Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Ecos de (uma) Democracia

Desafio(s) do Futuro: Nat...

Calar, elogiar ou critica...

O decréscimo da participa...

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

A vida é demasiado curta

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

arquivos

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Quarta-feira, 9 de Junho de 2021

Calar, elogiar ou criticar?

 

 

 

Criticar.jpg

 

Estamos a poucos dias de celebrar os 47 anos da “Revolução dos Cravos”, ou seja, daquela madrugada por que todos esperávamos e que os militares do MFA (Movimento das Forças Armadas) planearam depois do fracasso do “Golpe das Caldas” (16 de março de 1974) – fruto de uma estratégia delineada, comandada e bem-sucedida, na altura, pelo major de 37 anos, Otelo Saraiva de Carvalho –, que ofereceu a Portugal e aos portugueses não só o célebre Programa dos 3 Ds (Democratizar, Descolonizar e Desenvolver), mas sobretudo a capacidade de se promoverem, no nosso país, um conjunto de transformações económicas, sociais, culturais e “todas as liberdades”. Curiosamente, este ano estamos perto de igualar o número de anos em democracia com o número de anos que durou a ditadura do Estado Novo (48), período que começou com o pronunciamento militar de 28 de maio de 1926, golpe iniciado na ‘cidade dos arcebispos’, Braga.

 

Coincidência ou não, nos últimos 12 meses, num momento atípico à escala global e nacional, neste “tempo excecional” que foi um período de ansiedade e sofrimento (onde o medo do outro vigorou), de dor e luto para milhares de famílias portuguesas, de separação, confinamento, de restrição às nossas múltiplas liberdades – e que decerto deixará marcas na vida económica, financeira e social das nações, assim como na vida particular de cada um –, este tempo invulgar que imprimiu novas regras, comportamentos e costumes/rituais à vida dos cidadãos, tudo em nome de um bem maior que é a saúde pública e a contenção da pandemia da Covid-19, este longo e penoso ano desconsiderou (melhor, limitou) visivelmente o que é essencial no ser humano: a liberdade.

 

Desde que o novo coronavírus invadiu e ocupou todo o espaço público e político (e a agenda), marcando a abertura diária nos noticiários televisivos e na rádio, nas capas da imprensa escrita, na intervenção dos representantes políticos (desde os governos a toda a oposição), no espaço facultado ao comentário ou opinião, tudo o resto, ou seja, todos os outros assuntos ou problemas parecem ter sido já solucionados ou, então, desaparecido. Infelizmente, não foi ainda encontrado um ponto de equilíbrio entre a informação que naturalmente interessa e tranquiliza a opinião pública sobre o tema/problema, e todos os outros que diariamente emergem no país, na Europa ou no mundo. Por outras palavras, esta nova infeção viral à escala global que já causou a morte a mais de dois milhões e seiscentos mil cidadãos (no mundo) desde que foi detetada em 2019, subordinou a vontade, decisão e até a (in)competência política à voz, aos números, às tabelas, gráficos e projeções/previsões anunciadas pelos epidemiologistas, virologistas, pneumologistas, matemáticos…, em suma, aos agora anunciados como “especialistas” (diferente de cientista), aqueles que estão ao serviço da nação e que podem/devem falar e que todos nós devemos acompanhar e atender. (Os mais críticos falam inclusive de um “Governo de especialistas” e referem que é grave que a política, nessa velha questão da sua relação com a ciência, abdique, agora, abertamente a favor da ciência).

 

O paradigma dominante é a Covid-19, uma doença que colocou o país em estado de “emergência” (já foi aprovado o 13º…, renovados a cada 15 dias e sempre justificados pela situação “extremamente grave” que o país ainda vive) e de “exceção”, sendo que a vida dos portugueses, num regime de democracia liberal, ganhou novos e inimagináveis contornos, quer para as crianças e jovens que não viveram e conheceram o antigo regime, quer para as mais velhas gerações, em particular aquela que devolveu a liberdade aos portugueses.

 

O(s) Governo(s) tomou(ram) conta da opinião pública (e amplia o seu poder a olhos vistos), esvaziou o pluralismo de expressão existente no parlamento, legisla por decreto, “suspendeu” (ou interrompeu) muitos dos direitos e liberdades democráticas (age agora nas ‘zonas de sombra’ do estado de direito) e, inflado e arrogantemente, não reconhece o erro ou falhas, incoerências, abusos/exageros e, particularmente, não aceita a crítica. Recordo que o termo “crítica” deriva de “julgar”, na medida em que o conhecimento humano não conhece a Verdade e precisa, então, de um ‘critério’ através do qual discerne o verdadeiro do falso/erro. Criticar não é dizer mal, condenar, injuriar e muito menos falar daquilo que se desconhece ou não percebe. O seu sentido construtivo é talvez “sugerir” para que algo seja melhor.

 

Ora, para aqueles que preservam alguma memória, a atual Ministra da Saúde, numa recente entrevista televisiva, não só rejeitou que tenha existido falta de planeamento por parte do Governo e das autoridades de saúde (sobretudo na 3ª vaga da pandemia), como considerou “criminoso” a crítica apresentada por qualquer cidadão (cito: “É criminoso para quem, diariamente, nos mais variados serviços, faz um esforço enorme para organizar e preparar as coisas”). Se nos fosse permitido recuar algumas dezenas de anos, o tom deste discurso não era muito diferente daquele proferido pelo Estado Novo que não permitia que a ordem social fosse questionada e a célebre elocução doutrinária “Não discutimos Deus e a virtude; não discutimos a Pátria e a sua história; não discutimos a Autoridade e o seu prestígio; não discutimos a Família e a sua moral; não discutimos a glória do Trabalho e o seu dever”, ou seja, a famosa verbalização que não se discute nem se questionam os líderes.

 

De forma sintética, o povo (e todas as vozes discordantes) tinham (e parece que voltaram a ter) o dever de elogiar ou de se emudecer perante o líder, pois este, usando da faculdade que a lei lhe confere e de um espírito culto, “especializado”, será sempre bem-sucedido na tentativa de restabelecer a ordem, a moralidade, a verdade nas nossas finanças, ou seja, será capaz de resolver todos os problemas e desafios que afligem os portugueses e o país.

 

Estamos agora em março de 2021 e um ex-presidente da República acaba de dizer que Portugal vive “numa situação de democracia amordaçada”, considerando que é uma “vergonha” os números recentes da pandemia, que colocaram o país como “recordista” de mortes por milhão de habitantes. Talvez o estilo e vocábulo adotado na observação não seja o mais adequado – por diversas razões, o ex-chefe de Estado em questão não terminou da melhor forma o seu último mandato e ficou associado a “grandes buracos negros”, como o caso do Banco Português de Negócios (BPN) e a derrocada do BES, em particular por declarações proferidas em julho de 2014 –, pelo que logo outros vieram dizer que Portugal está é “anestesiado” ou “sonâmbulo”. Uma coisa é certa, se “o governo mais útil é o governo que menos interfere na  vida dos governados” (Henry David Thoreau), então o atual executivo foi não só um governo que não antecipou (e realizou) tudo o que era necessário para minorar os efeitos da atual pandemia (e que ainda por cima se queixa das críticas), que se imiscuiu – e muito – na vida dos portugueses e que reage de modo infeliz quando um qualquer cidadão – gozando do direito de exprimir e divulgar livremente o seu pensamento pela palavra (liberdade de expressão, art.º 37 da CRP), fulcral numa sociedade que se quer aberta e justa – , estando alerta, lhe aponta falhas, o critica e obriga a decidir e agir melhor. Será que a Covid-19 também interrompeu o direito e a liberdade de criticar? Certamente, o silêncio ou elogio seriam preferíveis.

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

in Diário de Notícias da Madeira, 20 de março de 2021

(https://www.dnoticias.pt/2021/3/20/254739-calar-elogiar-ou-criticar/)

 

 


rotasfilosoficas às 19:44

link do post | favorito

pesquisar

 

links