Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Domingo, 14 de Dezembro de 2014

Retórica "branca" e retórica "negra"

 

Retórica.png

 

«A colocação da interrogatividade em evidência permite compreender uma oposição entre dois usos da retórica: aquele que visa manipular os espíritos e aquele que, pelo contrário, torna públicos os procedimentos da primeira, e de uma maneira mais geral todos os mecanismos da inferência não lógica. Platão agrupava poetas e sofistas no mesmo campo, porque uns e outros se esforçavam por fazer passar por verdadeiros ou verosímeis os discursos desprovidos de verdade: faziam trocadilhos sobre os seus sentidos, apresentando como evidente aquilo que deveria ser problemático. Dai a ideia de ficção, mas também de manipulação pela linguagem, que consegue fazer passar por resposta aquilo que é uma questão. A confusão entre a resposta e a questão é assim a origem desta «retórica negra», como lhe chamava Barthes, uma retórica que se dispõe a tornar concludente, verídico e justo aquilo que na realidade coloca como questão. Para se compreender a essência do pensamento, importa portanto restabelecer sempre a diferença questão-resposta, aquilo a que eu chamei a diferença problematológica. Tendo em conta esta diferença, podemos então distinguir dois tipos de uso retórico: aquele que é crítico e lúcido sobre os procedimentos de discurso, e aquele que visa ofuscar o interlocutor, ou em todo o caso adormecê-lo.

A retórica branca, se tal termo for lícito, não elimina a interrogatividade pelo seu responder, mas exprime antes o problemático sem nunca o ocultar nos seus argumentos e nas suas respostas. Engloba assim simultaneamente o estudo da retórica e o seu uso. Na negociação da distância entre os questionadores, analisa-se a relação questão-resposta porque surge colocada em prática, mesmo implicitamente. Mas a retórica branca debruça-se também sobre a maneira como esta interrogatividade está implicada no responder que se ignora mais ou menos como tal, que é mais ou menos manipulador e ideológico, e que recalca a interrogação para «passar» junto daquele a quem se dirige enquanto discurso.

Sendo assim, todo o discurso é de certa maneira um responder. Nesta qualidade, o discurso retoma e pressupõe sempre um questionamento. É sempre questão de qualquer coisa que se oculta na resposta mas que não se apresenta como tal. Equivale isto a dizer que todo o discurso é manipulador pelo facto desta ocultação, e que é mais ou menos modulado consoante os contextos? Quererá isso dizer que o locutor se esforça sempre por agradar, seduzir, ou até manipular? Sem dúvida que poderíamos encontrar uma tal intenção em todo o uso discursivo. Mas isto não implica qualquer aspecto formal do discurso. Considerá-lo interrogativamente ou, pelo contrário, não se preocupar com esta interrogatividade, é tudo o que separa a retórica branca da retórica negra, o uso crítico da manipulação ou do hermetismo. Em todo o caso, o problema do locutor comanda o seu discurso. É nisso que se diferenciam aliás a argumentação e o estilo, a «retórica dos conflitos» (onde discutimos teses opostas, como num processo) e a «retórica das figuras», que configuram a estrutura da literatura.

Podíamos também opor a argumentação - que trata de questões que dividem os sujeitos - e a retórica, que procede como se elas estivessem resolvidas. Esta seria portanto manipuladora, e a outra racional. É aliás sob este ângulo que especialistas contemporâneos como Toulmin a Perelman se esforçaram por reabilitar a argumentação num quadro renovado da racionalidade. (...)

Deste modo, a fronteira entre retórica branca e retórica negra deve-se apenas à maneira de interrogar: tanto aquela que preside à emissão do discurso como aquela que determina as modalidades da sua recepção. Existe o agradar e o seduzir como vontade e existe o agradar e o seduzir como efeitos. O estudo da retórica «branqueia» o modo de interrogar na medida em que assim nos esforçamos por desmontar os mecanismos do responder, quer este esteja oculto ou não. (...)

No fundo, a diferença entre a retórica branca e a retórica negra deve-se a uma diferença de atitude, mesmo se a dupla possibilidade está inscrita no uso da linguagem. Esta distinção, por clássica que seja, deixa de lado a verdadeira questão de saber por que razão os homens se deixam manipular, por vezes de maneira perfeitamente deliberada e consentida. A mulher sabe que este homem tenta seduzi-la e que aquilo que ele diz reenvia na realidade para um desejo que seria brutal a inaceitável exprimir tal e qual. O espectador sabe igualmente que este ou aquele produto não possui forçosamente as qualidades elogiadas na publicidade e que é apenas a vontade de vender que se exprime. A mesma coisa para o político, aparentemente preocupado com o bem-estar dos seus eleitores. Em resumo, a verdadeira questão não se situa tanto ao nível do ethos, da vontade ou não de seduzir e de manipular, mas do pathos, quer dizer, da aceitação mais ou menos consciente dessa manipulação. (...)

Censurar ao discurso que ele é manipulador equivale na realidade a censurar o discurso por ser. Porque está na natureza da discursividade apresentar-se antes de mais como responder, como respostas, tal como está no poder dos homens decidir querê-lo ou não, aceitá-lo ou não, jogar o jogo ou não, investigar os problemas subjacentes ou não, e finalmente pronunciar-se sobre eles livremente ou fiando-se no que os outros propõem, muitas vezes em função dos seus próprios interesses. Se a retórica é culpada, é-o então do mesmo modo que a medicina ou a ciência em geral. Condenaremos a arte médica por haver médicos que podem utilizar a sua ciência para fazer o mal, como o fizeram nos campos de concentração nazis ou nas prisões argentinas? O mesmo vale para a linguagem: ela serve a verdade, mas não basta para a garantir por si só. Ela pode encobrir a mentira, pode seduzir e convencer, tal como pode manipular e enganar. Se a retórica é útil, isso deve-se ao facto de permitir que os homens exerçam o seu sentido crítico e o seu juízo em plena consciência.

Mas, no fundo, de onde vem o juízo?»

 

MICHEL MEYER, Questões de Retórica: Linguagem, Razão e Sedução, Lisboa, Edições 70, 1993, pp. 46-51.


rotasfilosoficas às 17:11

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos