tal grau de abstracção, embora muitos falem como se o tivessem conseguido. Certo é que uma pessoa pode prestar atenção a um estímulo que exerça pressão sobre o seu antebraço e descrever exaustivamente as suas sensações, mas, mesmo assim, aquele apresenta-se como uma “figura” projectada contra um fundo de outras sensações; continua, apesar de tudo, a ser percebido em relação a um quadro de referência significativo. Talvez que para a criança recém-nascida, conforme insistia William James, o mundo seja um aglomerado resplandecente e rumorejante de sensações puras sem organização, mas, na altura em que a criança for capaz de nos comunicar as suas experiências, a sua organização perceptiva ter-se-á tornado uma integração de muitas aptidões inconscientes. Qualquer coisa que se aproxime mesmo duma sensação pura constitui para o adulto uma experiência traumática: por vezes ligeiros movimentos da orelha de encontro à almofada produzem um som atroador, como o de carvão deslizando para uma cave ou de aviões aproximando-se. Até que, pela experiência imediata, se localize a origem dessa sensação – que a sensação seja “posta no seu lugar”, por assim dizer – sente-se uma ansiedade crescente. Este dado não se ajusta a qualquer quadro de referência.

Quais são as características dos fenómenos que a maioria das pessoas designam por “fenómenos perceptivos”? As seis características seguintes podem auxiliar-nos a compreender o que o termo para elas significa. 1) Estes fenómenos envolvem a organização dos acontecimentos periféricos e sensoriais - olhando à nossa volta vemos objectos ordenados no espaço, e não simples aglomerações de pontos coloridos; 2) eles manifestam propriedades holísticas de tudo-ou-nada, isto é, um certo agrupamento de pontos ou linhas pode dar origem à percepção completa dum quadrado ou um cubo; 3) revelam constância em grau elevado - uma casa branca parece conservar essa cor apesar das imensas variações de luz à medida que o pino do meio dia se transmuda no crepúsculo e na noite, mas 4) são também amplamente transponíveis - um estímulo triangular pode dirigir-se a muitas partes diferentes da retina sem perturbar a resposta; 5) eles operam selectivamente - para o organismo com fome, os objectos relacionados com a comida assumem qualidades de “figuras”; finalmente, 6) constituem processos muito flexíveis - a configuração regular dum pavimento de azulejos preto e branco assume uma espantosa variedade de organizações temporárias quando o observamos.

Que é que todas estas características tomadas em conjunto implicam relativamente ao significado de “percepção”? O termo parece aplicar-se a) sempre que a experiência subjectiva varia apesar da constância dos fenómenos sensoriais subjacentes, ou b) sempre que essa experiência se mantenha constante apesar das variações dos fenómenos sensoriais. Por outras palavras, o termo “percepção” refere-se a uma série de variáveis que se interpõem entre a estimulação sensorial e a consciência, enquanto o último estado é indicado pela resposta verbal ou outra modalidade de resposta.»

 

Charles E. OSGOOD, Método e teoria na Psicologia experimental, Lisboa, FCG; pp. 229-230

 


 

A Percepção é uma actividade cognitiva através da qual contactamos o mundo. Tem uma característica bem particular que a diferencia das outras formas de conhecimento:  exige a presença do objecto, da realidade a conhecer.

É através dos órgãos dos sentidos que nos apercebemos dos sons, dos sabores dos aromas, das cores, das formas, das texturas, do frio e do calor. O modo imediato como nos apercebemos destas informações pode levar-nos a pensar que a percepção é um acto simples, automático, elementar. Contudo, quando estudamos Filosofia e outras áreas do saber vemos que as questões sobre a forma – e o conteúdo daí decorrente – como o ser humano conhece o mundo percorrem a história do pensamento.

Como apreendemos o mundo? Será que os dados fornecidos pelos nossos sentidos correspondem à realidade? Porque é que um objecto que é percepcionado de forma diferente por sujeitos diferentes? O processo do conhecimento é determinado pelo sujeito que conhece ou pelo objecto que é conhecido? Tudo isto são questões para as quais as respostas encontradas não são de todo definitivas.

 

A última questão é marcada por um grande debate que se organiza em torno de duas perspectivas – o empirismo e o inatismo – protagonizadas por dois filósofos: Jonh Locke (1632-1704) e Imannuel Kant (1724-1804). Para Locke, o conhecimento tem origem na nossa experiência, isto é, o modo como percebemos o mundo é aprendido. Para Kant, são as estruturas inatas do sujeito que marcam e enquadram as experiências sensoriais.

Este debate, que opõe o inato ao adquirido, a natureza à cultura, vai reflectir-se na psicologia. A teoria associacionista, protagonizada por Wundt, vai buscar aos empiristas o fundamento da sua concepção. Tal como para Locke e Hume, a mente é uma “tábua rasa” onde a experiência sensorial inscreve o conhecimento. A percepção é o produto da soma das unidades elementares que são as sensações. Esta concepção é negada pelo gestaltismo. Quando percepcionamos um rosto, não vemos os seus componentes de forma isolada: vemo-lo como um todo organizado e estruturado. Seriam estruturas inatas, portanto comuns a todos os seres humanos, que explicariam o carácter da percepção.

É Piaget que, acompanhando e promovendo os mais modernos debates sobre a questão, ultrapassa a dicotomia que vinha dissociando filósofos e outros investigadores. Rejeita a tese de que a mente é uma “tábua rasa”: as crianças possuem estruturas que possibilitam a percepção e a inteligência. Mas, contudo rejeita o carácter estático e determinista destas estruturas, como era defendido pelos gestaltistas: elas são plásticas, desenvolvendo-se ao longo do tempo, organizando-se de forma a responder às necessidades de adaptação do sujeito.

Podemos dizer que a teoria construtivista de Piaget supera a dicotomia protagonizada pelos associacionistas e gestaltistas: a percepção, tal como a inteligência, é produto da interacção entre o sujeito e o meio. O sujeito não é um elemento passivo: é graças à acção do sujeito sobre o meio que as estruturas da percepção e da inteligência se vão progressivamente construindo. Por outras palavras, o sujeito é activo na formação das percepções: ele procede a uma organização e significação da realidade de acordo com suas estruturas mentais, aprendizagens, experiências, motivações, aptidões, personalidade, etc. A este propósito, Edgar Morin, escreve:

 

«A percepção visual não é um puro e simples reflexo do que é percebido. O nosso espírito/cérebro está encerrado numa caixa preta: não “vê” as coisas directamente, representa-as a si mesmo no termo de um processo complexo de codificação e tradução; os estímulos luminosos que impressionam a nossa retina são traduzidos, codificados em impulsos que, via os nervos ópticos, vão determinar os processos cerebrais bioquímico-eléctricos que determinam a nossa representação. Mas essa representação é ela própria co-organizada em função de estruturas e estratégias mentais que determinam a coerência e a inteligência da percepção (assim, o nosso espírito restabelece automaticamente a “constância” dos objectos, os quais, conforme se encontram situados perto ou longe do nosso olhar, são enormes ou minúsculos na nossa retina). Por outras palavras, o espírito/cérebro estrutura e organiza representações, isto é, produz uma imagem do real. Essa produção é uma tradução e não uma “reprodução” ou um reflexo. Claro que há impressão na retina, como há impressão na chapa fotográfica, mas é o nosso espírito/cérebro que, a partir das impressões na retina, produz as suas representações. Consequentemente, a percepção é um processo em cadeia que se completa na projecção, sob a forma de visão, da representação mental sobre os fenómenos exteriores de que provém.»

 

Morin, E., O Método, Mem Martins, Publ. Europa-América, 1987.

 

(Miguel Alexandre Palma Costa)


rotasfilosoficas às 21:29

link do post | favorito
|

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Breve história da Psicologia

Um Breve Resumo da História da Psicologia - Upload a doc
Read this doc on Scribd: Um Breve Resumo da História da Psicologia

No ar:

More Coldplay music on iLike
Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos