Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do ‘Espetáculo...

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

A vida é demasiado curta

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


sobre mim:

Sábado, 3 de Outubro de 2020

Esta Região (ainda) é para jovens?

 

 

RAM.jpg

 

No pequeno (em número de páginas, mas enorme no valor e qualidade) Conto da Ilha Desconhecida (1997), da autoria do primeiro, e até agora único Prémio Nobel de Literatura em língua portuguesa – José Saramago –, aparece uma conhecida passagem que é não só uma explicação da realidade, mas simultaneamente uma metáfora e um ensinamento, por muitos mencionada, que aqui consigno: “é necessário sair da ilha para ver a ilha, que não nos vemos se não nos saímos de nós” (p. 43).

 

A entidade aqui não nomeada é claramente o autoconhecimento – “se não sais de ti, não chegas a saber quem és” – a busca do eu, do si-mesmo, do sentido da vida e dos seus mistérios. No entanto, a ‘Ilha Desconhecida’ é também a história de todos os homens que lutam contra as convenções estabelecidas, que partem em busca dos sonhos impossíveis, de grandes feitos e de quem não se conforma com o que tem à disposição ou está predeterminado, para além da demanda de si.

 

Ora, para quem trabalha com jovens-estudantes, sobretudo aqueles que finalizam o ensino secundário na Região Autónoma da Madeira, lê e analisa este excerto com outros olhos e âmago. Neste arquipélago europeu, dotado de autonomia política e administrativa através do Estatuto Político Administrativo da Região Autónoma da Madeira, previsto na Constituição da República Portuguesa, as políticas públicas implementadas nas últimas décadas favorecem habitualmente quem está “dentro do sistema” e dificultam (e muito) a vida aos mais jovens. Este é um facto por muitos relatado. Quem acaba de fazer 18 anos e deseja/aposta (em) prosseguir estudos, em variadas áreas do ensino superior – universitário ou politécnico –, na maioria dos casos é obrigado a sair (este ano letivo tenho um ‘excecional’ aluno que irá estudar para a prestigiada University College London-UCL, uma das 15 melhores universidades do mundo).

 

Por outro lado, aqueles que perspetivam encontrar um emprego, auferir um salário justo/digno (e não mais um estágio não remunerado, emprego precário e um vencimento de pouco mais de 600 euros mensais), constituir família, projetar um futuro com dignidade, ter oportunidades de realização profissional, encabeçar novos e inovadores projetos, contactar com novas ideias, desenvolver e partilhar experiências com outras equipas, mas também poder satisfazer as suas responsabilidades familiares e procurar a felicidade, inevitavelmente também são forçados a sair. Pelas minhas contas, creio que mais de 80% dos meus atuais (e ex-alunos) pensam sair da Região (para além dos que já a deixaram), muitos para estudar, e uns quantos – com ou sem família constituída e filhos – para trabalhar. O número seguramente já ultrapassa o milhar. São jovens, formados no país, nomeadamente enfermeiros/as, médicos, arquitetos, engenheiros, jornalistas, professores, educadores,… mas também técnicos na área da mecânica, eletricistas, canalizadores, carpinteiros, cozinheiros, manobradores, bombeiros e, imagine-se, até licenciados em Turismo…, jovens que cedo percebem que a Região não lhes dá continuidade e valor ao seu esforço em termos de mercado de trabalho, melhor, que não é para eles e, assim, emigrar para outros países/continentes é/foi a única e melhor solução.

 

De boca cheia, os nossos governantes declaram na rádio, na televisão e nos jornais – mas também comentadores e ‘opinadores’ – que esta é a “geração melhor preparada de sempre” (o correto talvez seja dizer “a geração mais diplomada de sempre”), mas, conjuntamente, é a geração que não consegue sair de casa dos pais – ou que se vê obrigada a ela regressar por falta de oportunidades e formas dignas de autossustento – e que para inverter a injusta situação de emprego/desemprego que nos últimos anos enfrenta, é compelida a procurar um futuro além fronteiras. A este propósito, quem já se esqueceu de um primeiro-ministro que incentivou os jovens portugueses a emigrarem para procurarem emprego no estrangeiro, e que depois disse que isso não passou de um “mito urbano”? Ou de um vice-presidente do Governo Regional que afirmou que os nossos jovens não mostram grande apetência quando são chamados a trabalhar por turnos e para certas “atividades que não são apelativas”, mas esqueceu-se de mencionar a inerente precariedade, o valor dos salários, os abusos e, em alguns casos, o incumprimento da lei por parte de alguns empregadores?

 

Respondendo então à questão: “esta Região (ainda) é para jovens?”, creio que a resposta talvez se encontre na palavra “sonho”. Se os jovens da Região cessarem de perseguir os seus sonhos, abdicarem de desejar, de pensar e de se mexer – ou seja, renunciarem à ousadia que os caracteriza e se conformarem, como derrotados e não como construtores de oportunidades, então a resposta é afirmativa. Mas se forem do “tamanho do seu sonho” (Fernando Pessoa), então, nem a linha do horizonte que nos distancia do continente mais próximo é o limite.

 

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

in Diário de Notícias da Madeira, 31 de julho de 2020

(https://www.dnoticias.pt/2020/7/31/69079-esta-regiao-ainda-e-para-jovens)

 


rotasfilosoficas às 12:53

link do post | favorito

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos