Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Sobre a “Educação inclusi...

Há (ainda) felicidade na ...

Considerações sobre a Gue...

Ruído político

Qualidade(s) ou quantidad...

Conformismo ou (des)obedi...

A Palavra e a Mentira

Ensinar e aprender Filoso...

Alguém (ainda) aguenta?

A importância da Ciência ...

Ecos de (uma) Democracia

Desafio(s) do Futuro: Nat...

Calar, elogiar ou critica...

O decréscimo da participa...

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

arquivos

Dezembro 2022

Novembro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Novembro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Dezembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quarta-feira, 30 de Novembro de 2022

Há (ainda) felicidade na escola?

 

 

 

a3055440676f0e808a079aaaec60b3f6

 

Creio que a felicidade é para todos nós o (grande) objetivo – um desejo, a finalidade, projeto, a motivação, orientação… – das nossas vidas, apesar de vivermos, mais uma vez, numa época de horrores, alguns deles antigos (como os desastres ou catástrofes naturais), outros cíclicos, como a instabilidade política, as crises financeiras, económicas e sociais, os conflitos familiares e a Guerra, lamentavelmente esta última sempre prestes a eclodir em qualquer parte do mundo e a desencadear destruição, sofrimento inimaginável e morte em poucos minutos. O desespero de milhões de cidadãos, o terror que a tragédia da Guerra nos permite observar através da lente de uma câmara de filmar (e a televisão leva rápido as calamidades e as atrocidades aos nossos lares), torna quase impraticável pensar sobre a felicidade na atual conjuntura e é por um triz que não petrifica os nossos corações.

 

Sobre o importante conceito acima citado, um ex-colega de curso na UCP (pólo de Lisboa) e especialista nestas matérias, Jorge Humberto Dias, diz-nos que a definição de felicidade envolve três grandes tópicos: o primeiro é a avaliação (entre o que correu bem e menos bem); segundo, são os projetos (relativos às ações); e o terceiro, a consciência (a noção ou conhecimento do estado de felicidade), mas outros adicionam-lhe ainda um estado de harmonia, serenidade, paz e a experiência da plenitude. São abundantes os julgamentos e conceções sobre esta antiga e influente ideia grega (a eudemonia, diferente da makariotés ou felicidade suprema), ou seja, numerosas as definições apresentadas por distintos autores, mas numa coisa parecem todos comungar: a felicidade é resultante de se ter praticado e alcançado o Bem (e bastante distinta de prazer, alegria ou satisfação passageira ligada à sensibilidade).

 

Tema dominante na filosofia grega e tratado por diversos – e os mais relevantes –fundadores do pensamento ocidental, hoje este tema não é (ou então muito raramente) debatido e examinado nas escolas (muito menos dentro das salas de aula) e está, aparentemente, reservado unicamente para reflexão nas ciências sociais, onde sobressaem economistas, ensaístas, filósofos e até poetas. Porém, enquanto escrevo estas linhas, em território continental realiza-se a 1ª Conferência sobre “Happy Schools em Portugal – Da Formação à Intervenção”, uma Ação de Curta Duração, reconhecida e certificada pelo Centro de Formação do Instituto Universitário Atlântica, onde o tema da felicidade será pensado (e promovido) substancialmente na sua relação com a Educação. Do lado de cá, os responsáveis políticos pelo sector, preocupados apenas com os impactos negativos decorrentes dos constrangimentos impostos pela Covid-19 e com os bons resultados dos alunos (sucesso escolar), não aplicam sequer o vocábulo “felicidade” quando falam da escola e nem o apresentam como um dos mais elevados objetivos associados à frequência escolar. Por outras palavras, parece que o sistema educativo em geral, e a escola em particular, esqueceu uma das suas finalidades: a construção da felicidade, a edificação de cidadãos empáticos, autónomos e membros (felizes) de uma comunidade.

 

Em 2021, o Ranking Mundial de Felicidade (ONU) menciona que os 8 países mais felizes do mundo estão todos localizados “dentro” da União Europeia (UE), e a Finlândia ocupa o primeiro lugar há quatro anos consecutivos, bem distante de Portugal que se situa em quinquagésimo oitavo lugar (dos membros da UE abaixo de Portugal, só mesmo a Grécia e a Bulgária). Ora, esta é uma situação que não nos pode confortar e deve fazer-nos interpelar e investigar as causas/motivos de tal posição. De acordo com o Índice Mundial da Felicidade, em Portugal, 56% das pessoas dizem que “são felizes muitas vezes”, mas este índice apenas usa alguns indicadores como o PIB, a esperança média de vida, o nível de solidariedade, a liberdade individual, a corrupção, mas não mede, por exemplo, o riso. (Parece-me que mesmo sabendo dos benefícios do riso – não só emocionais, mentais, mas também físicos –, depois da grande crise financeira de 2008-2009, agregada, nesta nova década, a uma pandemia sanitária e agora à Guerra na Europa, os portugueses riem cada vez menos.)

 

Condensando, estamos nós efetivamente mais felizes? Depois de uma pandemia que já dura mais de 2 anos e nos conduziu para a uma nova crise económica e social (entretanto, também política), e que já originou mais de 21 mil óbitos – num tempo em que as pessoas parecem queixar-se, lamentar-se e até refilar mais do poder político e das suas decisões (sobretudo, nas redes sociais) –, somos ou estamos, de verdade, mais felizes? E nas escolas, o modelo educativo que temos (e que se quer inclusivo, inovador e agora capacitado para a transformação digital) inquieta-se com o bem-estar pessoal e profissional de todos aqueles que nela trabalham? A felicidade organizacional é realmente uma das preocupações (e deveres) do sistema educativo nacional e regional? Na Madeira, por exemplo, que entidade pública recolhe evidências e se ocupa da investigação sobre o impacto da felicidade na prática dos docentes e no sucesso escolar dos alunos?

 

Em 2016, um estudo do Projeto aQeduto – uma parceria entre o Conselho Nacional de Educação e a Fundação Francisco Manuel dos Santos – referia que 14% dos alunos portugueses dizem “sentir-se infelizes na escola, com resultados médios em PISA Matemática de cerca de 30 pontos inferiores aos dos seus pares que se sentem felizes”. O mesmo estudo expunha que a maioria dos alunos ‘infelizes’ frequentava escolas situadas em meios sociais mais desfavorecidos e com piores resultados académicos, e que inclusive existe uma relação direta entre o (bom) relacionamento que os alunos têm com os professores e a felicidade.

 

Estamos agora em março de 2022 e estou persuadido que uma ligeira (mas apropriada) observação, tendo por base as múltiplas circunstâncias do passado recente e presente, nos conduziria para uma percentagem bem superior de alunos (e, por certo, professores) que se sentem infelizes na escola. Com regularidade se ouve nas salas de aula, corredores, pátios, cantinas ou mesmo na entrada das escolas expressões como “não gosto das aulas”, a “escola é uma seca”, “a escola não ensina nada de novo” ou “eu odeio a escola”… e “assim que puder vou deixar escola”. Fatigados, alheados e desinteressados da escola, pois esta não se adaptou (ou acompanhou) aos novos tempos e às motivações, expectativas e “utilidades” dos alunos, parte significativa das mais novas gerações não encontra felicidade no ato de aprender (prazer pelo conhecimento), não exibe curiosidade, não expressa empatia pela discussão de qualquer tema/problema, furta-se ao pensar e rejeita participar na generalidade das atividades propostas. (Além disto, há uma epidemia silenciosa de solidão e as crises de ansiedade e casos de depressão proliferam na adolescência.) O seu interesse é o telemóvel, os jogos e o que é ‘postado’ nas redes sociais (vivem, em certa parte, alienados do mundo real e o vício da tecnologia é inquietante).

 

Relativamente aos professores, o retrato – e nível/grau de felicidade – decerto não é muito diferente. Os efeitos desta pandemia, dos confinamentos, das consecutivas crises, das incessantes (e imprudentes) alterações na carreira docente, da revogação de direitos consagrados no seu estatuto profissional, do congelamento de vencimentos e de mais de 9 anos de tempo de serviço prestado, de um modelo de avaliação que não premeia o mérito, da excessiva burocracia, da indisciplina nas salas de aula…, levaram aqueles que muitos consideram como a “elite intelectual do país” a um estado de saturação, exaustão (“burnout”), frustração e de substancial desmotivação que já não olham para a escola como um local de “prazer” e incentivador, apesar de ainda lhe dedicarem grande parte do seu tempo e vida. Os mais ‘anciãos’ na profissão esperam e suspiram pela idade da reforma, e os mais novos, aqueles que saem agora dos bancos das universidades, estes já abdicaram de cobiçar uma carreira que não lhes dá garantias de futuro. O panorama está delineado e agrava-se a cada ano que passa, mas sobeja, pelo menos uma última interrogação: haverá (ainda) vontade política para reverter esta situação e a escola voltar a ser um lugar onde éramos felizes?  

 

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

(in https://www.dnoticias.pt/2022/3/18/302164-ha-ainda-felicidade-na-escola/)


rotasfilosoficas às 11:54

link do post | favorito

pesquisar

 

links