Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Há (ainda) felicidade na ...

Considerações sobre a Gue...

Ruído político

Qualidade(s) ou quantidad...

Conformismo ou (des)obedi...

A Palavra e a Mentira

Ensinar e aprender Filoso...

Alguém (ainda) aguenta?

A importância da Ciência ...

Ecos de (uma) Democracia

Desafio(s) do Futuro: Nat...

Calar, elogiar ou critica...

O decréscimo da participa...

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

arquivos

Novembro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Novembro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Novembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Sábado, 24 de Setembro de 2022

Considerações sobre a Guerra

 

 

Foto de veículos militares russos - EPA - Alessan

 

1. A guerra é uma invenção humana desde os seus primórdios e a questão “será que o homem é capaz de viver sem guerra?” torna, no presente, a ter uma resposta negativa. A atualidade (e a história) está contra nós. Tanto quanto a memória alcança, sempre houve guerra e (infelizmente) ela está agora de regresso ao velho continente, quase 83 anos depois do início da IIª Grande Guerra.

Vladimir Vladimirovitch Putin, um imperialista convencido de que a guerra (ainda) é o caminho para a glória, iniciou, no passado dia 24 de fevereiro, uma “operação militar especial” na Ucrânia para alegadamente defender as pessoas de Donbass e Luhansk (extensas regiões mineiras). Putin, que está no poder desde 2012, já demonstrou por diversas vezes que não é um democrata, um defensor dos Direitos Humanos, mas sim um homem inebriado pela vontade de poder, um déspota que já pouco representa o povo russo (constituído também por grupos minoritários, desde mongóis, cazaques, tártaros da Sibéria a ucranianos), antes um conjunto de influentes oligarcas. Infortunadamente, o diálogo e a diplomacia voltam a ser substituídos pela destruição, violência, sofrimento, pela morte, pela fuga de milhões de refugiados…, mas a humanidade tem ainda alguma memória e não perdoará a quem criou uma nova instabilidade/tragédia no começo da segunda década do século XXI.

 

2. É célebre e popular – e nos últimos meses várias vezes repetida – a frase que “todos sabemos como começa uma guerra, mas não sabemos como acaba”.

Identicamente, percebemos agora que esta estava a ser preparada há algum tempo pelo líder russo e um grupo de poderosos homens do regime; que a comunidade internacional foi demasiado passiva/apática e inicialmente assistiu a tudo isto como um mero espetador, apelando sempre a uma solução pela via diplomática, mas que infelizmente acabou por não chegar; que muitos líderes europeus se deixaram manipular e ludibriar por alguém que é senhor de recursos naturais raros e valiosos…

Hoje, e face aos horríveis acontecimentos ocorridos nos últimos 3 meses, já pressentimos que mesmo que as tropas de Vladimir Putin tomem parte significativa do território ucraniano, ele já perdeu esta guerra! A coragem, a firmeza e ânimo de Zelensky fizeram dele um novo herói da Europa e do “novo mundo”, um mundo que mudou no espaço de uma semana e que (dizem-nos) não voltará a ser igual!

 

3. Enquanto os atuais “senhoras do mundo” e “senhores da guerra” não se entendem no que diz respeito à defesa dos interesses (económicos, geopolíticos, geoestratégicos…) de ambos, a violência e destruição continuam numa escalada crescente – e amplamente mediatizada em tudo o que é órgão de imprensa –, assim como o número de deslocados na Ucrânia e de refugiados nos países vizinhos.

Para um pacifista, a guerra é sempre – e em todas as suas vertentes – imoral (e ilegítima). Lamentavelmente, esta também já deu provas que não respeita as mais elementares normas/princípios que todos os seus intervenientes deveriam cumprir: Putin não respeita o princípio da proporcionalidade, o princípio da discriminação e o princípio da igualdade moral dos combatentes. Mais: a violência bruta nunca trará uma paz duradoura, e relativamente a isto o passado elucida-nos.

 

4. Infelizmente, a história comprova que as guerras normalmente se revestem de um enorme potencial de destruição, brutalidade, estupidez e de desumanidade. Sempre existiram guerras e todas elas tiveram (sem exceção) como “efeito” a morte intencional e indiscriminada de seres humanos inocentes. Putin não olha(rá) a meios para atingir os (seus) fins. Os russos conhecem-no bem!

Os cercos às cidades implicaram desde sempre a morte de civis inocentes. Os crimes de guerra são perpetrados todos dias enquanto este conflito durar.

Kiev, usando todos os meios disponíveis, lá vai conseguindo resistir ao invasor russo, mas desoladamente tudo isto custará muitas vidas (de militares e civis). Na guerra todos perdem. Na guerra, o bem torna-se mal e o mal torna-se bem... e esta não é uma guerra justa, pois admite a violação de direitos e o sacrifício de inocentes.

 

5. Na obra A Nova Arte da Guerra (2021), onde é delineada uma visão atual sobre os conflitos mundiais e a geoestratégia do futuro, o especialista e Professor de Estratégia na Universidade de Defesa Nacional e na School of Foreign Service da Universidade de Georgetown, Sean McFate, aponta (e justifica) 10 “preceitos” sobre a temática da guerra que não pudemos esquecer:

 

1. A guerra convencional morreu.

2. A tecnologia não nos salvará.

3. Guerra e paz vão coexistir sempre.

4. Conquistar o coração e a mente não basta.

5. As melhores armas não disparam balas.

6. Os mercenários vão dominar o panorama militar.

7. Vão surgir novas potências mundiais.

8. Haverá guerras sem estados.

9. As guerras na sombra prevalecerão.

10. Existem muitas maneiras de conquistar a vitória.

 

Ora, os 3 meses que já leva o conflito militar entre a Rússia de Putin e o estado soberano da Ucrânia – no qual não para de aumentar o número de vítimas (militares, civis, mulheres, crianças, idosos…) –, expõem que a regra nº 1 está desenquadrada, ou melhor, equivocada da (atual) realidade a que todos tristemente assistimos. No entanto, a frase do grande historiador grego Heródoto permanece atual: «em época de paz, os filhos enterram os pais, enquanto em época de guerra são os pais que enterram os filhos» (Histórias).

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

 

Artigo de opinião na Revista Leiaff, n.º 60, agosto de 2022 (ISSN 2183- 993X)
https://leiasff.wixsite.com/revistaesff

 

 


rotasfilosoficas às 12:52

link do post | favorito

pesquisar

 

links