Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

A vida é demasiado curta

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

arquivos

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Janeiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


sobre mim:

Domingo, 1 de Novembro de 2020

Regresso à origem

 

Origem.jpg

 

No conhecimento filosófico (e também noutros tipos de conhecimento), que muitos apelidam de saber radical, é relevante (e necessário) ir à raiz dos problemas, até porque para muitos deles não há respostas conclusivas, mas contínuos patamares que suplantamos na busca incessante pela Verdade.
 
Façamos, então, um pequeno exercício reflexivo.
 
Os primeiros casos do novo coronavírus (Sars-CoV-2) surgiram na primeira semana de dezembro de 2019 (algumas fontes mais recentes referem novembro), na cidade de Wuhan (que tem cerca de 11 milhões de habitantes), província de Hubei, esta com perto de 60 milhões de habitantes e que figura como uma das 20 maiores da China.
 
A doença (COVID-19) foi comunicada à OMS, pela primeira vez, a 31 de dezembro de 2019, em Wuhan: referia-se um “conjunto de casos”, cerca de 40, de uma pneumonia atípica causada por um vírus desconhecido.
 
Sabemos hoje que as primeiras semanas podem ter sido cruciais para que o vírus Sars-CoV-2 se espalhasse; que o vírus não ficou contido na província de Hubei; que o regime autoritário chinês falhou numa primeira fase (‘aparentemente’, até adulterou números), mas que este iniciou logo medidas bastante significativas/restritivas para a contenção do surto epidémico e que esta grande nação contabiliza, acreditando nos dados reportados, cerca de 91274 casos positivos com Covid-19 e 4739 óbitos, e que Wuhan teve 76 dias de confinamento obrigatório.
 
Em Portugal, a gestão e o ataque/controlo a esta pandemia – e os números – foi (e está a ser) diferente. Depois de 45 dias de estado de emergência (março e abril), acompanhado do decretar de um confinamento obrigatório, do encerrar de escolas, aeroportos e de grande parte da atividade económica, tudo ficou aparentemente “resolvido” e sossegado no verão e a aguardar o surgimento (ou não) de uma nova e segunda vaga da Covid-19, lá para o outono ou inverno.
 
Entretanto, esta 'imobilidade' e falta preparação face ao que estava para vir, está agora a ter resultados que não desejávamos, mas que exibem claramente que não fizemos tudo aquilo que deveria ter sido feito. Estamos hoje bem piores do que em março ou abril. O número de mortos (2428) e de infetados pela Covid-19 (132 616) aumenta de forma galopante a cada dia que passa, para não falar da rutura do SNS que deixou de responder aos utentes que sofrem de outras doenças e começa a já não dar resposta aos docentes Covid-19 (de acordo com dados recentes do INE, há um aumento de mais 7.155 óbitos em relação à média do mesmo período nos últimos cinco anos, isto para os óbitos não-Covid e que estão por explicar). Registe-se, ainda, que nos últimos dias a China não apresenta novos óbitos por Covid-19.
 
Ora, perante tudo isto, duas questões:
 
1. O que não apendemos com o exemplo da China (e de outros países da Ásia), sobretudo no domínio da contenção e monitorização do alastrar das infeções pela Covid-19?
2. O que está a falhar na Europa e em Portugal, pois sabíamos que muito provavelmente haveria uma segunda vaga bem mais severa que a primeira e não tomamos, em tempo útil, todas as medidas requeridas para a moderar/conter?
 
Lamentavelmente, creio que agora já ninguém ousa dizer isto “Vai ficar tudo bem”!
 
 
 
Miguel Alexandre Palma Costa 
 
 

 


rotasfilosoficas às 18:44

link do post | favorito

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos