Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Segunda-feira, 11 de Junho de 2012

O conceito de razão

 

 

 

«De facto, todo o ato de conhecimento inclui duas funções, perceção sensível e pensamento. Com isto não se devem querer distinguir duas faculdades humanas claramente definíveis. Os psicólogos estão cada vez mais convencidos de que perceção e pensamento não se podem separar entre si Todavia, é claro que algumas das nossas experiências são predominantemente de natureza sensível; outras, pelo contrário, de natureza racional. É igualmente claro que os sentidos nos possibilitam um conhecimento de factos isolados, isto é, de dados determinados os quais, grosso modo, se encontram não-organizados e desconectados, enquanto a nossa razão tende para conceitos gerais e leis. (...). A Natureza consiste em elementos individualizados como seres, sons, sensações de paladar, objetos individuais, etc.; contudo, não hesitamos em a submeter a leis gerais; é o que acontece quando afirmamos possuírem todos os objetos massa ou todos os corpos próximos da terra estarem submetidos à atração universal. A experiência sensível não nos permite que façamos afirmações sobre «todos», enquanto a razão não se encontra disposta a captar os factos singulares no seu contexto concreto e temporal. (...)

Mesmo uma reflexão sobre os objetos da vida quotidiana contém elementos construtivos. Se penso numa árvore, não reproduzo apenas todas as qualidades preceptivas a ela ligadas; faço mais: a árvore percebida era um grupo de cores vistas, formas e, talvez, impressões tácteis e cinestésicas. À sua imagem da memória acrescento os caracteres da sua «exterioridade», da sua forma tridimensional e sua existência durável. Especialmente a última é um componente construtivo das impressões visuais pois a árvore vista não continua a existir se eu desviar dela o meu olhar atento. O trânsito, operado na consciência, dos diferentes aspetos passageiros da árvore vista «em privado» para a vista «publicamente», isto é, para o objeto reconhecido por todos, realiza-se tão automaticamente que a diferença entre as duas árvores, a «privada» e a «pública» não é habitualmente
considerada. (...)

A experiência realiza-se de maneira a que seja completada e integrada, pela passagem do sensível e espontâneo para o racional e refletido. Mediante esta passagem, os elementos do dado recebem aspetos metódicos característicos e permitem ao pensamento dominá-los. Às propriedades dos simples dados dos sentidos é inerente uma certa imprecisão lógica e um entrelaçamento complicado que torna impossível uma classificação pura e simples dos dados na sua especificidade individual. (...)

A via conducente ao saber metódico exige a introdução de construções. Estas são o elemento racional a que deve corresponder a experiência de facto. Um objeto exterior é a construção mais simples que utilizamos para a maioria dos conteúdos da perceção sensível. Outras são as formas geométricas, os números e a maioria dos conceitos específico-genéricos da física moderna.»

 

Henry Margeneau, Filosofia da Natureza, in F. Heinemann, A filosofia do século XX, pp. 368-375

 


 

«Sendo, à primeira vista, a razão tal como o bom senso, a coisa do mundo mais bem partilhada – ainda que nem todos a usem da mesma maneira – nada existe de mais imediato que o significado de razoável e de racional. Mas, olhando mais de perto a questão cai-se na conta de que a noção de razão é difícil de captar. Evoca simultaneamente um ideal, uma atitude e um método. Fala-se de razão como um sistema de princípios, que o século XVIII com Robespierre, diviniza; ou de um determinado processo de julgar os acontecimentos que nos dizem respeito; ou de uma regra de conhecimento. Vejamos apenas, a título de exemplo, alguns dos vários usos da palavra razão nos textos.

«A  guerra interior da razão contra as paixões», diz Pascal, «fez com que aqueles que quiseram a paz se tivessem dividido em dois grupos. Uns quiseram renunciar às paixões e transformaram-se em deuses; outros quiseram renunciar à razão e transformaram-se em brutos animais... Mas, uns e outros não o conseguiram, e a razão não deixa de estar presente tanto a acusar a baixeza e injustiça das paixões como a perturbar o descanso dos que a elas se entregam; as paixões permanecem vivas até naqueles que preferem renunciar-lhes» (Pascal, Pensées).

A razão de que fala Pascal é uma espécie de consciência que o Homem tem da própria dignidade e dos fins para que nasceu e continuamente lhe vai mostrando como que um modelo ideal daquilo que deve ser e fazer. (...)

Mas quando o mesmo autor afirma que a geometria nos mostra «o verdadeiro método de conduzir a razão»; que significar outra coisa; que é a faculdade de conhecer o verdadeiro. (...)

Condorcet escreve (...):

«O rápido triunfo da razão e da liberdade vingou o género humano» (Condorcet, L’esprit géometrique). A razão, aqui, é a luz da inteligência descobrindo os princípios naturais do conhecimento certo e da ação justa. É o ideal para que se voltam os homens do século XVIII, contrastando-o com as perversões que denunciam na sociedade do seu tempo.

Finalmente Renan, na sua Priére sur L’Acropole, ao falar muito justamente da arquitetura efémera das catedrais, diz:

«São fantasias de bárbaros que pensam fazer algum bem fora das regras que traçaste, Razão, aos teus seguidores». (Renan, IX. Époque)

Esta razão é simultaneamente um ideal w e um método, nome que Renam dá ao pensamento crítico bem elaborado, reconduzindo às dimensões do Homem as miragens que a fantasia se atreve a criar.

Sem dúvida, podemos dizer que todos estes usos da palavra razão se interrelacionam, exprimindo talvez, para uma dada época, num determinado sector da civilização, uma maneira comum de pensar a situação do Homem perante os acontecimentos da própria história e das coisas de que deseja apropriar-se, pela especulação ou pela ação. É que a razão só pode definir-se utilmente num contexto; não é uma noção simples e imediatamente dada, mas um dos complexos culturais mais ricos de sentido como tema de observação e de reflexão.

 

Gilles-Gaston Granger, A Razão, Lisboa, Edições 70, pp. 9-11


rotasfilosoficas às 11:08

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos