Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Ecos de (uma) Democracia

Desafio(s) do Futuro: Nat...

Calar, elogiar ou critica...

O decréscimo da participa...

Fazer e responder(e)

Boas ideias e líderes, pr...

Dispersos de um confiname...

Filosofia, Democracia e V...

Aparências e políticos “c...

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do Espetáculo

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

A vida é demasiado curta

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

arquivos

Setembro 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


sobre mim:

Em destaque no SAPO Blogs
pub
Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2021

Filosofia, Democracia e Verdade

 

 

Verdade.jpg

 

1. A Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura - UNESCO, assinala o dia 19 de novembro de 2020, como o Dia Mundial da Filosofia.

 

Saber com mais de dois milénios e meio de história no ocidente (Mileto, século VIº a.C.), embora tenham existido anteriormente expressões no Oriente e em África, este modo particular de conhecer, pensar e de ser, antecâmara do espanto e da inquietação (esse reino dos porquês, bem difícil de definir), foi no passado – e continua(rá) a ser no presente e futuro – essencial para interpretar, compreender e transformar as sociedades.

 

Num mundo onde o não pensar dá claros indícios de pretender dominar, em que a apatia, indiferença, a mentira (fake news), o relativismo, materialismo, consumismo, individualismo e narcisismo são evidentes e imperantes nas novas relações sociais digitais (as redes), em que a Verdade é subjugada quase por completo à aparência (e opinião), a Filosofia, esse “doce leite da adversidade” (W. Shakespeare) que pretende mudar o olhar a alguém, que influi e conduz uma vida (e que não tem grandes respostas para os múltiplos problemas/questões que esta coloca), é agora mais imprescindível do que nunca. Ora, diante uma pandemia que já matou perto de 1,3 milhões de pessoas em todo o globo – e em mais um momento em que a irracionalidade e o medo parecem querer voltar a triunfar –, prescindir da Filosofia é renunciar ao potencial criativo (e crítico) da humanidade de conceber novas (e boas) ideias, é claudicar e abdicar de um mundo mais tolerante, dialogante, próspero e respeitador. Confesso, o cenário futuro não é muito animador.

 

2. Enquanto escrevo estas linhas, os principais meios de comunicação norte-americanos acabam de declarar Joe Biden como o ‘novo’ (não obstante os seus quase 78 anos) e 46º Presidente dos Estados Unidos da América, nação considerada ainda a maior democracia no mundo, apesar das suas múltiplas imperfeições e disfuncionalidades. Um célere diagnóstico confidencia que há lições pesarosas e angustiantes conclusões a tirar deste último ato eleitoral que bateu um recorde em termos de participação nas urnas, mas no qual as sondagens voltaram a falhar, em que lamentavelmente existiram centenas de conflitos nas ruas – um candidato chegou a incitar à violência, a declarar-se antecipadamente vencedor e não aceita agora sair da Casa Branca –, milhares de mentiras, falsas acusações, difamações, ardilosos tweets, projetos/grupos organizados que minaram candidaturas e para os quais foram angariados vários milhões de dólares…, tudo isto durante um longo período de campanha presidencial. Todo este aglomerado de factos (e muitos outros) demonstram que a Democracia está doente, ou seja, as democracias (representativas) estão em perigo, tanto nos EUA (a pátria das liberdades e dos direitos cívicos) como no resto do mundo, especialmente onde os novos radicalismos de direita – e populismos – estão em ascensão.

 

Diz-nos a história que foi há 2600 anos que os gregos inventaram algo que viria a ter uma importância temporal transcendente, a Democracia (chamaram-lhe dēmokratia), uma forma de resistência à tirania, invenção que na altura não suscitou grande entusiasmo/simpatia entre os ‘cidadãos’ (ninguém antecipou o que viria suceder, mais tarde, por todo o planeta, e o termo guarda ainda cuidadosamente muitos dos seus segredos) e que é contemporânea do despontar da Filosofia na pólis de Atenas (século Vº a.C.). Ora, isto é repetido nos bancos das escolas até aos dias de hoje, mas tal informação/conhecimento é falsa. A palavra “democracia” é bem mais antiga e parece ter surgido 7 a 10 séculos mais cedo, e noutras povoações urbanas do Peloponeso. Todavia, este pequeno sonho de que os homens se podiam organizar e que o fariam através de fóruns ou assembleias, onde debateriam e decidiriam sobre diversos assuntos e problemas da cidade e aprovariam planos de ação, foi uma invenção singular que alterou o curso da história – e que o século XX viria a consagrar (e proclamar) como o principal sistema de governo (um “Bem Universal”), um pouco por todo o lado, apesar de se ter transformado numa formalidade impessoal, uma questão de máquinas de votos e de escrutínios secretos… como apontam alguns críticos.

 

Hoje, tal como a Filosofia, este modo de fazer política vê-se envolto em grande discordância e é, permanente e oportunisticamente, ameaçado de múltiplas maneiras, graças à sua tremenda fragilidade (e ‘pouca’ eficácia), sendo que cresce o número daqueles que já não o consideram desejável e, portanto, abonam que é um regime em fim de linha. Citando Winston Churchill, e porque também sou um otimista nestes espinhosos tempos, aliás “não me parece muito útil ser outra coisa”, de facto, "a democracia é o pior dos regimes, à exceção de todos os outros, e portanto, apesar de todas as imperfeições ou disrupções, é hora de a defender e preservar, mas também refletir e contemplar todas as suas virtudes e vícios.

 

3. Durante quase toda a história da Filosofia, a palavra (e busca pela) “Verdade” é uma permanência constante (Verdade aqui no sentido de uma realidade que é verdadeira, que “é o que é”, diferente das aparências, ilusões, fantasias, ficções, sombras e cópias…).

 

Conta-se que no tempo da sua juventude Platão até tinha alimentado pretensões a uma carreira no mundo da política, mas que rapidamente se desinteressou ao ver a desonestidade e a mentira existente nesta ‘nobre’ arte, no período das Guerras do Peloponeso, para não mencionar as acusações forjadas que enviaram o seu mestre e velho amigo, Sócrates (“o mais justo dos homens daquele tempo”), ao encontro da morte. Qualquer semelhança com o mundo da política atual (não) é mera coincidência! A retórica contemporânea, essa arte de bem falar e de com eloquência persuadir o auditório/público, socorrendo-se cada vez mais da manipulação, da distorção/deturpação, é agora mais rotineira – e serve-se de meios cada vez mais aprimorados – do que nunca (num pequeno exercício contabilístico, só em 2019 foram quase três mil as mentiras ou ‘exageros’ proferidos pelo presidente norte-americano, Donald Trump, mas a pantominice também prolifera na narrativa política nacional e regional). Curiosamente, no texto da Constituição da República Portuguesa, aprovada na sessão plenária de 2 de abril de 1976, não aparece uma única vez redigida a palavra Verdade, facto que pode demonstrar não só o desinteresse por este importante valor da/na democracia, como dá credibilidade (e força) à antiga história da “verdade nua e crua”, que no ornamento retórico se deixou enganar pela mentira, a qual se maquilhou com as suas vestes.

 

Por último, é um facto que o entendimento sobre o conceito de Verdade (e a sua relação com o conhecimento da realidade) sofreu alterações ao longo dos séculos. Platão, na famosa “Alegoria da Caverna” (livro VIIº da República), deu o ponto de partida para essa busca incessante, mas que agora aparenta ter expirado. O nosso até agora único Prémio Nobel da Literatura, José Saramago, diz-nos que a narrativa predominante é de que “não há Verdade”, que modernamente “vivemos no tempo da mentira universal (pois) nunca se mentiu tanto. Vivemos na mentira todos os dias!”. Teimosamente, prossigo a acreditar que Verdade não prescreveu ainda, que a sua busca continua a ser a missão e motivação de muitos – a inspiração de uma vida –, apesar de por vezes ser inconveniente, mas sempre inegociável, inviolável, intemporal (alguns consideram-na também “sagrada”) e um necessário e indispensável pilar da verdadeira Democracia.

 

 

 

Foto MC 2020.jpg

Miguel A. Palma Costa

 

in Diário de Notícias da Madeira, 19 de novembro de 2020

https://www.dnoticias.pt/2020/11/19/239493-filosofia-democracia-e-verdade/

 


rotasfilosoficas às 18:19

link do post | favorito

pesquisar

 

links