Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Quarta-feira, 27 de Abril de 2011

O objectivo da Ciência

 

 

 

 

«O fim último de toda a actividade científica – o pensamento, a observação e a experimentação – é a procura de uma representação conceptual coerente da realidade – uma teoria ou imagem da realidade. Uma tal imagem da realidade, nem que seja uma imagem parcial, tem uma estrutura implicativa muito rica, não só para a ciência, como também para a cultura, a tecnologia e o comércio. Essas imagens da realidade mostram-nos novos aspectos do código de construção do universo, criando uma imagem mental que vai além de tudo o que podemos apreender directamente com os nossos sentidos e instrumentos. E a motivação que está por trás da descoberta destas teorias é o desejo do cientista de descobrir o que (com raios e coriscos!) se está realmente a passar.

Uma teoria científica pode ser imaginada como um mapa que, como qualquer mapa vulgar das estradas, nos indica os sítios por onde se anda e descreve o território e as regras a que ele obedece – regras como as que exigem que um rio, no mapa, contorne uma montanha, e que não lhe passe por cima.

Tal como verdadeiros mapas de estrada, os «mapas» das teorias científicas funcionam porque existe ali mesmo, «ali», um território que lhes corresponde, na nossa experiência comum.

Existem mapas grandes, com um grande âmbito, como a teoria da relatividade, de Einstein, ou a teoria da selecção natural, de Darwin. Mas a maioria dos mapas que os cientistas usam no dia-a-dia são mais pequenos e mais pormenorizados, como seja a teoria dos metais ou a teoria da síntese das proteínas. É evidente que a metáfora do mapa irá falhar a certo ponto, uma vez que o mapa é uma entidade espacial, enquanto uma teoria é uma entidade conceptual; de qualquer forma, penso ser uma metáfora útil.

Todas as grandes teorias do mundo natural postulam uma lei ou hipótese que é o seu ponto fulcral. As leis de Newton, na mecânica clássica, e a hipótese de que a informação vai sempre do ADN para as proteínas, e nunca em sentido contrário, na biologia molecular, são exemplos dessas leis postuladas. Na metáfora dos mapas, essas leis reflectem, simplesmente, as regras gerais de que nos servimos quando desenhamos um mapa. Por vezes, a descoberta científica de um novo território faz com que as regras do desenho de mapas sejam modificadas. De qualquer forma, a cada mapa de qualidade está associado um conjunto definido de regras.

A que é que correspondem, no mundo, as leis naturais e em que sentido é que elas existem? Elas são, como irei defender, seguindo o filósofo iluminista Immanuel Kant, os princípios organizacionais que tornam inteligível e coerente a nossa experiência do mundo natural. Estes princípios organizacionais são incorporados num enquadramento lógico e coerente chamado teoria. Uma teoria fornece, portanto, uma imagem lógica do Mundo natural, uma imagem que é, em parte, um produto das nossas mentes e cultura. Mas existe uma parte da teoria, que é, de facto, a parte mais importante, que não é um produto da nossa mente – aquilo a que vou chamar a «estrutura invariante» da teoria. A «estrutura invariante» da teoria corresponde às características da teoria que são independentes da nossa descrição específica do território da natureza e das regras a que ela obedece. Nem todas as teorias possuem essa «estrutura invariante». Historicamente, essas teorias são teorias terminais – becos sem saída na evolução do conhecimento científico.»

 

Heinz Pagels, Os sonhos da Razão, pp. 202 203, Ed. Gradiva, Lx


rotasfilosoficas às 19:20

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos