Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do ‘Espetáculo...

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

A vida é demasiado curta

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


sobre mim:

Quarta-feira, 2 de Setembro de 2020

O fator TEMPO

 

 

Tempo - Dali.jpg

 

 

Cada um de nós vive sempre entre o ontem (ou o que já passou) e o amanhã (ou aquilo está por vir). É esta a forma como experienciamos o tempo (momento ou instante) presente.

 

Como seria se pudéssemos recordar o futuro, se conseguíssemos revivê-lo? Isso é irrealizável, dizemos nós.
A nossa vida seria suportável se não houvesse a incerteza do amanhã, do que está por vir? A resposta é obvia: claro que sim! É assim que todos funcionamos no dia a dia, apesar de alguns, quando vivenciam uma determinada situação, terem a impressão de que já viram aquilo antes e dizem que sabem, com uma “fração de segundos” de antecedência, o que vai acontecer (o “déjà-vu”, também conhecido e estudado na ciência). Não creio que alguém tenha tido qualquer “déjà-vu” relativo à pandemia da COVID-19 (e ao seu instante de eclosão e proporção) que estamos todos a tentar ultrapassar.

 

De facto, o poder do tempo é singular e extraordinário, e ele é capital nas nossas vidas. A Física diz-nos que ele é “operacional”, o “parâmetro que descreve a mudança de um sistema a partir de um estado”. Ora, presentemente ele parece-nos quase estagnado, paralisado, suspenso… talvez a palavra certa seja ‘dilatado’, pois os minutos parecem horas, os dias semanas e as semanas um mês inteiro. Porém, estamos todos ávidos de o acelerar para que tudo isto acabe o mais rápido possível e voltemos àquilo que denominamos "normalidade".

 

A forma como sentimos e experimentamos hoje o tempo é bem diferente de há 30 dias atrás. Por outras palavras, a passagem do tempo ganhou um novo sentido nas nossas sociedades ditas 'ultramodernas' (mas frágeis), e até nas coisas mais usuais que fazemos. O tempo da ciência, dos nossos relógios, de nossos sofisticados aparelhos de comunicação perdeu alguma ou muita da sua relevância. Inesperada e bruscamente, passámos a dar num novo (e outro) “sentido” ao tempo; passámos de um conceito abstrato a uma vivência e prova de resistência concreta, confinados nos nossos lares; fomos forçados a reavivar as nossas consciências de como o utilizar (convenientemente, espero!) e não o desaproveitar, pois nesta vida não estamos seguros nem um minuto.

 

Por último, que este estranho período que vivemos nos sirva também para aprender a aproveitar o tempo, um dos bens mais preciosos das nossas vidas!

 

Miguel Alexandre Palma Costa

 

 


rotasfilosoficas às 12:55

link do post | favorito

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos