Este espaço comunicativo foi pensado com o propósito de facultar a todos os interessados um conjunto de reflexões e recursos didácticos relativos ao ensino das disciplinas de Filosofia e Psicologia, acrescentado com alguns comentários do autor.

posts recentes

Não Pensar

Regresso à origem

Esta Região (ainda) é par...

Dispersos de um confiname...

O fator TEMPO

Prometer ilusões

Vírus instruído e pessoas...

A tarefa da Filosofia hoj...

Dispersos de um confiname...

Política de "Cartel"

O pós-coronavírus e os no...

25 de Abril, memória(s) e...

Retorno ao valores

Lição de otimismo

Um Elogio à Ciência

Quanto vale a competência...

Educação (sem) paixão?

A Política do ‘Espetáculo...

Deixem(-nos) ensinar!

Duvidar e questionar

Para lá das aparências

Think outside the box

A Política e a construção...

Violência e Política

Ética, Política e Corrupç...

Democracia e racionalidad...

Esgotados, insatisfeitos ...

Elogio a Saramago e à Fil...

E (quase) tudo o Leslie l...

O Desejo de Poder

Política com Valores

Há Futuro?

A vida é demasiado curta

O valor da Filosofia

O que é a Filosofia? (Víd...

A democracia sem partidos...

5 de Outubro - DIA MUNDIA...

Da "política do medo" à p...

Política: da teoria à má ...

Filosofia, pensamento crí...

Reuniões, reuniões... e b...

Dia Internacional da Filo...

Escola a Tempo Inteiro: u...

Lobbying na RAM?

Profissionalismo e Profis...

Kant e a intenção na ação

Uma lição de estética

Ser professor hoje

Tempo e Liberdade

O que é a Guerra?

arquivos

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Dezembro 2019

Outubro 2019

Julho 2019

Junho 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Junho 2018

Março 2018

Janeiro 2018

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Março 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Junho 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Junho 2014

Maio 2014

Maio 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Junho 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Maio 2007

Relógio:

Novembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


sobre mim:

Quarta-feira, 15 de Julho de 2020

Vírus instruído e pessoas "asnas"?

 

 

Covid e estupidez.jpg

 

Nos últimos meses tenho lido, observado, examinado, meditado e aprendido algumas coisas sobre o novo coronavírus (SARS-CoV-2), mas, particularmente sobre as várias e diferentes diretivas/orientações emanadas da OMS e da ‘nossa’ Direção Geral de Saúde. Confesso que estou cada vez mais “ababelado” com algumas delas.


- Em março, um dos primeiros estudos revelava que o vírus podia sobreviver no ar durante 30 minutos, resistir durante dias em cima de determinadas superfícies e deslocar-se pelo ar numa distância até aos 4,5 metros, acima dos 1 a 2 metros recomendados como distância segura pelas autoridades de saúde mundial (OMS). Mais, num ambiente fechado com ar condicionado (por exemplo, avião), a distância de transmissão do novo coronavírus “deverá ser maior do que a distância habitualmente considerada de segurança”… e o vírus, presente em gotículas, pode sobreviver dois a três dias em superfícies de materiais como vidro, metal, plástico ou papel. Esta duração, porém, dependerá de algumas condições como o tipo de superfície e a temperatura – os 37.º são apontados como a temperatura ótima para a sua sobrevivência.


- Em abril, um estudo preliminar da Universidade de Cambridge referia que as gotículas que transportam o novo coronavírus podem alcançar até seis metros no caso da tosse. No caso de espirros, o seu alcance pode ser dos 7 aos 8 metros, consoante a temperatura, humidade e fluxo de ar, um alcance muito maior do que o metro e meio a dois metros de distância física recomendados pelas autoridades de saúde (DGS, por exemplo).


- Em maio, ficamos todos a saber que fazendo uso da tecnologia de radiação ultravioleta (UV-C), validada a nível científico na eliminação de microrganismos, podemos “inativar” o novo coronavírus responsável pela Covid-19. David Brenner, especialista da Columbia University, disse que este tipo de “desinfeção” irá fazer uma grande diferença na higienização dos autocarros e metro de Nova Iorque, e “é muito eficiente na eliminação do vírus que causa a Covid-19”.


Ora, estamos atualmente a meio de julho e os epidemiologistas avisam já que haverá aumento exponencial de infetados a partir de outubro. No mês anterior, o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus, chamou a atenção para que a pandemia da Covid-19 está a crescer a um ritmo alarmante – “demorou três semanas, no princípio da pandemia, a atingir o primeiro milhão de infetados, mas agora houve mais de um milhão de infetados em apenas uma semana”. Também neste mês ficamos também a saber que uma carta rubricada por 200 cientistas alertava “de que há provas de que a Covid-19 se transmite por aerossóis”, e que a OMS confirmou.


Perante tudo isto, o nosso Governo autoriza os carrosséis a reabrir, mas a Direção-Geral de Saúde (DGS) não acede à reabertura dos parques infantis – “nem de perto nem de longe” – (as crianças devem brincar no modelo de “bolhas familiares”), nem dos salões de dança ou de festa, mas, e ao contrário do que sucedeu na França e Reino Unido, por cá reabriram-se as escolas para que os alunos fossem “preparados” e pudessem realizar os exames nacionais de acesso ao ensino superior, atualmente ainda a decorrer. Mas as surpresas não se ficam por aqui: na passada sexta-feira, a atual Diretora-geral da Saúde disse que quer um distanciamento “mínimo de um metro” entre alunos nas salas de aula, já no arranque do próximo ano letivo, a somar-se a “outros métodos barreira” como forma de prevenção de infeções pelo novo coronavírus (máscaras e disposição das carteiras), e tudo isto para que sejam seguidas as orientações internacionais. Quais delas, pergunto?


Bem, para quem faz a adição de toda estas ‘considerações’ e as relaciona/confronta com a realidade das últimas semanas, alcança inevitavelmente a uma conclusão: ou o novo coronavírus (SARS-CoV-2) é de facto muito perspicaz e sabe admiravelmente quem, onde e como infetar/contagiar, ou então somos muito “asnos” (uma boa maioria) e não entendemos nem a informação/conhecimento (alguma dela contraditória) difundida pelas organizações de saúde nacionais e internacionais, e nem queremos saber como prevenir/evitar a exposição a este novo coronavírus que já ceifou 1662 vidas em Portugal e cuja chegada da vacina ainda está num horizonte distante.

 

 

Miguel Alexandre Palma Costa

 

 


rotasfilosoficas às 16:18

link do post | favorito

pesquisar

 

O tempo por cá

links

Bandeira portuguesa Pictures, Images and Photos