Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Ecos de (uma) Democracia

Desafio(s) do Futuro: Nat...

Calar, elogiar ou critica...

O decréscimo da participa...

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

A vida é demasiado curta

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

arquivos

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Sexta-feira, 2 de Julho de 2021

Desafio(s) do Futuro: Natalidade e Educação

 

 

 

Baixa natalidade em Portugal.jpg

 

1. Em 1976, dois anos após o 25 de Abril – e ano das primeiras eleições para a Assembleia Legislativa da Madeira –, Portugal tinha uma população residente de pouco mais de 9 milhões e 350 mil cidadãos e, nesse ano, nasceram 186 712 nados-vivos. Em 2020, ano em que fomos forçados a repensar o presente e a redesenhar o futuro, este número situou-se em apenas 84 296, menos cerca de 102 mil, e na ilha da Madeira e Porto Santo somente 1830, valor que segue uma clara tendência de decréscimo na fecundidade e que representa o segundo mais baixo valor de sempre. Convoco o leitor para um particular pormenor: no início dos anos 70, nasciam na Região Autónoma da Madeira mais de 6 700 nados-vivos, e só nas últimas duas décadas tivemos uma queda de 76%. No mesmo ano (1976), a idade média das mães ao nascimento do primeiro filho era de 23,7 anos, a taxa bruta de natalidade fixara-se nos 19,8%, a taxa de mortalidade de crianças com menos de um ano de idade por cada 1000 nascimentos era de 33,4% e a população residente analfabeta com 10 e mais anos era de quase um milhão e oitocentos mil portugueses, ou seja, 25,7% (de acordo com os Censos).

 

Entretanto passaram 47 anos do fim da ditadura, mais de 4 décadas de “descobertas”, de tentativas e erros que convergiram neste presente “instável” que confiamos agora às mais jovens e bem qualificadas gerações. Vivemos um momento/período em que como país, nós portugueses deixamos de ter filhos em número suficiente para assegurar a renovação das gerações. Desde 1982 que o número de filhos tem vindo a diminuir no país e os números registados não permitem já essa substituição, e por isso somos hoje um país de filhos únicos (eu próprio), onde há cada vez menos crianças, mas, conjuntamente um país que no espaço de quase meio século muito se metamorfoseou e alcançou uma esperança média de vida inimaginável em 1974, e por esta razão estamos mais velhos! Lamentavelmente, “fazer nascer” deixou de ser uma prioridade para os jovens casais – e sucessivos Governos – (para além de perto de 15% dos casais portugueses sofrerem de infertilidade), até porque a alteração do estatuto da mulher na sociedade portuguesa fê-la ter novas ambições/projetos de vida (e muito bem!), um trabalho a tempo inteiro, educação superior, acesso a novas profissões e carreiras, e isso, claro, significou uma redução considerável na taxa de fecundidade e natalidade, a que se junta uma quase ausência de políticas governamentais de incentivo e apoio à natalidade e às famílias. Alguns governantes acreditam que será apenas um cartão “Kit bebé”, no valor de 400 ou 500 euros, que estimulará por si só a natalidade e que promoverá o tão desejado acréscimo da fecundidade na Região, mas estão manifestamente equivocados e os dados oficiais comprovam-no! São precisas outras e estruturantes medidas – não apenas financeiras – que beneficiem as famílias que querem ter filhos, e em particular aquelas que desejam ter um segundo ou terceiro filho. Assim, se nada mais for feito, Portugal e a nossa Região continuará a assistir ao decréscimo da sua população e, entre os vários cenários possíveis, um é certo: no futuro seremos efetivamente menos!

Segundo as projeções do INE, e num cenário “otimista”, em 2030, seremos apenas 10 milhões de portugueses, em 2050, perto de 9 milhões e 200 mil, e em 2080, menos de 7 milhões e meio, ou seja, estamos perante um claro quadro de poucos nascimentos e de mais saídas do que entradas no nosso território. Infortunadamente, o nosso país é já hoje o 3º mais envelhecido da Europa e o 5º mais envelhecido do mundo, e prevê-se que em 30 anos ocupe o primeiro lugar neste ranking europeu, e que seja já em 2030 o 3º mais envelhecido do planeta, sabendo nós, de antemão, o que tudo isto acarreta para um sistema/estado social como aquele que temos em Portugal (e na Europa). Por outras palavras, desde 2020 que Portugal atravessa aquilo que o demógrafo francês, Gérard-François Dumont, designou de “Inverno Demográfico”. A imagem não é animadora – com uma reduzida taxa de natalidade e o envelhecimento a que ela em grande parte nos conduz, não esquecendo o despovoamento e desertificação de parte do território nacional, sobretudo interior (algo idêntico ao que assistimos em algumas concelhos e freguesias da Região) – e aponta um rumo/futuro que precisa de ser invertido, ou pelo menos mitigado.  É indispensável garantirmos aos portugueses a possibilidade de terem os filhos que desejam, e nós sabemos que essa vontade ainda permanece intacta em muitas famílias portuguesas, para além um suporte de políticas que permitam aos jovens casais poderem conciliar melhor a sua vida profissional com a vida familiar.

 

 

2. Acreditar no futuro de um país ou Região é acreditar nos mais jovens, aqueles que são hoje os mais qualificados de sempre, que se movem num mundo bem diferente do passado e que é cada vez mais acelerado, imprevisível, volátil e global.

A Educação mudou muito o (e no) nosso país nas últimas décadas e ela determina como será o futuro, nas próximas! É de suprema importância a formação dos recursos humanos, a preparação e composição de novos (e mais) talentos, pois é isso que nos colocará noutro patamar e com outra capacidade para atrair investimentos e gerar riqueza sustentável – mas também desenvolver socialmente o país –, e para tal é necessário termos pessoas preparadas, com as competências e conhecimentos necessários para o fazer!

 

Há, sem grande dúvida, uma extraordinária diferença entre o país que saiu da Revolução de 1974 e o atual. No início dos anos 80 apenas 2,4% da população portuguesa tinha concluído o ensino superior e esse valor subiu para quase 20%, em 2019. Temos hoje jovens capazes de se afirmarem no mercado global e os programas ou barómetros internacionais de avaliação dos alunos sublinham uma clara melhoria do ensino nas últimas décadas (apesar de termos uma taxa de abandono escolar das mais altas da União Europeia; dados de 2019 referem que apenas 1 em cada 4 adultos tem o ensino secundário completo). Mais: em 1970, quatro anos antes de Portugal se tornar um país democrático, um em cada quatro portugueses não sabia ainda ler nem escrever. De facto, a aposta e o investimento na Educação era uma necessidade do passado, mas esta deve continuar a ser explorada no presente e mantida no futuro!

 

Existem evidentes indícios de que no futuro muito será diferente. A “regeneração geracional” revela que seremos inevitavelmente mais qualificados e que nas próximas décadas poderemos finalmente almejar recuperar o atraso educacional que há mais de meio século nos assombra. Atualmente, no mundo o processo de mudança e atualização tecnológica está constantemente a acelerar e, portanto, precisamos de indivíduos e sociedades que tenham a capacidade de aprender incessantemente e esta capacidade é ela mesma um desafio para toda a sociedade. O grande desafio do momento presente – e principalmente do futuro –, para além da transição digital e da utilização da tecnologia é, de facto, aprender. Será a inovação, a criatividade, o acesso à informação e a fontes de conhecimento (e a modernização da nossa economia), que vão gerar valor nas sociedades do futuro, pois a automação e robotização dos processos produtivos (ou seja, do trabalho), que está já em curso, dará alguma resposta aos problemas que a demografia nos apresenta, mas precisa de mão de obra altamente qualificada e especializada. O nosso atual modelo de ensino, assente em pressupostos já ultrapassados (com currículos e metodologias visivelmente desajustadas), no qual a memorização (até de alguma informação arcaica e irrelevante) e a uniformização são competências intensa e repetidamente valorizadas, está claramente obsoleto e desalinhado com as necessidades presentes e de uma nova revolução industrial – a revolução 4.0 ou digitalização – que se centra nas novas Tecnologias de Informação e que tem a capacidade de esbater distâncias físicas, aproximando produtores, clientes e consumidores. Lamentavelmente, as nossas escolas continuam a avaliar os alunos pela capacidade de informação repetida (pela “conformidade” e concordância) e não pela resolução de problemas; continuam a não preparar os jovens para a incerteza, para o “arriscar”, errar/falhar, ou seja, para novas formas de trabalhar, de inovar, para uma capacidade empreendedora, para o desenvolvimento de um pensamento independente, criativo, autoconfiante e crítico. Em suma, num futuro e mundo onde a ciência e tecnologia assumirão um papel ainda mais determinante, as escolas precisam de encontrar novas formas de educar e de construir cidadãos (e uma sociedade) onde todos possamos (e apreciemos) viver.

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

In Diário de Notícias da Madeira, 2 de julho de 2021

https://www.dnoticias.pt/2021/7/1/267523-qual-a-intencao/

 

 

 


rotasfilosoficas às 19:58

link do post | favorito

pesquisar

 

links