Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do ‘Espetáculo...

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

A vida é demasiado curta

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


sobre mim:

Quinta-feira, 9 de Julho de 2020

A tarefa da Filosofia hoje

 

 

Filosofia.jpg

 

A UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) instituiu, em 2002, que a celebração internacional do Dia (Mundial) da Filosofia seria na terceira quinta-feira do mês de novembro, portanto, este ano, no dia 21 do mês apontado.

 

Mas, pergunto, o que é – e qual a tarefa – a Filosofia nos dias de hoje? Porquê ainda a sua necessidade (e valor) e qual a diferença relativamente ao momento em que surgiu, pela primeira vez na China, no Oriente Médio e depois na Grécia Antiga, no século VIIº a.C.?

 

A Filosofia foi no passado (e continua a ser) uma atividade do pensamento/reflexiva, que se desenvolveu a partir da necessidade do Homem entender o mundo ao seu redor e de identificar princípios, máximas que orientem as suas decisões e ações. Ora, esta exigência e vontade não é hoje menos pertinente do que naquele tempo! Os grandes problemas, as agigantadas questões e até a necessidade de (novas) ideias, na sua grande maioria, permanecem ainda ‘abertos/as’ a tentativas de resposta e a busca pela Verdade não perdeu (pelo contrário, até ampliou) a sua relevância e universalidade, num mundo cada vez mais dominado pela “mentira universal” (José Saramago), pela aparência, pelas sombras (Platão), pela massificação da manipulação numa (nova) era tecnológica e digital – dos metadados (a era do Big Data), onde os algoritmos influenciam decisões, prejudicam minorias e espalham fake news (notícias falsas), mas também solucionam problemas – que se prepara para a inteligência artificial (e novas fronteiras), e não é acompanhada ao mesmo ritmo por novas regras e valores.

 

Hoje, nesta sociedade moderna em que já está em marcha a 4ª revolução industrial, onde triunfou o capitalismo como sistema, a ‘civilização do espetáculo’, por outras palavras, “um mundo onde o primeiro lugar da tabela de valores é ocupado pelo entretenimento e onde divertir-se, fugir ao aborrecimento, é a paixão universal”, como evidencia o laureado com o Nobel de Literatura, Mário Vargas Llosa, precisa (e exige) da atividade crítica que é a Filosofia.

 

Num tempo de grande complexidade nas relações (e de tensões) entre as tradicionais e emergentes potências mundiais, incerto, em que o relativismo impera e simultaneamente se constroem e cristalizam novos dogmas, a Filosofia é agora mais útil do que nunca, pois só a verdadeira liberdade e autonomia do pensamento permitem não aceitar, sem uma cuidadosa análise e julgamento, a variabilidade das opiniões e imagens que diariamente são difundidas nos media e propagadas nas redes sociais – e nos obriga a repensar tudo isso para as sustentarmos com as melhores razões e/ou argumentos – , tudo aquilo que consumimos e absorvemos enquanto espectadores.

 

Vivemos novos tempos que são determinados por novas vontades, é um facto! Como o poeta escreveu: “muda-se o ser, muda-se a confiança: todo o mundo é composto de mudança” (Camões), mas a claridade e gentileza da Filosofia continua a ser um recurso fundamental e indispensável, pois “o pensado permanece invariável”, como bem afirmou Ortega Y Gasset, e ajuda a iluminar e a preparar o caminho adiante, o porvir.

 

É uma evidência que no passado recente tivemos momentos menos favoráveis à Filosofia, até menos generosos para a própria humanidade, como proclamam hoje alguns especialistas na narrativa histórica contemporânea, mas precisamos agora de regressar e revigorar este saber que é simultaneamente uma ferramenta que ajuda a entender (e sintetizar) as múltiplas esferas da humanidade e da realidade, desde áreas como as da Ciência, Religião, a Arte, passando pelo Direito, Economia, etc., e até mesmo a Política. Contudo, a tarefa da Filosofia não se fica apenas pela construção de um conhecimento ou visão do mundo sem ilusões (Fernando Pessoa afirma que “aos poetas e aos filósofos compete a visão prática do mundo, porque só a esses é dado não ter ilusões”). O seu exercício, a sua práxis, contribui para algo mais e profundamente indispensável na atualidade: a edificação de uma sociedade mais tolerante, plural, democrática, respeitadora, criativa/inovadora – pois faz despontar novas ideias – em suma, uma sociedade mais livre, justa, sustentável, onde vigora a paz e decisivamente com futuro!

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

(Texto publicado no Diário de Notícias da Madeira, 20.11.2019)


rotasfilosoficas às 10:35

link do post | favorito

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos