Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Segunda-feira, 14 de Novembro de 2016

Lobbying na RAM?

 

 Lobbying.jpg

 

Numa recente entrevista a um órgão da imprensa escrita, a segunda figura na hierarquia do estado português – o presidente da Assembleia da República – referiu, e para que não passe despercebido, “que em Portugal não há lóbis mas ‘lobinhos’ ”. Entretanto, esta semana, na RAM, também um conhecido deputado regional afirmou na ALRAM, que o presidente do governo regional – Miguel Albuquerque – e todo o seu governo está na dependência do “lóbi do betão, mais precisamente da influência do ex-secretário-geral do PSD” (certamente, tema que dará azo a mais uma consideração em tempo oportuno).

 

Ora, vivendo os madeirenses ainda debaixo de um clima de austeridade que parece não aliviar com os partidos que ganham eleições e que são incapazes de fazer as reformas estruturais fundamentais, a questão que importa agora aqui responder é esta: o que é lobbying e existe (ou não) esta prática na Região Autónoma da Madeira?

 

De uma forma muito simples, a palavra lóbi (que vem da designação inglesa para entrada – lobby – e tem origem imprecisa), significa/remete para um grupo de pressão organizado para atingir determinados objetivos ou para defender determinados interesses, ou seja, que exerce influência nos processos de decisão política. Num sentido mais académico, lóbi é “uma atividade ou conjunto de atividades que consiste em pressionar ou influenciar, de forma direta ou indireta, transparente e legal, as pessoas ou instituições com determinado poder na tomada de decisões legislativas” (Cabot Torés, 2008: 11), e a Comissão Europeia, já em 2006, no Livro Verde da Iniciativa Europeia em matéria de Transparência (ETI – European Transparency Initiative) definia o conceito e balizava e avaliava a sua atividade (refira-se ainda que presentemente o texto regulador relativo ao lobbying na UE é Código de Conduta da Comissão, publicado em anexo ao Documento COM(2008)323 final).

Contudo, Portugal, e pouco mais de quatro décadas em regime democrático, não reconhece a atividade do lobbying no país. O termo “lóbi” é causador de incómodo entre os governantes, media e a opinião pública; muitas vezes conotado com comportamentos pouco sérios como a “cunha”, o “jeitinho”… e corrupção. Por outras palavras, oficialmente o lobbying não existe em Portugal e, lei, isto é, regulamentação própria e específica que enquadre a atividade e o registo de lobbies é algo inexistente e que ilustra ao mesmo tempo a “fragilidade” e a grande flexibilidade/agilidade de quem o exerce.

Mas, é preciso ainda responder à segunda parte da questão anteriormente colocada: existe a prática de lobbying na RAM?

 

A memória é algo que devemos sempre revisitar – e para resposta – evoco os três episódios da famosa Grande Reportagem sobre a história da queda do Banif (“Pecados Capitais”). Nela, ficamos todos a conhecer e compreender como uma ex-entidade bancária privada se movia privilegiada e promiscuamente junto de representantes do povo (deputados) e membros de um governo regional (um dos intervenientes diz mesmo que “o chamado ‘jardinismo’, em termos políticos, nunca teria sido possível (…) se não fosse o Banif. Foi de facto Banif que sustentou, possibilitou a tal dívida escondida…”), mas também a forma como foi feito o processo de resolução e venda do Banif ao Santander (o qual pagou, em Dezembro de 2015, apenas 150 milhões de euros por um banco resgatado que recebeu 2250 milhões do estado, ou seja, dos contribuintes), “apadrinhada pela Comissão Europeia”, com a cumplicidade do atual governo socialista de António Costa.

Dito isto, outras questões imediatamente se aprumam para nova reflexão: quem são afinal os novos atores que protagonizam a atividade política? Quem escolhe os temas (e as condições) em torno dos quais se debate ou governa – a chamada “agenda política” – e considera que uns devem ser os mais importantes e as prioridades do governo? Ainda são os partidos políticos e as suas ideologias? Quem escolhe a chamada “classe política”?...

 

Algo sério está a passar-se na política e hoje, mais importante do que saber como se faz política é necessário compreendermos para quem se faz política.

 

Miguel Alexandre Palma Costa


rotasfilosoficas às 21:54

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos