Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

O aborto: questões para u...

Retórica "branca" e retór...

Do concurso de Professore...

Dia internacional da Filo...

Inteligência emocional e ...

Sobre o conceito de Disle...

O sexo: "dois num só"

Autoregulação da Profissã...

Concursos RAM: Mérito ver...

Globalização e Educação

Ainda vale a pena ser pro...

Em defesa da escola públi...

Teoria(s) versus realidad...

O conceito de razão

Dilemas morais

Gilles Lipovetsky – O ind...

A Condição Humana

António Barreto: Um rumo ...

Serge Latouche e a via do...

A palavra ou o silêncio?

O valor da assiduidade no...

Porque andamos tão triste...

A questão da liberdade e ...

Academia de Filosofia UCP...

O objectivo da Ciência

Democracia, que futuro?

Aprender a deixar de Ser

O que é a Percepção?

Cortes salariais: quem no...

Sobre a Sofística

O facto científico: o que...

Democracia, política e me...

O critério da verificabil...

Alegoria da linha: Platão

Ser pai: incertezas e ale...

O eterno fim

O problema da indução no ...

Existência e Morte

O que é a consciência mor...

arquivos

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Quem nos visitou:

Janeiro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


sobre mim:

Quinta-feira, 19 de Junho de 2014

Sobre o conceito de Dislexia

  

  

 

Ao escutar as palavras iniciais da preletora e autora do Método Fonomímico, Prof.ª Paula Teles, fomos conduzidos durante alguns ensejos a uma viagem histórica e hermenêutica da palavra “dislexia”, e é precisamente sobre esse conceito que redigirei seguidamente algumas linhas.

Primeiro, o termo, e como se pode comprovar num qualquer dicionário académico ou online, deriva do grego Δυσλεξία, isto é, dis = dificuldade, distúrbio, + lexis = palavra), e é caracterizado como uma “dificuldade na área da leitura, escrita e soletração”. Ou seja, e como ficou bem patente, a dislexia não é uma doença, mas sim uma dificuldade da aprendizagem específica da leitura e é caracterizada por “obstáculos” na correção e/ou fluência na leitura de palavras e por baixa competência na leitura e na ortografia, não sendo o resultado de um baixo Q.I., como já ficou cientificamente demonstrado.

 

Após esta breve explanação, a autora do Método Fonomímico, Prof.ª Paula Teles, apresentou aos presentes a evolução do conceito/termo “Dislexia”, sendo que foi em 1887 usado pela primeira vez pelo oftalmologista alemão, Berlin, para descrever o caso de um paciente adulto que, após um acidente vascular cerebral, perdeu a capacidade de ler, apesar de ter mantido a visão, a linguagem e a inteligência. Quase uma década depois, 1896, o pediatra inglês, Pringle-Morgan, usou o termo “Cegueira Verbal Congénita”, para descrever o caso de um jovem de 14 anos que, apesar de ser inteligente, exibia uma incapacidade para a linguagem escrita. Já em 1937, o americano Samuel Orton, desenvolveu um trabalho de grande relevância e deixou-nos o conceito de “Alexia do Desenvolvimento”, para além de ter preconizado já uma intervenção terapêutica “individualizada, multissensorial, estruturada, sistemática, sequencial e cumulativa”. Contudo, trinta e um anos mais tarde, a Federação Mundial de Neurologia (1968) decide-se então pela adoção do termo “Dislexia do Desenvolvimento” e define-a da seguinte forma: “é uma perturbação que se manifesta por dificuldades na aprendizagem da leitura, apesar das crianças serem ensinadas com métodos de ensino convencionais, terem inteligência normal e oportunidades socioculturais adequadas. Os problemas são causados por défices cognitivos básicos que são frequentemente de origem constitucional”. Apesar destas inovações, em finais do século XX, esta descrição é “reajustada” no/pelo Manual de Diagnóstico e Estatística de Doenças Mentais (DSM-4,1994), que compreende pela primeira vez a dislexia nas perturbações de aprendizagem e usa a designação de “Perturbação da Leitura e da Escrita” e estabelece critérios de diagnóstico. No entanto, no DSM-5 (2011), a dislexia surge como uma perturbação da/na aprendizagem e apresenta 6 formas de diagnóstico específicas: 1. desordem na leitura das palavras; 2. desordem na fluência da leitura; 3. desordem na compreensão da leitura; 4. desordem na expressão escrita; 5. desordem no cálculo matemático; 6. e desordem na resolução de problemas de matemática.

 

Ora, face ao enorme avanço científico e às descobertas já feitas, ainda assim hoje estima-se que esta perturbação afete cerca de 10% a 15% da população mundial, e apesar da mesma anunciar causas hereditárias e congénitas, ela ocorre claramente após a entrada da criança na escola, isto é, durante a sua alfabetização, apesar de alguns dos seus sintomas já poderem ser percetíveis anteriormente. É precisamente aqui que o Método Fonomímico de Paula Teles intervém, pois nas palavras da sua autora, é incompreensível deixar estas crianças disléxicas ao abandono e não lhes possibilitar uma intervenção educativa especializada e adequada às suas dificuldades específicas, tais como: dificuldades subtis de discriminação de sons, não-associação dos símbolos gráficos com as suas componentes auditivas, confusão de sílabas iniciais, intermédias e finais; problemas de perceção auditiva; problemas de articulação, etc., e são precisamente estas dificuldades que o Método Fonomímico de Paula Teles procura diligenciar com as crianças.

 

Miguel Alexandre Palma Costa


rotasfilosoficas às 22:53

link do post | favorito
 O que é? |  O que é?

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos