Este espaço foi pensado com o propósito de facultar aos interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia, Psicologia e Ciência Política.

posts recentes

Não há insubstituíveis

Ser Professor hoje

(Não) Querer ensinar

Erro(s) e falhas de memór...

(Não) Há vontade?

Ver, Ouvir, Sentir e Pens...

A era dos (ir)responsávei...

Sobre a “Educação inclusi...

Há (ainda) felicidade na ...

Considerações sobre a Gue...

Ruído político

Qualidade(s) ou quantidad...

Conformismo ou (des)obedi...

A Palavra e a Mentira

Ensinar e aprender Filoso...

Alguém (ainda) aguenta?

A importância da Ciência ...

Ecos de (uma) Democracia

Desafio(s) do Futuro: Nat...

Calar, elogiar ou critica...

O decréscimo da participa...

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

arquivos

Abril 2024

Fevereiro 2024

Novembro 2023

Maio 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Novembro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quinta-feira, 16 de Novembro de 2023

(Não) Querer ensinar

 

 

Sala de aula.jpg

 

1. Não se conhece a circunstância histórica (causa ou motivo… e a fase no longo e por vezes violento “processo de hominização”) em que o ser humano entendeu – e se persuadiu – de que ensinar ou transmitir algo que aprendeu, dominou ou passou a fazer era necessário e útil para si e para o Outro da sua espécie. No entanto, este fenómeno – a par da inovação exclusiva da nossa espécie (Homo sapiens) de enterrar os cadáveres dos seus congéneres (novas investigações adiantam agora a possibilidade de os Neandertais também já enterrarem os seus mortos) –, assinala um importante passo para a humanidade e na história da Educação, que certamente começou por meio da observação.

 

A observação é, sem dúvida, uma das primeiras “ferramentas” que toda a criança possui para se adaptar (sobreviver) e interagir com o meio-ambiente, tal como o fazem muitas outras espécies animais mais próximas (ou distantes) da nossa. É com base naquilo que observamos que começamos a criar algumas hipóteses – insipientes ‘conjeturas’, juízos, teses… – de compreensão sobre o mundo, os objetos que manuseamos e criamos, sobre as relações sociais e afetivas que construímos e que preservamos… e também é através da observação que desenvolvemos a imitação – outro processo de ensino-aprendizagem que nos possibilita experimentar algumas possibilidades e/ou limites, por exemplo, físico-corporais, comportamentais, emocionais e ainda grupais ou sociais. Antes da invenção e desenvolvimento da escrita (tudo indica que foi por volta de 3500 a. C., no sul da Mesopotâmia), a oralidade, naturalmente em conjunto com outras formas primitivas comunicacionais, teve a relevante função de memorizar e transportar (ensinar) tudo aquilo que era considerado marcante e proveitoso para o ser humano e, em especial, para as gerações mais novas. Ora, como é entendível nesta ordem cronológica que particulariza uma evolução, a nobre, primordial e indispensável função de ensinar é obviamente muito anterior ao processo de criação das primeiras instituições educativas (escolas) na história da humanidade.

 

Na Europa, as civilizações grega e romana desenvolveram um inicial (e básico) tipo de ensino centrado numa vertente militar e atlética (entre os espartanos, a “formação” principiava aos sete anos de idade e centrava-se sobretudo no domínio e aperfeiçoamento das habilidades físicas – os duros treinos físicos tinham como propósito fazer com que os homens estivessem prontos para atividade bélica/guerra, muito apreciada e excecionalmente planeada – e hoje ainda lhes reconhecemos alguns importantes ensinamentos e valores. Porém, é público que o ensino formal do Ocidente tem as suas raízes na “paideia” grega (que significa “educação da criança”), isto é, num sistema de educação e formação ética que se difundiu por todo o mundo helénico e depois pela cultura romana. O grande objetivo da paideia era formar um cidadão “perfeito e completo” (integral, na conduta exterior e atitude interior), capaz de liderar e ser liderado e de desempenhar um papel ativo na polis (cidade-estado), agora muito interpretada pelo termo sociedade. Em suma, a formação de um cidadão prático e simultaneamente humanista – guiado por um determinado sistema político –, era o real e concreto objetivo deste modelo de ensino. No presente, nas nossas salas de aula (com as ‘convenientes’ alterações implantadas pelo decurso dos séculos) e no vigente sistema de ensino público português, ainda permanece muito deste modelo que teve origem por volta do século VIIIº - VIIº a.C..

 

2. Hoje, tal como no passado, ensinar continua a ser uma tarefa (ofício) deveras exigente, uma arte (pois há sempre algo de imprevisível, irrepetível, novo, original ou inovador no ato) e um compromisso entusiasmante, inspirador, se não mesmo “apaixonante”, onde o questionar, partilhar e imaginar/criar são incumbências (missões, deveres…) sempre claras e presentes no espírito daqueles que ousam desafiar a inteligência (e capacidades/competências) nos seus desiguais alunos e em momentos diferenciados.

É verdade que a práxis educativa contemporânea segue orientações, preceitos, regras, bastante precisas e padronizadas pelo conhecimento científico-didático e pelas autoridades políticas que a tutelam, mas a ela estão intimamente aliadas alguma intuição, improvisação, muita criatividade e uma certa dose de dramatização… como é óbvio e percetível, pois julgo que todo aquele que ensina (o educador/a e professor/a) também tem de ter – e ser – alguma coisa de ator (um bom intérprete) se quiser gozar de sucesso junto do seu público! Dito por outras palavras, o professor é atualmente uma espécie de “ator-racional”; é aquela figura que tem uma visão holística sobre o mundo e as mudanças que estão em curso e que se relacionam com o seu valioso trabalho (alguns definem-no como “intelectual-crítico”), que possui autonomia racional, científica e técnico-pedagógica para executar (bem) as escolhas que estão ao seu alcance fazer (provido de uma ação esclarecida/autónoma), apesar de quase esmagado por uma burocracia que prejudica o seu desenvolvimento profissional e até o crescimento pessoal e educativo dos alunos. Acredito que é o fardo desta carga burocrática (por exemplo, de processos administrativos – e avaliativos – redundantes e caducos e de expedientes inúteis fixados por sucessivos governos e ministros/secretários), para além de uma desmedida pressão quotidiana e a falta valorização e reconhecimento do trabalho prestado à comunidade, que hoje incitam muitos daqueles que (ainda) ensinam em Portugal a desistir deste nobre compromisso que é ensinar e preparar as novas gerações para o futuro. Se os mais novos já optaram por não querer ingressar na profissão, então os ‘seniores’ estão neste momento ansiosos para que chegue a idade da reforma.

 

3. No passado dia 5 de outubro assinalou-se o Dia Mundial do Professor, data que deveria servir para todos refletirmos sobre o modo e as desfavoráveis condições que todos aqueles que ensinam, enfrentam – e que precisam de ser corrigidas –, para desenvolverem plenamente (e com qualidade) o seu talento e vocação. É verdade que ensinar oferece a oportunidade única de promovermos um impacto transformador e duradouro na vida do(s) Outro(s) – sejam eles crianças, adolescentes ou até adultos –, contribuindo para a sua formação e realização pessoal e profissional, e que é muito diferente de qualquer outra obrigação profissional. É uma missão singular que não está ao alcance de todos (por múltiplas razões), pois aquele que ensina é também o guardião da experiência da Humanidade, o transmissor de uma herança inigualável que não se pode desaproveitar e/ou maltratar, e o portador de uma colossal esperança no porvir (é um construtor – e sonhador – dos sonhos dos seus alunos). No entanto, hoje enfrentamos uma escassez nacional (e até global) de professores, ampliada pelo rápido declínio das condições de trabalho e a quase insignificante posição/reconhecimento social que estes auferem nas ditas sociedades modernas e hipertecnológicas. Em Portugal, uma larga maioria dos que (ainda) ensinam estão deveras descontentes com o rumo da profissão que escolheram e exercem – melhor, com a falta de expectativas de carreira (já pouco ou nada atrativa), com a parca remuneração auferida, com o diminuto reconhecimento social, com a excessiva carga burocrática e de trabalho administrativo (desnecessário), não esquecendo um sistema de avaliação docente nada transparente e que não premeia o mérito… e com um conjunto de reformas e políticas educativas descabidas e inoperantes – e aconselham agora os mais jovens a não seguirem esta atividade e, portanto, a não ensinarem as gerações mais novas e outras que estão ainda por nascer. Tudo isto – e o que se prevê já nos próximos anos –, dá que pensar!

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

 


rotasfilosoficas às 08:53

link do post | favorito

Sábado, 4 de Novembro de 2023

Erro(s) e falhas de memória

 

Erros na política.jpg

 

1. O erro faz parte da condição humana. Muitos (para não dizer “todos”) sentem um qualquer tipo de constrangimento/inibição em dizer ou confessar que erram, falham, que se enganam ou fracassam, que produziram asneiras, anomalias/desvios (e algumas vezes excessos) ou que têm por verdadeiro aquilo que é falso. Larga fração da experiência humana é constituída por erros, mas é conveniente não cometer sempre os mesmos e principalmente apender com os dos outros (e analogamente com os nossos!). É ainda oportuno aqui mencionar que devemos evitá-los, ultrapassá-los e corrigi-los e que a proveniência do erro está muitas vezes no desejo, na impaciência/imprudência, na ignorância e na cólera. Defender e persistir no erro (ou engano), é querer sofrer e, já diz o povo, colossal estupidez e burrice! Porém, alguns teimam em praticá-lo. Há, também casos em que o erro é, digamos, “benéfico”. Por exemplo, no âmbito da educação o erro é indispensável. Muito do progresso no processo de ensino-aprendizagem faz-se por “tentativa e erro”. Aqui não deve haver receio/medo em fracassar ou falhar, até porque será precisamente o erro que vai desvelar algumas das ‘verdades’ (saberes, competências, factos…) de grande valor que há para descobrir. Diz-nos a ciência da Psicologia que este é um método básico de aprendizagem e que praticamente todos os animais o usam para aprender novos comportamentos. Tentativa e erro é o primeiro modo de aprendizagem e ocorre justamente através dos erros, enganos, falhas, lapsos, “disparates”, os quais são necessários para que existam novas e mais tentativas, tornando assim provável encontrar-se a forma correta de lidar com um determinado problema/dificuldade ou questão. Este processo será continuamente repetido até que o sucesso – ou a tão pretendida solução – seja alcançado/a.

 

A este propósito, o conhecido behaviorista norte americano Edward Lee Thorndike, na sua Lei do efeito, diz-nos que existe uma seleção das respostas adequadas e adaptativas, com eliminação das respostas inadequadas (erros), com base num determinado condicionamento – relação entre um comportamento e um estímulo – , encontrando-se finalmente o comportamento ajustado em função do estímulo ostentado. Todavia, não podemos dizer que a aprendizagem realizada pelos animais por tentativa e erro é o padrão da aprendizagem humana. Esta última não é somente uma mudança comportamental, mas algo mais complexo e de assinalável importância.

 

Possui também grande utilidade a incerteza e o erro na investigação/experimentação científica. “Ensaio e erro” é o processo elementar na Ciência e por meio do qual se constrói e adquire “inovador” e atualizado conhecimento. O erro tem fulcral valor na descoberta e progresso científico. Muita da inspiração e inquietação dos cientistas advém dos erros metodológicos e dos resultados negativos obtidos na pesquisa, pelo que é essencial a compreensão destes “equívocos”. Para o epistemólogo Gaston Bachelard, o espírito científico é essencialmente uma retificação do saber, um alargamento dos quadros do conhecimento e “a sua estrutura é a consciência dos seus erros históricos”. Já para o vienense Karl Popper, autor do famoso critério da falsificabilidade, o erro é igualmente determinante, mas agora para demarcarmos as teorias científicas das não científicas e para refutarmos as científicas. Por outras palavras, uma boa teoria científica é aquela que consegue resistir aos mais rigorosos/severos testes que conseguimos conceder – à sua falsificação (ao erro) – e, enquanto resiste, ela não é rejeitada, mas corroborada.

 

 

2. Na área da política, na quase totalidade das vezes o erro é categoricamente negado por quem exerce o poder. Em Portugal, quando uma decisão política resulta em sucesso, em êxito, em mais ou maior satisfação para a população, o governante e responsável político aparece logo na primeira linha, mas quando o resultado é negativo, um fiasco, um erro ou falha grave – numa palavra, um “escândalo” –, então ninguém está disponível para assumir e responder por o quer que seja. Deste modo, em pleno século XXI, na nobre atividade política, a máxima “errare humanum est” continua a ser desacreditada, pois esta “infecta” (lesa) a imagem (mediática) daquele que assume a falha/engano e arruína a sua carreira e promitente futuro político. Para o ‘excecional’ político, o erro deve ser dissimulado ou negado até contra as mais enérgicas e sólidas evidências, pois os eleitos e representantes do povo julgam-se infalíveis e, nalguns casos, até acima do comum dos mortais. Pelos vistos não é muito nobre pedir desculpas pelo(s) erro(s) gerado(s) – reconhecimento – e apresentar uma justificação plausível ao comum cidadão-eleitor, aquele que na maioria das vezes colherá os frutos (nomeadamente, custos) desse mesmo erro. Ora, coincidência ou não, no dia em que se assinalou um ano da conquista da maioria absoluta do Partido Socialista nas eleições legislativas de janeiro de 2022, o primeiro-ministro António Costa, admitiu (a muito custo) que o seu Governo “pôs-se a jeito e cometeu erros”, mas que também existiram problemas dentro do executivo.

 

Não especificando quais os erros perpetrados e os distintos autores, também não ecoou no seu bem preparado e articulado discurso (e algo inflamado, por motivo de certas questões que lhe foram dirigidas) a eloquência de um pedido de desculpas pelos aludidos erros na governação aos milhões de portugueses que, abono, cuidadosamente o escutaram e interpretavam as suas expressões faciais. (Relembro aqui a popular frase de Cícero que declara que “o rosto é o espelho da alma”, recuperada recentemente pelo jornalista Miguel Sousa Tavares numa entrevista onde disse “basta olhar para a cara deles”). Sem memória, não avaliando bem o passado recente ou sobriamente por pura estratégia política, já neste mês de fevereiro o governo socialista voltou a cair no erro (político), desta vez com a apresentação do Programa “Mais Habitação”, que no entender de toda a oposição, algumas associações ligadas ao sector e vários comentadores da nossa praça é, por um lado “insuficiente para fazer face às reais necessidades dos portugueses” e, por outro, “estatizante”, inaceitável, ilegal e inconstitucional, na medida em que viola nitidamente o direito à propriedade privada. António Costa não é propriamente noviço nestas andanças – e, logo, inocente – e poucas horas depois lá pôs um secretário de Estado a admitir “aperfeiçoamentos” na proposta, por exemplo, relativa ao alojamento local, e vai agora – pois já estão no horizonte as eleições Europeias de 2024 e as Autárquicas de 2025 – querer envolver os municípios, porque sem eles todas estas novas medidas legislativas são inúteis e ineficazes, ou seja, vãs. Como se percebe, se a coisa vier a correr mal (fracassar), se as medidas não passarem do papel ou existirem graves falhas (erros), a culpa/responsabilidade já está descartada e projetada para terceiros, tal como aconteceu com os muitos erros (e seus inerentes efeitos) que o (seu) anterior governo cometeu na gestão da pandemia da Covid-19, entre março de 2020 e inícios de 2022.

 

Na RAM a práxis política é em quase tudo idêntica. Os ilustres soberanos do passado e presente “excluem-se” de todos os equívocos, erros, desvarios ou deslizes praticados. Talvez por ‘falhas’ seletivas na memória, negam investimentos desnecessários, obras que resultaram de deliberações e decisões erradas e gastos excessivos para o erário público e, donde tudo somado, se extraiu uma dívida pública global que está hoje ‘levemente’ acima dos 5.500 milhões de euros. (Um esquecimento motivado e minucioso por inibições de variada ordem, e que para infelicidade nossa parece ser uma tendência natural.) Para se furtarem a qualquer relação com os atos e resultados gerados, desafiam agora os cidadãos (e os críticos) a apontarem obras que não deveriam ter sido realizadas, quando algumas delas são por todos conhecidas e nunca chegaram a estar operacionais. Sobretudo para as gerações vindouras, convinha esclarecer se muitos destes erros foram concebidos por ignorância ou deliberados, e aqui a memória pode auxiliar-nos não só a compreender melhor o passado e presente, mas também a projetar o futuro. Acredito (ainda) que os erros e sucessos do passado podem ajudar-nos a criar um novo (e melhor) rumo para o amanhã.

 

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

in Erro(s) e falhas de memória — DNOTICIAS.PT


rotasfilosoficas às 12:49

link do post | favorito

pesquisar

 

links