Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Quarta-feira, 23 de Março de 2016

Profissionalismo e Profissionalidade Docente

 

 Sala de aula.jpg

 

Ao escutar as palavras inaugurais da comunicação da Prof.ª Ariana Cosme sobre o papel e desafios da escola contemporânea, instantaneamente relembrei o filósofo, professor – e também político – Leonardo Coimbra, que na sua obra O Problema da Educação Nacional (1926), faz uma descrição, à época, mas perfeitamente atual, do estado do ensino em Portugal, e que passo a citar: «os estudantes saem hoje, em regra, tristes, fatigados, sem a alegria de viver que é, no homem, a alegria de compreender, incapazes de reações vitais, criadoras e entusiastas. Porquê? Porque se está praticando uma verdadeira violência moral com essas vítimas, a flor, o escol dum povo, e que amanhã deveriam ter as responsabilidades da vida social. Se um aluno entra numa escola pelas nove horas da manhã e sai depois das cinco, é lícito perguntar-se pelo horário de trabalho, que ao operário manual não consente semelhantes atletismos. Onde fica a saúde, a graça, a alegria, uma hora para a meditação, para a vida interior da imaginação, que é a base da invenção, ou da inteligência, clarificando e ordenando?» (Obras de Leonardo Coimbra, vol. II, Porto, Lello & Irmão Editores, 1983, p. 944).

É verdade, hoje a missão/finalidade(s) da escola é simultaneamente o seu desafio(s), e o educador/professor já não é um mestre à maneira antiga, mas aquele agente social e cultural a quem (quase) tudo se pede e (quase) tudo se exige, ou seja, o professor é agora um “interlocutor qualificado” num processo em contante mudança e em permanente consideração, mas também é alguém a quem é requerida uma aprendizagem contínua, que passa por uma gestão administrativa da escola, uma gestão pedagógica da sala de aula, e um sem número de outras imposições que simultaneamente (e infelizmente) possuem cada vez menos reconhecimento social/público. É um facto – e em total concordância com o argumento da Prof.ª Ariana Cosme – que a incumbência do professor já não pode ser a de um mero administrativo/gestor do espaço escolar e dos programas ministerialmente “arquitetados” e aplicados a alunos radicalmente díspares, muito pelo contrário! O professor hoje necessita de refletir e de tempo para executar essa reflexão, porque o “professor navega à deriva, ou se preferirmos avança como um equilibrista, sem jamais estar certo de ter encontrado um equilíbrio estável tentando conciliar o inconciliável, como misturar água e fogo” (Perrenoud, 2001: 22). Por outras palavras, presentemente o professor necessita de tempo para perceber esta nova realidade, para senti-la, para meditar sobre uma “entidade” que se apresenta indefinida, problemática e nebulosa, isto é, a realidade escola, e nela o professor é ao mesmo tempo educador, ouvinte, formador, psicólogo, pai/mãe, assistente social, técnico/terapeuta, etc., numa lógica e num tempo em que a oportuna dinâmica da globalização determina ainda o problema da educação enquanto um “bem transacionável”, assente numa relação de preço versus qualidade do serviço prestado.

Em género de sinopse, no passado e contemporaneamente, a escola suportou profundas alterações, e ela hoje é já bem diferente de há pouco tempo atrás: é uma escola acessível a todos, massificada, livre, inclusiva, tecnológica/informatizada, com identidade própria, culturalizada, politizada, etc., todavia, e apesar de todas estas “reformas”, resta a velha questão por resolver: o que é uma prática educativa de qualidade e qual a formação que devem ter os professores para que a escola cumpra, no presente, este objetivo primordial?

A necessidade de transmitir conhecimentos e competências, e o desejo de os adquirir, subsistiram e deverão continuar a subsistir enquanto existirem seres humanos e sociedades, mas as mudanças permanecem em curso. Precipitando o futuro, talvez a visão do poeta nos possa ajudar a compreender e ampliar a vocação e o processo de ensinar, e a este propósito, Fernando Pessoa, menciona: «há três maneiras de ensinar uma coisa a alguém: dizer-lhe essa coisa, provar-lhe essa coisa, sugerir-lhe essa coisa. (…) O primeiro processo dirige-se à memória e chama-se ensino; o segundo à inteligência e chama-se demonstração; o terceiro à intuição. A este terceiro processo chama-se iniciação.» (Lopes, Teresa R., Pessoa por Conhecer - Textos para um Novo Mapa, Lisboa, Editorial Estampa, 1990, p. 84).

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

(Reflexão elaborada em função das Jornadas Pedagógicas 2015/2016 – Autoridade Profissional Docente: A mudança que se impõe.

Sindicado dos Professores da Madeira, dias 20 e 21 de Novembro de 2015)

 

 


rotasfilosoficas às 19:20

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos