Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


sobre mim:

Segunda-feira, 25 de Setembro de 2017

Da "política do medo" à promessa do céu

 

Medo.jpg

 

Sabemos que as emoções têm hoje relevante importância – não só para a área de estudo da Psicologia e/ou outras – para a explicação “racional” do comportamento humano e a forma “equilibrada” de como pensamos e agimos, ou seja, excecional consequência/efeito no ato de decidir.

 

O eminente investigador e médico português no campo das neurociências, António Damásio, aponta que as emoções podem ser definidas de uma maneira muito precisa pois são um conjunto de reações corporais (algumas, muito complexas) perante certos estímulos. Por exemplo, no momento em que sentimos medo, o ritmo cardíaco acelera, a boca seca, a pele empalidece, os músculos contraem-se – (tudo reações automáticas e inconscientes) – modificações/reações fisiológicas que nos provocam o sentimento de medo (A. Damásio, 2004, Cerveu & émotions), e Paul Ekman defendeu a ideia de que as chamadas “emoções primárias” são universais e inatas, ou seja, resultam do processo de evolução das espécies, têm tendência biológica, inata e predeterminada e algumas delas – como o medo, por exemplo, que se revela crucial para assegurar a prontidão de resposta perante situações potencialmente perigosas – manifestam-se desde muito cedo e não dependem da experiência social.

 

Ora, nos últimos anos, a atividade (e as decisões) política na Europa, mas também no nosso retângulo luso e região insular da RAM, tem destacado um particular papel às emoções na construção da ação política e social, e infelizmente, a “cultura do medo”, que personalidades como Vítor Gaspar e Pedro Passos Coelho (uma fação contemporânea que ainda dirige o Partido Social Democrata, atualmente o maior partido na oposição), e Paulo Portas (ex-líder do CDS-PP e ex-Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros do XIX Governo Constitucional) reavivaram no nosso país – e que fizeram os portugueses retornar à emoção coletiva de à quase 90 anos atrás, «quando António de Oliveira Salazar, também em nome da consolidação das contas públicas, mas num assumido regime antidemocrático, assumiu o poder financeiro e posteriormente a presidência do conselho.

 

De um modo abreviado, as dimensões simbólicas e afetivas estão hoje mais do que nunca bem presentes na política, e quarenta e três anos depois do fim do regime do medo, «convivemos ainda com ele. A sociedade portuguesa, os portugueses não perderam o medo, ainda que (ou talvez por isso) as novas gerações pouco saibam do passado salazarista» (José Gil, 2004, Portugal, Hoje. O medo de existir).

 

O medo continua “inscrito” – de forma metamorfoseada ou não, o que o torna quase irreconhecível – na nossa sociedade, atingindo praticamente todos os cidadãos, embora os mais indefesos/frágeis, de uma forma aniquiladora nos seus direitos, liberdades e garantias fundamentais. Este medo subsiste ainda, e na Região Autónoma da Madeira (RAM), onde a mesma força política comanda o “destino do povo” à mais de 40 anos, este medo não é apenas uma reação a um perigo específico, que se prevê temporal, conjuntural, mas uma figura/presença estrutural e cultural que serviu, para analisar, compor e condenar vidas atualmente hipotecadas.

 

Por outras palavras, aqueles líderes/dirigentes políticos regionais que no passado construíram uma “narrativa” de esperança – com a construção de grandiosas e onerosas obras – alicerçada na fantasia de um futuro melhor, e que exerceram o controlo sobre as massas, que prometeram ascensão económico-financeira, social, avanço(s) na qualidade de vida, na educação, na saúde, meritocracia, ascensão social, etc., tudo debaixo de uma estratégia de dominação, baseada não na esperança, mas no medo, acabaram por deixar uma dívida pública regional de 6300 milhões de euros, um plano de ajustamento – o PAEF – que oficialmente terminou a 31 de Dezembro de 2015, mas cuja austeridade continua ainda hoje a delapidar a vida dos cidadãos madeirenses e portossantenses, ou seja, uma crise financeira, económica e social emanada do dito “sistema” e da falta de regulação/controlo do mesmo.

 

Agora, em vésperas de mais um ato eleitoral, aqueles que fizeram “renascer” esta cultura do medo na região – o medo da crise económica, do desemprego, o medo de expressarmos espontaneamente a nossa liberdade e direitos, o medo das decisões dos líderes/dirigentes políticos, da falta de cuidados de saúde, o medo de cometer possíveis infrações sociais e/ou morais, o medo das instituições públicas que devem servir os cidadãos, o medo da justiça, etc. – esquecendo-se de onde vieram e o que fizeram (ou não fizeram e deveriam ter feito), agora “pseudorenovados”, são os mesmos que prometem uma lista infindável de coisas, isto é, que aos cidadãos tudo será acessível, fácil e feito, portanto, “chapa garantida”, e que todos ganharemos com os novos “tempos de bonança”, em suma, que o inferno já acabou e que o céu é de graça! O único problema é que o cidadão comum sabe que nada disto bate certo.

 

Miguel Alexandre Palma Costa


rotasfilosoficas às 19:13

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos