Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Sábado, 15 de Novembro de 2014

Inteligência emocional e docência

 

 


Inteligência emocional.jpg

 

Ao contrário do passado, hoje – e talvez porque vivemos num período de incertezas em que há pouco tempo e/ou até falta tempo para pensar/refletir – deixámos as fórmulas e os discursos racionalistas/intelectualistas, pois procuramos um verdadeiro “não-pensamento” que ilumine e/ou esclareça a nossa ação, isto é, compreendemos claramente que o centro da nossa comunicação com o outro reside na questão das emoções e de saber como transmiti-las/geri-las e não num discurso oral/escrito conduzido por uma razão puramente racional. Por outras palavras, porque habitamos num mundo em que por razões político-económicas a sociedade se “alimenta” da própria sociedade, onde o “ter” impera sobre o “ser”, aonde predomina o culto da imagem, mas uma imagem quase vazia de conteúdo (Lipovetszy), ora, esta é simultaneamente uma sociedade que nos conduziu e conduz cada vez mais a estados de angústia e de desespero, ou melhor, de quase precipício coletivo e que aponta avassaladoramente para a tragédia. Uma forma de comprovar isto talvez seja o aumento do número da taxa de suicídios, sobretudo ao nível infantil e em países altamente desenvolvidos. Mas, qual a causa apontada para esta situação?

Obviamente, serão muitas, e a toxicodependência pelo consumo é uma delas. Mas a tensão social atual muito se deve há má gestão das emoções no relacionamento interpessoal e intrapessoal. O modelo de sociedade hoje não é nem o desejável nem sustentável, e a promessa de felicidade no consumo e no “ter” fez com que o indivíduo se esquecesse de si e do seu autoconhecimento (ser), até mesmo como forma de se consciencializar dessa prometida felicidade, que ao que parece apresenta maiores índices em países onde os cidadãos possuem escassos recursos económicos como a Costa Rica, a República Dominicana e a Guatemala, em vez das superpotências como os Estados Unidos, Canadá ou qualquer país europeu. Então, neste contexto, que importância tem a inteligência emocional e como trabalhá-la no relacionamento inter e intrapessoal? E qual a sua “utilidade” no papel do profissional de educação?

Aquele que por muitos é considerado o pai da Inteligência Emocional, Peter Salovey, refere declaradamente que o sujeito que tem «uma maior certeza sobre os seus sentimentos e também um maior controlo sobre a sua vida, agirá com maior segurança nas suas decisões», e isto é fundamental no presente e futuro, pois quem não conseguir gerir as emoções travará uma luta constante contra uma sensação de angústia e demorará imenso tempo a recuperar de situações e problemas que surgirão ao longo da vida. Aliás, o educador como modelo mas também como pessoa, deverá ser extremamente abalizado/apto nesta área como forma de se preparar a si e aos outros para um novo mundo que está em mudança constante. Dito de outra forma, a boa gestão da inteligência emocional será mais importante do que propriamente algumas competências técnicas/cognitivas que a pessoa possa possuir, pois além da capacidade de perceber e exprimir a emoção, assimilá-la ao pensamento, compreender e raciocinar com ela, e saber regulá-la em si próprio e nos outros, esta competência possibilita a autoconsciência, isto é, reconhecermos a presença de um sentimento na altura em que ocorre e hoje sabemos que as emoções orientam a nossa navegação pelas deliberações da vida (Daniel Goleman, 1998).

Em suma, e pensando na missão do educador, devemos preparar os nossos alunos para uma inteligência emocional bem desenvolvida pois eles terão melhor facilidade de integração e de relacionamento, adaptando-se com sucesso à dinâmica organizacional de um mundo que está em metamorfose contínua e que será amanhã bem diferente do que é hoje.

 

Miguel Alexandre Palma Costa


rotasfilosoficas às 20:53

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos