Este espaço foi pensado com o propósito de facultar aos interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia, Psicologia e Ciência Política.

posts recentes

Não há insubstituíveis

Ser Professor hoje

(Não) Querer ensinar

Erro(s) e falhas de memór...

(Não) Há vontade?

Ver, Ouvir, Sentir e Pens...

A era dos (ir)responsávei...

Sobre a “Educação inclusi...

Há (ainda) felicidade na ...

Considerações sobre a Gue...

Ruído político

Qualidade(s) ou quantidad...

Conformismo ou (des)obedi...

A Palavra e a Mentira

Ensinar e aprender Filoso...

Alguém (ainda) aguenta?

A importância da Ciência ...

Ecos de (uma) Democracia

Desafio(s) do Futuro: Nat...

Calar, elogiar ou critica...

O decréscimo da participa...

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

arquivos

Abril 2024

Fevereiro 2024

Novembro 2023

Maio 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Novembro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Sábado, 17 de Dezembro de 2022

Sobre a “Educação inclusiva”

 

 

IMG_6279.jpg

 

Num tempo atípico e difícil como aquele que atravessamos, marcado pela guerra no território da Ucrânia e por todos os seus efeitos “colaterais” em diversos pontos do globo (e ainda por uma pandemia que teima em persistir), é de louvar a iniciativa da ANP - Madeira com a realização desta VIIª Edição do Seminário: “Uma Escola em (Trans)Formação”, que para (nós) educadores e professores é mais um relevante (e útil) fórum de partilha e de debate das experiências realizadas na prática docente, nas díspares comunidades educativas da Região Autónoma da Madeira (RAM).

 

A palavra “inclusão”, do latim inclusio, significa ou remete para o “efeito de integrar”, compreender, incorporar, agregar, pertencer, em suma, o “ato de incluir” e não de excluir. No domínio da educação, todos compreendemos que este relevante valor (e apelo), tal como outros, é hoje uma necessidade e prioridade (cuja transformação) há muito se faz sentir.

 

A inclusão (melhor, uma escola e um modelo de educação inclusiva – conhecendo os diferentes estilos e ritmos de aprendizagem dos alunos), é condição essencial para implementarmos um novo e pioneiro paradigma de ensino que, seguramente, vai promover a inovação, mas da mesma forma a diversidade, princípios a que se aliam novas ferramentas e plataformas tecnológicas/digitais que tornam mais fácil (e rápido) o aprender.

 

Na sua comunicação, o orador Rómulo Neves, professor da disciplina de Inglês numa escola do 2.º e 3.º ciclos do Funchal, exemplificou e demonstrou algumas das suas estratégias e o “como” implementou, na sala de aula, este desafio/estímulo da/para a inclusão, o quarto Objetivo de Desenvolvimento Sustentável para 2030 (de acordo com o Relatório de Monitorização Global da Educação 2020 – UNESCO), um problema/questão que nos instiga, apesar de todas as diferenças que possam existir entre os alunos, a “não deixar ninguém para trás”.

 

Apresentado o seu exemplo – que pode ser ajustado a qualquer sala de aula e nível de ensino – , foi elucidada uma das possíveis soluções para respondermos ao (ainda) atual modelo de ensino tradicional existente nas nossas escola e já obsoleto. (Em muitas das nossas salas de aula, os únicos instrumentos de trabalho do professor são, em variados casos, os mesmos do século XIX e XX, apenas um quadro negro e giz.) Lamentavelmente, as escolas e o sistema de ensino nacional continuam a ensinar e avaliar os alunos pela sua capacidade de informação repetida (“conformidade” e concordância) e não pela tentativa de resolução de problemas. Continuamos a não preparar os jovens para a incerteza, para o “arriscar”, errar/falhar, isto é, para novas formas de trabalhar, de inovar, para uma capacidade empreendedora, para o desenvolvimento de um pensamento independente, criativo, autoconfiante e crítico. Prorrogamos, infelizmente, também em discriminar os alunos em função do género, do local onde vivem, das condições económicas, das necessidades/deficiência que apresentam, da língua, do local de emigração/migração, orientação sexual, religião ou outras crenças e atitudes… muito por força do hábito, por falta de dados ou informação, e prosseguimos em não entender (e experienciar) o conceito de uma educação inclusiva.

 

Ora, para o bem ou mal, as sociedades evoluem a uma velocidade cada vez mais acelerada e muito do que foi acima mencionado tem de ser repensado e/ou corrigido. Acredito que a inclusão é possível e que os futuros modelos de ensino-aprendizagem irão ajustar o percurso e formas de aprendizagem à personalidade e estilo de cada aluno, ou seja, que os professores de amanhã irão conciliar o seu ensino à diversidade cultural dos seus alunos, aos materiais didáticos e aos ambientes de aprendizagem de que dispõem. Lembrando um importante filósofo grego e fundador do famoso “Liceu”, escola concorrente da “Academia” de Platão, o trabalho/missão de “educar não é cortar as asas e sim orientar o voo” (Aristóteles). O professor de Alexandre, ‘o Grande’, compreendeu bem (e cedo) todas as virtudes da educação e que esta leva em consideração as múltiplas faculdades que integram a natureza humana.

 

Por último, o futuro – e a grande missão dos educadores e das escolas – será tornar real a adaptação do ensino-aprendizagem à diversidade social e cultural dos alunos, pois só assim estaremos a construir uma sociedade em que todos desejamos viver e verdadeiramente justa e inclusiva.

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

(Reflexão apresentada para a Ação/Seminário: “UMA ESCOLA EM (TRANS)FORMAÇÃO”
21 de outubro de 2022)

 

 

 


rotasfilosoficas às 18:21

link do post | favorito

pesquisar

 

links