Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Há (ainda) felicidade na ...

Considerações sobre a Gue...

Ruído político

Qualidade(s) ou quantidad...

Conformismo ou (des)obedi...

A Palavra e a Mentira

Ensinar e aprender Filoso...

Alguém (ainda) aguenta?

A importância da Ciência ...

Ecos de (uma) Democracia

Desafio(s) do Futuro: Nat...

Calar, elogiar ou critica...

O decréscimo da participa...

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

arquivos

Novembro 2022

Setembro 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Novembro 2021

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Novembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Sábado, 6 de Novembro de 2021

A importância da Ciência Política

 

 

Ciência Política .jpg

 

Tem pouco menos de 2.400 anos que Aristóteles afirmou que “o Homem é por natureza um animal político” (anthropos physei politikon zoon), declaração que confidencia que somos um ser eminentemente social onde se incorpora, entre outros, o elemento político, pois não se pode falar de sociedade sem que se fale da sua organização, regulamentação, coordenação, em suma, ordem.

 

Ora, logo nas primeiras semanas em que foi decretada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a pandemia da Covid-19 (e no primeiro confinamento), houve um intenso debate sobre a influência/papel do poder político (Estado) no combate à propagação do novo coronavírus (SARS-COV-2).

 

De um dia para o outro, vários Governos mandaram (quase) toda a gente para casa, “fecharam” as escolas, as economias, pagaram salários, ‘seguraram’ créditos, criaram novos apoios sociais, controlaram – de forma mais ou menos intimidatória – os movimentos dos cidadãos, encerraram fronteiras…, e após a primeira vaga, planearam e decidiram como e quando “reabrir” as diversas atividades económicas. Por outras palavras, o ressurgimento de um Estado mais musculado, que por força das circunstâncias interrompeu alguns dos nossos mais elementares (e contemporâneos) direitos civis, políticos e sociais, fez rapidamente perceber aos cidadãos mais distraídos o quanto a política infere (e pode deixar marcas) nas nossas vidas, saúde e até morte.

 

Para as mais jovens gerações, hoje a política é tida como uma atividade desinteressante, vista como qualquer coisa distante, geradora de desconfiança, desagradável, “obscura”, onde impera o secretismo e corrupção, e o modo como os políticos comunicam não os atrai – nem incentiva – a participarem na discussão (e resolução) dos problemas da comunidade onde vivem.

 

Atenta a esta atual realidade, a escola Secundária de Francisco Franco, instituição que tem um posicionamento de grande abertura à inovação tecnológica e pedagógica, apostou, desde o ano letivo 2019-2020, na introdução da opção, no 12º ano, da disciplina de Ciência Política, na Componente de Formação Específica dos Cursos Científico-Humanísticos. Esta disciplina, como o próprio nome indica, não propõe o início de uma qualquer carreira política, mas atendendo ao seu carácter introdutório, visa simplesmente a formação para o exercício da cidadania e o alargamento dos conhecimentos – e de competências nos jovens e no seu leque de opções para prosseguimento de estudos – numa relevante área do conhecimento, a do estudo dos fenómenos políticos (e seus reflexos nas sociedades) produzidos pelas diferentes formas de manifestação do Poder, quer a nível nacional quer internacional.

 

Enquanto ciência antiga (à qual muitos estudiosos se dedicaram desde a antiguidade clássica, tais como Hesíodo, Platão, Aristóteles, Cícero…) e ciência nova, que cada vez ganha mais adeptos e emerge em diversos cursos de licenciatura, pós-graduação e mesmo cursos de Ciência Política com os diferentes graus académicos neste ramo do saber, esta, ao nível do ensino secundário, propõe aos jovens alunos um interessante trabalho de pesquisa e de reflexão crítica, mas também lhes solicita que tenham um papel ativo e interventivo nas aulas, de modo a adquirirem competências para assumirem uma atitude igualmente ativa e interventiva na sociedade. Foi isso que se procurou fazer nestes dois últimos anos e, em particular, com a participação dos alunos na 3ª edição do Orçamento Participativo do Funchal (2020), para além de outras atividades realizadas.

 

A multiplicidade de temas estudados pela Ciência Política é enorme: vão desde as funções e poderes do Estado, as eleições, as diferentes ideologias políticas, o grau de participação dos cidadãos na vida política, finanças públicas, políticas públicas (na saúde, educativas, no desporto…), as instituições políticas nacionais e internacionais, guerra e paz, simplificando, um conjunto muito alargado de matérias estudadas pelos vulgarmente apelidados “politicólogos”. Articulando-se com outras ciências ou disciplinas, onde se destacam, por exemplo, a Economia, o Direito, a História, Filosofia, Psicologia, Estatística, a Geografia e a Sociologia, a Ciência Política é, então, um saber que permite aos alunos familiarizarem-se com os grandes problemas políticos, económicos e sociais do ‘nosso’ tempo, informarem-se sobre os mesmos e adquirirem uma visão (ou perspetiva crítica) que lhes permita aferir dos diferentes interesses em jogo e adquirir autonomia para refletirem (e decidirem) por si próprios. Abreviando, esta é uma disciplina que aposta na estratégia de tentar envolver os jovens nas questões da cidadania e que parte da ideia que é possível tornar a política mais atraente para a ‘geração Z’, aquela que cresce assombrada pelo desemprego, pelas alterações climáticas (e seus efeitos), por mais uma crise económica e social e que começa agora a votar.

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

in Revista Leia FF n.º 58, da Escola Secundária de Francisco Franco (Funchal)

 

 


rotasfilosoficas às 19:39

link do post | favorito

pesquisar

 

links