Este espaço foi pensado com o propósito de facultar aos interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia, Psicologia e Ciência Política.

posts recentes

Não há insubstituíveis

Ser Professor hoje

(Não) Querer ensinar

Erro(s) e falhas de memór...

(Não) Há vontade?

Ver, Ouvir, Sentir e Pens...

A era dos (ir)responsávei...

Sobre a “Educação inclusi...

Há (ainda) felicidade na ...

Considerações sobre a Gue...

Ruído político

Qualidade(s) ou quantidad...

Conformismo ou (des)obedi...

A Palavra e a Mentira

Ensinar e aprender Filoso...

Alguém (ainda) aguenta?

A importância da Ciência ...

Ecos de (uma) Democracia

Desafio(s) do Futuro: Nat...

Calar, elogiar ou critica...

O decréscimo da participa...

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

arquivos

Abril 2024

Fevereiro 2024

Novembro 2023

Maio 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Novembro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Abril 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Terça-feira, 9 de Abril de 2024

Não há insubstituíveis

 

 

AR.jpg

 

1. Como alguém dizia (e não sei já bem quem), “sem eleições não há democracia”, mas agora que estamos a pouco mais de dois meses das próximas eleições Regionais, no arquipélago da Madeira – e quando muitos atores políticos (de cá e de lá) iniciaram já a campanha e fazem contas ao êxito eleitoral desejável –, por enquanto os cidadãos pouco ou nada sabem sobre as eventuais promessas (ideias, projetos, programas e compromissos…) que hipoteticamente irão ser concebidas e executadas nos 4 anos vindouros, tal como as diversas políticas públicas a serem implementadas. Para a maioria dos eleitores, e com base no juízo que fazem dos políticos e da maneira como gastam o dinheiro dos contribuintes, tal é secundário, para não dizer irrelevante!

Conhecemos apenas alguns dos candidatos das listas partidárias (os principais) que se apresentam a mais um ato eleitoral (uns melhor, outros pior; uns com competência provada, outros deveras medíocres; uns que sabem do que falam, outros é (quase) só disparates…), ou seja, quem quer governar, quem quer presidir e quem quer ser deputado (representante dos cidadãos madeirenses e porto-santenses) na ALRAM, sendo que alguns destes andam nisto desde à décadas e outros só agora despontam no espaço público e mediático. Aparentemente, uns estão mais bem preparados (ou não) e vocacionados para o que deve ser o “serviço público” ou serviço à comunidade do que outros, mas, como bem diz o provérbio, «as aparências iludem».

Por estes dias, um dos principais candidatos – e líder de uma coligação para as Regionais deste ano –, a propósito da elaboração das listas para deputados, disse que este processo “deixa sempre muita gente nervosa nos partidos” e que só serão apresentadas sobre o prazo limite para sua a entrega, pois quando as apresentam isso “dá sempre alguma fricção”, melhor, amuos nas hostes dos dois partidos. Ora, aqueles que ainda acreditavam que a política se faz com capacidade de liderança, firmeza nas decisões, visão estratégica, noção de Bem Comum… e sem estados de alma, impulsos, ruídos ou amuos desenquadrados e imediatistas, estão redondamente enganados. Afinal, os estados de alma contam (e muito) para as equações e decisões arriscadas ou “difíceis” e até podem sobrepor-se à boa gestão do ‘Bem Comum’, colocando no centro das atenções prioridades e interesses pessoais, deixando de lado (pendentes) questões e problemas verdadeiramente importantes.

Afinal, na política portuguesa e na doméstica política regional também têm lugar o amuo, o ódio, a calúnia, o gozo, a desconfiança e a inveja…, isto é, “estados de alma” que não são pequenos detalhes da/na nossa vida política nacional e regional, mas algo que nos ajuda a entender muito do que se passa nos bastidores da atividade política e que nos incapacita de crescer, evoluir, ‘sair da cauda’ e convergir com a Europa, para além de outras debilidades de enquadramento institucional e económicas.

O voto (nunca concedido nem assegurado de uma vez por todas) é simultaneamente um direito, dever e um ato relativamente simples, sendo que a ele se sujeitam (e obedecem) os chamados políticos com profissão, políticos profissionais e, por último, os profissionais da política, ou seja, todos aqueles que vivem da atividade político-partidária e que dependem em termos profissionais da situação em que o seu partido se encontra e do seu ‘posicionamento’ dentro do aparelho partidário (os apelidados “boys”). Enquanto símbolo máximo da democracia, o voto é a única forma que os cidadãos têm de mostrar que rumo querem para a sua comunidade/sociedade; é também uma das formas democráticas de participarem na vida coletiva e no Bem Comum da região/país e de terem voz nos assuntos que têm impacto direto e indireto na vida de todos (por exemplo, na saúde, educação, habitação, economia, ambiente, segurança e cultura…); e é o voto que permite a mudança/alternância, pois enquanto “arma do povo”, permite aos eleitores, os que escolhem/decidem votar, quando riscam com a caneta um quadrado no boletim de voto, eleger ou demitir um mau político (seja por vingança, irritação, tédio ou revolta!) e assim não precisamos de aguardar que este último decida sair e só diga de véspera!

Se de tempos a tempos “o poder cai na rua”, é pela liberdade de cada voto individual que o cidadão, no dia da eleição, pode manifestar todo o desencanto e insatisfação que sente pelos eleitos (e substituí-los, na medida em que na democracia não há cargos vitalícios nem um sistema do “quero, posso e mando”…) e pelo sistema de representação que dispomos, e escolher, de entre a oferta de candidatos no mercado eleitoral, qual o candidato que melhor defende o interesse público e os (meus/nossos) interesses pessoais e quem lhes dá maior confiança e esperança. (Convém aqui aludir o artigo 118 da Constituição da República Portuguesa que diz expressamente que “ninguém pode exercer a título vitalício qualquer cargo político de âmbito nacional, regional ou local”).

A atração ou paixão pelo poder – misturada com alguma vaidade adulada, narcisismo, desejo de bem-estar e reconhecimento social… – em todos eles (candidatos) vigora, tal como os privilégios que os lugares de topo lhes conferem, e muitos imaginam, planeiam e querem nunca deixar de exercer o poder, seja ele qual for, embora transmitam publicamente o contrário.

Exercitando ou refrescando aqui um pouco a memória, no passado um candidato regional sustentava que o princípio da limitação de mandatos fortalece a democracia e impede “tentações de concentração e eternização do poder, mesmo que popularmente sufragados, com o seu tradicional cortejo de falhas e perversões”, a que acresce a situação de que “os cidadãos já investidos em cargos – e especialmente os que ocupam os lugares há muito tempo, munidos do apoio dos aparelhos poderosos de persuasão e propaganda dos partidos políticos tradicionais, gozam de uma vantagem evidente relativamente a todos os outros cidadãos que pretendem ser eleitos”. Por outras palavras, a limitação de mandatos é também uma forma de assegurar a “renovação e rejuvenescimento da democracia, na concretização do princípio da igualdade de oportunidades” e demonstrar, na prática, que todos nós (mais tarde ou mais cedo) somos substituíveis.

 

2. Do ponto de vista biológico, a composição química e a fisiologia de todos os seres vivos (logo, também os humanos) tem um prazo de validade. Procuramos, com a ajuda da ciência e da mais avançada tecnologia, estendê-lo ao máximo, mas a lei da vida não perdoa. Seja um excelente médico, um ótimo gestor, um bom professor ou diretor, um brilhante futebolista, um distinto operário, um admirável artista, escritor e cientista… ou um notável político (ou não!), a finitude persegue-o e “é o destino de tudo” (José Saramago). Por muito talento, conhecimentos e faculdades que possamos herdar/trazer ou adquirir ao longo da vida, existe sempre um sucessor à espera de ser encontrado. O tempo não perdoa. Neste mundo e nesta viagem a que muitos chamam “aventura da vida” – e que ninguém a fará por nós – “não há ninguém insubstituível” (Haruki Murakami). Isto é válido hoje, tal como foi no passado e será, estou seguro, no futuro! Aqui deve repousar a mais básica confiança humana. Para quem julga ainda o contrário, basta dizer que os cemitérios estão cheios de pessoas insubstituíveis, e mesmo aí, ao fim de alguns anos, somos substituídos por outros.

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

(Artigo de opinião publicado em Diário de Notícias da Madeira - Não há insubstituíveis — DNOTICIAS.PT)

 


rotasfilosoficas às 08:48

link do post | favorito

pesquisar

 

links