Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

A vida é demasiado curta

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

arquivos

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Terça-feira, 2 de Fevereiro de 2021

Boas ideias e líderes, precisam-se!

 

 

Líderes.jpg

 

 

Seja no passado, presente ou até mesmo num hipotético futuro que ainda está por vir, seja nas áreas ou domínios da Política, Economia, Filosofia, História, Arte… mas também na Ciência e Técnica ou até mesmo na Publicidade, uma boa e original ideia é sinónimo de poder, uma potencia/força que revoluciona/transforma o mundo, mas que também o ameaça e destrói e que até nos dispõe a possibilidade de existir “fora” dele, a cerca de 400 quilómetros acima da superfície terrestre, a uma velocidade de 28 mil quilómetros por hora, perfazendo cerca de 16 voltas ao planeta todos os dias, sob temperaturas extremas, entre 130° C e -130° C.

 

Fernando Pessoa escreve que “as ideias são prodigiosas”; elas são a fonte e a força do progresso, aquilo que põe em marcha os acontecimentos. São geradoras de oportunidades, mas as boas, ‘grandes’, novas, originais, simples e inspiradoras ideias só estão ao alcance de espíritos livres e simultaneamente complexos, isto é, de autênticos génios. Por outras palavras, as ideias têm toda a importância – foram (e são ainda) causadoras de espanto, de pensamentos e interrogações que “ficaram de pé” –, num mundo cada vez mais dessacralizado, mercantilizado, tecnologizado e hoje em nova crise global (sanitária, económica, social, ambiental/climática, mas também no modelo da democracia liberal), contudo, onde as doutas palavras do pedagogo, filósofo e ensaísta espanhol, Miguel de Unamuno, “andam as almas e as ideias procurando-se umas às outras”, são talvez a fórmula certa, inalterável e ininterrupta.

 

De facto, mesmo os vestígios mais antigos das primeiras civilizações humanas testemunham que tudo nasce/brota das ideias. Elas são o princípio, a origem dos factos (base/alicerce ou fundamento), ‘as raízes’ de toda a criação humana e de um processo de modificação/evolução operado naquela que é a nossa “casa comum”, agora ameaçada pela avassaladora destruição que lhe estamos a causar e que alguns persistem em querer ignorar, tal como ignoram o futuro pelo qual são evidentemente responsáveis.

 

Só alguém com a inteligência superior de Platão – e com uma experiência de vida entusiasmante, mas traumatizante na política – poderia fazer da(s) Ideia(s) uma ampla, densa e relevante aplicação, refiro-me, claro, à sua Teoria das Formas (e não tanto Teoria das Ideias, como é mais vulgarmente conhecida). Para este eminente filósofo da antiguidade grega, as ideias não são criação da nossa mente, não são o resultado ou produto de um processo mental, não são abstrações de um sujeito que pensa, mas antes “entes”/seres reais, são a essência subsistente, entes que têm realidade própria e que estão subordinados à Ideia Suprema – a Ideia de Bem – independentemente de haver alguém que pense, imagine ou ficcione as ideai (“formas”). Ao contrário do ‘nosso’ mundo que é regido pela impermanência, evanescência e relatividade de todas as coisas, para Platão, o Mundo das Ideias é o mundo real – a única realidade –, incorpóreo, absoluto, mas também incorruptível.

 

Ora, mais de 2500 anos depois, o desenvolvimento histórico, as variadas peripécias, enfim, todas as vicissitudes pelas quais o criativo conceito de Ideia(s) passou e que naturalmente estão longe do fim – e o seu uso é agora múltiplo e inteiramente contrário ao proposto por Platão, pois vai desde um “modelo” ou projeto, passando por imagem, opinião, inspiração, visão, paradigma, representação mental/intelectual… –, as (boas) ideias continuam a ter supremacia e a dar origem a factos, mas rareiam.

 

Na atual conjuntura económica, política e social que Portugal e o mundo atravessam, se há ente de que carecemos são boas e novas ideias, aquelas que catalisam/movem a energia de um povo para o fazer crescer com a confiança (e segurança) necessária(s) e assim realizarmos a mudança que é indispensável operar. As boas ideias continuam a fazer a diferença e nós precisamos – sobretudo na política – de mais e melhores ideias, para respondermos à(s) crise(s) do presente e preparar e acelerar o futuro!

 

Para quem estima a memória, recordo que no final do mês de maio, quando o primeiro-ministro, António Costa, considerou fundamental que o país tinha de dispor de uma “visão estratégica” (ideia), com um horizonte duradouro, que fosse um “guia orientador das políticas públicas e um quadro inspirador dos agentes económicos, da comunidade científica, do setor social e da cidadania”, para recuperar e preparar o país para o pós-pandemia Covid-19, e convidou o cidadão, professor, gestor e poeta, António Costa Silva, para a sua composição, esse mesmo primeiro-ministro atestou, inequívoca e com infelicidade, que quem lidera o poder executivo em Portugal já não tem ideia(s), já não dispõe de uma bússola, um (qualquer) rumo/projeto para o país. Mais: passados 5 meses da apresentação pública dessa “Visão Estratégica para o Plano de Recuperação Económica de Portugal – 2020-2030” (21 de julho), os portugueses continuam à espera da implementação dessa ideia concebida por António Costa Silva, dessa orientação para uma nação (e governação) que há muito tempo anda à deriva – descurada por muitos dos atuais e anteriores atores políticos – mas, e porque não temos, no presente, genuínos líderes em Portugal tal como no frágil contexto democrático europeu (e até mundial), António Costa Silva, não se extasiando/iludindo com o poder político ou com o palco mediático (publicamente até já manifestou um “grau de esperança baixo” relativamente à implementação do seu plano), soube responder ao desafio e deu o seu contributo! De acordo com as suas próprias palavras, proferidas numa recente entrevista a um órgão de comunicação audiovisual, o principal problema do país está nas competências institucionais, na qualidade das lideranças – melhor, na falta delas – no calculismo/tacticismo, egoísmo e pragmatismo de uma geração de políticos que governa em função de ciclos eleitorais e só pensa na próxima eleição e não na próxima geração, que decide no imediato para solucionar o aqui e agora, mas que esquece as preocupações do amanhã e as gerações vindouras.

 

Em suma, é a fragilidade das lideranças atuais (sem grande memória, habilidade, visão estratégica… e que até permitem a emergência de novos populismos ‘ultra’ nacionalistas) e a ausência de uma ideia/projeto agregador(a) que mobilize os cidadãos, que não nos permitem – diante  do momento dramático que mais uma vez vivenciamos e das reformas estruturais que inadiavelmente necessitamos – olhar (e enfrentar) o futuro com grande esperança. Numa expressão concisa: boas ideias e líderes (inspiradores, transformadores, carismáticos e visionários), precisam-se!

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

(in https://www.dnoticias.pt/2020/12/24/244051-boas-ideias-e-lideres-precisam-se/)

 

 


rotasfilosoficas às 12:39

link do post | favorito

pesquisar

 

links